terça-feira, 23 de abril de 2013

O Pecado

Fonte: Mãe Cristã




O homem, criado a imagem de Deus, é um ser essencialmente amante. Ele ama porque é alma e é alma amante porque Deus é o Amor.

Ora, o amor não é tido em preço algum senão quando se exerce livremente e seria destituído de qualquer valor se, como o fogo material, se prendesse inevitavelmente a todos os objetos com os quais se põe contato. Eis ai o mistério da liberdade humana: O homem é dotado de uma vontade livre, porque ele foi  feito para amar. Eis ai também o mistério da prova original, prova que se repete necessariamente para todos os homens: - Todos se acham na alternativa de escolher entre Deus e o termo que lhe é oposto. Só de nós depende expandir a nossa vida nos laços da adoração e do amor do Criador, conforme a lei do nosso destino, ou usar do livre arbítrio para dar a preferência a um objeto que não é Deus.

               Adão, o pai dos homens, tinha sido colocado nesta situação. Ele podia ligar-se irrevogavelmente a Deus por um amor fiel ou ceder a sedução do inimigo de Deus. Cedendo a esta por um ato livre da sua vontade, ele despenhou-se no abismo do mal, arrastando consigo o mundo onde devia imperar: Totus mundus in malignos positus.

               Todos os homens passam pela mesma prova; um prazo lhes é passado, como a Adão, para fazerem uso da sua liberdade. A vida terrestre não é mais que um discernimento, uma alternativa, uma escolha voluntária entre o bem e o mal. “A vida e a morte estão diante de vós, o que tiverdes escolhido, vos será dado”, dizem os Livros Sagrados. A livre oferenda do nosso coração a Deus constitui a justiça; a recusa desta homenagem constitui o pecado. O pecado é o desprezo do amor de Deus; ele degrada o coração, apartando-o da finalidade superior para que foi criado. Esta breve definição do pecado, que nos dá a teologia, bem nos mostra a sua terrível gravidade.

               Pois nada há mais monstruoso do que um ato contrário ao próprio fim da criação, um ato que se opõe aos desígnios de Deus, e que vai de encontro às vias sagradas da Providência!
               Pergunta-se como é que Deus pode com isso se ofender? Por certo que Ele não se formaliza a maneira dos homens. Não é uma tola suscetibilidade, uma vaidade frívola, que se fere com o pecado. É porém, o coração de um Deus, o coração de um Pai, que se sente ingratamente ultrajado. Julguemos dessa ofensa pelas emoções dolorosas que nós mesmos experimentamos, quando, por exemplo, os nosso próprios filhos se voltam contra nós. Nada é mais amargo do que a ingratidão; e com muita razão pode-se olhar como verdadeiros monstros os filhos ingratos que não reconhecem o sentimento de seus pais. No número infinito das aflições, a mais viva, a mais digna de lástima, é o desprezo ou ao menos a fria indiferença dos filhos por seu pai ou por sua mãe.

               Como se pode duvidar, portanto, de que ofende gravemente a Deus o homem que, em plena liberdade e com propósito deliberado, diz ao seu Criador, ao seu Pai: Nom servian, “não obedecerei!” Não se diz isso pela boca, mas diz-se pelas ações, todas as vezes que se viola as leis de Deus, que se rejeita sua palavra, que se contraria sua vontade e que se desconhecem os direitos do seu amor.

               O pecado não é somente uma prevaricação para com Deus, é também uma degradação para quem o comete; pois que ele se interpõe como a sombra da morte entre o homem e o seu Criador, intercepta as efusões da graça e os raios da luz, desseca pouco a pouco no pecador a seiva da vida celeste, obscurece a inteligência e endurece o coração; de modo que a alma cativa se amortalha na natureza decaída a qual, precipitando-se mais e mais tomba enfim numa abominável animalidade.

               Neste estado o desgraçado pecador não sabe mais implorar, nem gozar as coisas de Deus; foge de tudo que lhe recorda a Verdade e até da atmosfera da Igreja; repele a Palavra santa e as obras sérias; irrita-o o aspecto da virtude, e a simples vista de um padre o revolta; torna-se, em suma, segundo Davi, semelhante a uma fera, e não percebe a sua decadência.

               “Sicut jumentum factus sum, et ego nesciebam.” Notemos, além disso, que o mal moral é contagioso como o mal físico. Nenhum homem jamais se perverteu a si só, nem a si só se santificou: os homens desde o pecado original, se perdem e se salvam uns aos outros. A alma humana não vive isolada, está presa sempre a uma outra alma; e se, pelas suas preces, pelos seus sofrimentos e pelos seus exemplos, ela é como um elo de uma corrente que atrai os outros de uma mesma corrente, com maior força de razão a alma que cai arrasta na sua queda mais de uma triste vítima.

               É assim que por culpa de um só homem a corrupção penetra na família, nas cidades e até por vezes nos frutos da terra. “Até quando a erva dos campos há de murchar?” Pergunta o profeta (Jr 12,4).“Até quando chorará a terra por causa da iniqüidade dos que a habitam?”

               Sem entrar nas considerações que estas verdades comportam, faremos ver somente que famílias inteiras e muitas vezes numerosas gerações dependem do estado moral da mãe. A sua influência, quando ela é segundo Deus, exerce uma ação angélica. Mas quando o pecado devasta o seu coração, quando os seus exemplos são escândalos e quando a sua palavra não é mais do que um reflexo da sedução e da vaidade, ela se torna um anjo das trevas, um instrumento de perdição e de morte.
               Não acusemos a Deus das calamidades que se acumulam em redor de nós. Estas tempestades não se formam senão em conseqüência das exalações do pecado. Que, em seu ponto de vista particular, os sábios pesquisem a causa das moléstias estranhas que destroem alternativamente as existências deste mundo!

               Para nós, essa causa não está simplesmente nos caprichos da natureza. Não devemos interrogar a ciência para descobrir o segredo de tantos males, como não é a ela que se deve perguntar a razão porque certas regiões, outrora ricas e florescentes, se acham hoje mortas e desoladas.

               É que não há prosperidade nas sociedades humanas sem que as bênçãos do Altíssimo as torne fecundas; e onde essas bênçãos faltam, a terra se esteriliza e os que a habitam degeneram e morrem.
               Não se diga jamais que, apesar das inúmeras prevaricações que na atualidade se praticam, a vida continua sorridente e próspera. Perigoso engano! Nada há mais para recear do que uma falsa segurança! Nada é tão horrível como a noite da consciência! “Iluminai meus olhos, Senhor, a fim de que eu não adormeça no sono da morte”, dizia o profeta. E em outra parte: “Eles passam seus dias em paz, e num abrir e fechar de olhos descem ao fundo dos infernos.” Ninguém corre mais perigo que o homem que adormece à borda de um abismo.

               No domínio da antiga lei, o castigo seguia de perto o pecado; e estremecemos ao pensar na severidade da sanção penal correspondente a cada prevaricação. Mas o antigo povo de Deus era um povo profético. O que se realizava para ele no círculo estreito dos tempos e dos lugares visíveis era a representação do que se deve acontecer aos cristãos na eternidade e na imensidade.

               Se o rei Saul perdeu o cetro e a coroa por ter desobedecido a voz do profeta, qual será, pois, a sorte do cristão que do seu livre arbítrio transgride a lei de Deus e desconhece a autoridade sagrada da Igreja?

               Se Davi acarretou lutos e desgraças à sua família e flagelos a seus estados por não ter evitado a tentação que o fez sucumbir, em que penas incorrerá o cristão que voluntariamente se deixa cair, não em uma só cilada, mas em um labirinto de seduções e de perigos?

               Se Ezequias, até então fiel e virtuoso, se viu privado de seus filhos e de  seus tesouros, por causa da vã ostentação das suas riquezas, qual será o castigo da alma cristã que, em contrário as condições e aos votos do batismo, não quer outra coisa senão o luxo e as pompas do século?

               Ozias foi ferido de lepra por ter levado a mão temerária ao turíbulo sagrado; que acontecerá aos cristãos sacrílegos que abusam do corpo e do sangue de Jesus Cristo? “É uma coisa terrível cair entre as mãos do Deus vivo!” Exclama são Paulo.

               Porém o mais triste e infalível efeito do pecado é uma morte funesta. Neste instante supremo, as ilusões se dissipam. Cá embaixo, na terra, não resta mais do que um cadáver; mas a alma vai mostrar perante Deus a esterilidade dos seus atos e muitas vezes chagas incuráveis e lágrimas que não se estancarão jamais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...