sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Carência feminina


A maior fraqueza de uma mulher não é a sua sensualidade, 
mas sim o desgoverno de sua carência sentimental. 
A fraqueza masculina está no apetite sexual, 
mas a da mulher não. Ela carece de um afeto desmedido 
e onde há desordem consequentemente há escravidão. 
Logo, estará a mendigar por elogios, 
alguns minutinhos de atenção nem que seja em troca de sua honra. 
Antes de julgarmos os homens em suas fraquezas, 
ajudemo-los fortalecendo-nos em nossa vontade.


Letícia de Paula

DIABO E O FEMINISMO


É um engano achar que todo o feminismo nasceu por iniciativa feminina.
Basta estudar a história para verificar que "os cabeças" eram homens 
revolucionários ensinados pelo DIABO.
O feminismo teve sua origem no jardim do Éden, 
quando o DIABO tentou a primeira MULHER (Eva) 
lhe oferecendo um conhecimento que não lhe cabia 
e oferecendo-lhe a divindade; "sereis como deuses", 
disse-lhe. Ela, sendo intelectualmente mais corrompível cedeu e desde então, 
todos os filhos do demônio como Karl Marx, Lênin, Stalin 
oferecem a mesma "maçã" às filhas de Eva.

Letícia de Paula

Falta de objetividade nos relacionamentos


Creio que falta um pouco de objetividade e praticidade nas relações. O namoro não é um castelinho dos sonhos onde você vive um amor de Hollywood. Esse romantismo desmedido é burrice. Pessoas que buscam esse tipo de relacionamento são as que possuem um vazio existencial significativo e usam seus parceiros como fuga. Isso não é amor, isso é usar o outro como muleta.

A realidade da vida exige que coloquemos os pés no chão.

Essa pessoa vai ser boa mãe para meus filhos? Esse rapaz cuidará de mim se eu ficar doente de cama por anos? Ela ajudar-me-á a cumprir meu papel de autoridade no lar? Suportarei estar ao lado dele por anos, dia após dia? Ela estará comigo na luta contra o pecado? ...

Claro que é lícito os momentos de prazer, mas isso é secundário num relacionamento duradouro, repito: a realidade da vida exige de nós escolhas mais racionais e elevadas.

Por isso tantos casamentos fracassados. Falta de objetividade e praticidade na escolha do parceiro. Beleza, aquele desejo de conquista acabam com o tempo, o que fica é a rotina e as responsabilidades, suportáveis somente por um amor que visa o bem do outro, sem interesses próprios.

Letícia de Paula

terça-feira, 27 de setembro de 2016

ENSINO X EDUCAÇÃO

PROFESSOR NÃO É EDUCADOR

Um dos maiores planos da revolução anti-família é esse: o Estado não dá meios para que o pai de família sustente seu lar, obrigando a mulher a sair de casa para ajudar no orçamento; impõe o maldito ECA e mais documentos dando ao Estado a educação das crianças enquanto os pais trabalham; e nessa pseudo-educação dada pelo Estado, as crianças são doutrinadas a serem escravas de um governo liberal, ateu e assim gerações e gerações são firmadas sob raízes comunistas e satânicas.


domingo, 25 de setembro de 2016

19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO - 2.ª Parte

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO
2.ª Parte

• A excelente revista L’anneau d'Or[1] interrogou um dia os seus leitores: “Como ajudar as crianças a fazer a descoberta da morte?” Dentre as respostas recebidas, destacamos estas duas experiências:
• A propósito da criança diante da morte, eis a experiência de minha infância, pelo menos no que concerne ao fato material da presença dos mortos. Todos o retardam indefinidamente sob o pretexto de não impressionar as crianças. A meu ver é um erro: o choque será muito mais violento quando o primeiro morto que elas virem for um ente querido.

Quando ainda éramos muito crianças, entre 6 a 7 anos, mamãe não hesitava em levar-nos para junto de alguém de suas relações que acabara de morrer e que nós, crianças, mal conhecíamos. Ela o fazia com toda a naturalidade: “O Sr. X. acaba de morrer. Sua alma está junto ao Bom Deus, ou talvez ainda no Purgatório. Vamos rezar perto do seu corpo, por ele e por sua família que está sofrendo.” E mamãe evitava acrescentar: “Não tens medo, não é verdade?” Ou outra sugestão inábil do mesmo gênero. De modo que bem cedo fomos habituados a olhar sem o menor receio, adormecidos na morte rostos que havíamos conhecido vivos.
De volta, mamãe aproveitava a ocasião para falar-nos sobre a vida e a morte de um cristão, de uma maneira muito simples, a propósito daquele que acabávamos de ver: ela nos contava como havia vivido e como se preparara para morrer. Fazíamos perguntas de crianças às quais ela nos respondia tranquilamente.
Mais tarde, quando Deus chamou para Si nossas avós, depois uma irmã e um irmão ternamente amados, nossa dor, embora grande, não se complicou com o terror nervoso que vi certos adultos sentirem nessas ocasiões.

19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO - 1.ª Parte

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO

Uma mãe cristã se preocupa com a alma do seu filho muito antes que ele nasça. Durante esse período único em que é uma só pessoa com o serzinho que traz nas entranhas, a mãe pode, por seu espírito de oração e de oblação, exercer uma influência invisível sobre a alma do ser querido e capitalizar para ele as bênçãos divinas.

• No instante do nascimento, as mães e pais cristãos não deixam de consagrar ao Senhor o serzinho querido que Deus lhes deu, ou melhor, lhes confiou. O que será esse filho mais tarde? De qualquer modo, não se destina a se tornar um eleito? E a missão mais importante dos pais não é a de ajudá-lo a realizar a sua vocação sobrenatural de filho ou filha de Deus?
• Tão cedo quanto possível, batizai vosso filho. Que o cuidado com as legítimas alegrias familiares não diminua em vosso pensamento a grandeza do primeiro sacramento que o recém-nascido vai receber. Pensai que no momento em que a água se derrama na sua fronte enquanto são pronunciadas as palavras sacramentais, vosso filho se torna o tabernáculo vivo da Santíssima Trindade, e que forças ocultas — germes das virtudes teologais — nele se depositam misteriosamente. 
  • É aos pais que cabem a honra e a alegria da primeira educação religiosa dos filhos. Mas é preciso tudo prever. O padrinho e a madrinha recebem da Igreja a missão de “suplemento” e “complemento”. É nesse espírito que cumpre escolhê-los, e não tendo unicamente em conta convenções mundanas ou suscetibilidades familiares.

• É nos primeiros meses que a criança — que registra muito mais do que se pensa — pode receber a feliz influência da mamãe orando ao pé do seu berço. A criança, olhando apenas, imitará por si mesma os gestos da mãe e aprenderá assim, pouco a pouco, a juntar as mãos e a enviar um beijo à imagem de Jesus e de Maria, cujos nomes, juntamente com os do pai e da mãe, serão os primeiros que balbuciará.

domingo, 11 de setembro de 2016

Quadro esquemático da decadência da Civilização Ocidental Cristã

Nota do blogue: Quadro esquemático da decadência da Civilização Ocidental Cristã. As 3 Revoluções que destruíram a civilização cristã. Quadro cedido por um amigo.

(Clique na imagem para ampliá-la ou a salve e veja em seu computador)

REVOLUÇÃO FRANCESA E SUA INFLUÊNCIA NO FEMINISMO

Nota do blogue: Fiz um quadro tratando sobre a REVOLUÇÃO FRANCESA e o seu reflexo nos tempos atuais, inclusive desembocando no FEMINISMO.

(Clique na imagem para ampliá-la ou a salve e veja em seu computador)

18. A EDUCAÇÃO DA CONSCIÊNCIA

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


18. A EDUCAÇÃO DA CONSCIÊNCIA

Só há verdadeira educação onde há educação da liberdade e, 
portanto, educação da consciência.

• Praticamente, para a criança de tenra idade, bem e mal são o que os pais assim chamam. É fácil imaginar, então, o perigo representado pelo arbitrário, pelo exagero ou pelos erros de apreciação.
• Até que a criança atinja a idade de ter uma concepção pessoal da vida moral e de suas exigências, os pais são como a sua consciência viva. Nesse sentido, ocupam verdadeiramente o lugar de Deus. Grandeza e responsabilidade, estas! Pois que todo erro de "chaves” ou toda falsa manobra conduzirá mais tarde a desregulagens no mecanismo da consciência, e será uma das causas ocultas de muitos desregramentos.
• Todos os julgamentos de valor emitidos pelos pais, sobretudo se esses julgamentos são frequentemente repetidos, confirmados por exemplos e sanções, se inscrevem bem ou mal na consciência profunda da criança e até mesmo nos seus músculos.
 • É preciso dar à criança não apenas o conhecimento como o gosto do bem. A virtude que não for mais do que virtude fria, arrisca-se a cansar pela sua própria austeridade; quando se adorna de beleza, enche a alma de uma alegria estimulante, atrai e faz desabrochar. Não digais somente: “Está bem", “É mau”, mas: “É belo” ou “É feio”.

17. A ARTE DE ENCORAJAR E DE RECOMPENSAR

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


As crianças precisam mais de encorajamento do que de punições
(FÉNELON).

• Acreditar na realidade das boas disposições é criá-las e aumentá-las.
• A idéia do julgamento ou da opinião que fazemos da criança desempenha um papel importante na confecção dessa tela psicológica sobre a qual os seus atos e pensamentos bordarão dia a dia um pouco de sua vida.
• Quem quer que se persuada da incapacidade de fazer uma coisa, dela se torna realmente incapaz.
• Não é mau que a criança confie em si própria. Em definitivo, é melhor um pequeno excesso do que falta de autoconfiança. O “posso mais” é um estimulante mais forte do que o “não sirvo para nada” ou o “nunca conseguirei coisa alguma”. 
• Nada desestimula mais do que a indiferença: “Afinal de contas, não fizeste mais do que o teu dever; se não te digo nada, é que está bem.” A criança precisa de algo mais; é feliz quando se sente olhada e aprovada pelos que estima e ama!
• A confiança facilita a ação; a desconfiança suscita o desejo de agir mal.
• Não tenhamos medo de mostrar às crianças nossa confiança em suas possibilidades, o que será mesmo, por vezes, o melhor meio de despertar-lhes certas qualidades ainda adormecidas. Lembremo-nos das observações de Goethe, que vale tanto para as crianças como para os adultos: “Olhar os homens como eles são é torná-los piores; tratá-los como se fossem o que deveriam ser, é conduzi-los aonde devem ser conduzidos.”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...