quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O aborto e a falácia dos números pelo Padre Paulo Ricardo


Os números são manipulados de forma primária, não fazendo distinção entre aborto provocado e aborto natural, cálculo realizado por Débora Diniz, "pauzinho mandado" de organizações internacionais como a Fundação Mccartney, que é uma das maiores incentivadoras financeiras do aborto mundial.

Como 90% dos brasileiros é contrário ao aborto, essas organizações mundiais tentam manipular estatísticas para tentar "amolecer" o brasileiro, alegando que a não legalização do aborto tem matado mulheres indefesas. Falácia dos diabos.

Apoiem padres como o Padre Paulo Ricardo e o Padre Lodi que, bravamente, gladiam contra esses filhos do capeta.

O Brasil não aderirá ao aborto! Eu tenho fé.

Letícia de Paula

ETERNO MATRIMÔNIO


A nossa era desconhece o que Cristo fez ao matrimônio. Elevou-o a Sacramento, sobrenaturalizando esse contrato. Tornou-o indissolúvel, monogâmico e reflexo de Sua união com a Igreja.

A nossa era despreza o matrimônio, com suas leis e graças, relativizando o que é inviolável e colocando-o num patamar animal, onde o sexo é o centro da relação, sem concluir o fim para qual foi feito, a saber, a prole. O prazer existente na relação conjugal é como que um estímulo para as responsabilidades que dele nascem, os filhos e suas penas. Um casal que fica apenas com a gratificação (prazer) e não assume as penas (filhos, educação) atraiçoa a Deus.

A nossa era trata o Sacramento do matrimônio como se fosse um brinquedinho. Cansou dele, começou a dar os primeiros problemas, passou a fase da novidade e logo é colocado no lixo e se busca um novo. Acham que podem entrar com nulidade por qualquer futilidade, comprar bispos, ou assumir o status de "segunda união", desprezam o caráter indissolúvel e monogâmico dado por Jesus Cristo.

A nossa era usa do cônjuge como um objeto, aceitando o matrimônio apenas por formalidades, sem tomar pose das responsabilidades de fidelidade e amor mútuo que ele implica. Passam-se os anos, a beleza da primavera se vai, vem os conflitos, a rotina e o lar é maculado pela prostituta "traição", pelo divórcio, mentiras e brigas que fazem da vida dos filhos um inferno na terra.

Somos dessa era, mas não somos obrigados a sermos como ela. Somos batizados, filhos adotivos de Deus e cumpridores de Suas leis. Coremos nossa face diante de tantos insultos feitos ao Sacramento do Matrimônio, assumamos uma postura de cristãos autênticos como marido ou esposa. Tenhamos e eduquemos filhos para o Céu. Sejamos fiéis até à morte e jamais façamos de nosso lar um inferno para os filhos.

Somos desse mundo, estamos nele e temos a LUZ. Brilhemos, queridos, brilhemos a LUZ que é CRISTO, e não nos envergonhemos de perpetuar nosso matrimônio, honrando e santificando esse Sacramento.

Deus imperará nas famílias que não se envergonharem de Seu nome.

Letícia de Paula

sábado, 24 de dezembro de 2016

SANTO NATAL


Muitas pessoas deixam de aproveitar o Natal por conta de problemas na família, saudades daqueles que se foram, solidão entre outras coisas. Por mais que todas essas coisas sejam legítimas de pena nada, nada pode e deve nos tirar a alegria do Natal. Natal não é pra gente, não é festa familiar, não é comes e bebes, Natal é o nascimento do Menino-Jesus e esse precisa de uma manjedoura que o receba com alegria, e essa manjedoura DEVE ser o seu coração.

O site A grande guerra deseja a todos um santo Natal e que o Menino Jesus nasça diariamente em nossos corações!

Letícia de Paula

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

CARÊNCIA CRISTÃ


Vivemos numa época onde falta seriedade, honra e respeito nas relações. As pessoas são tratadas como objetos descartáveis, o sexo é idolatrado, o corpo venerado e a alma desprezada.

Cristãos remam contra essa maré, além de muitas vezes, trazerem uma má educação, virem de lares desestruturados, etc. A possibilidade de viver o cristianismo num lar estruturado e com uma pessoa de Deus acaba sendo a única alternativa.

Talvez por isso, quando uma moça (especialmente ela por ser mais emotiva) encontra um rapaz que se autodenomina "de Deus", venha essa descarga de anseios.

A caridade entra aqui, compreender tais situações e ajudar no que puder. Todo excesso é ruim, mas a carência pode ser ponderada com conversa, oração e parceria.

Letícia de Paula

COMPREENSÃO FEMININA


Os homens carregam uma responsabilidade enorme dentro de um relacionamento. O fato deles serem os provedores (não apenas no sentido financeiro), o cabeça da relação, aquele que baterá o martelo nas decisões de um lar, todas essas obrigações natas, trazem receio, angústia e um pouco de medo.

São homens passíveis dessas fraquezas, não são anjos.

Por isso, nós mulheres, devemos ajudá-los com nossa parceria, apoio e carinho. Jamais humilhá-los. Uma mulher que não consegue ter a docilidade para entender isso fará da vida de seu marido um inferno.

Letícia de Paula

HOMENS E MEDO DA EDUCAÇÃO DOS FILHOS


É muito comum o homem cristão temer pela educação que ele dará ao seu filho. É um temor legítimo, pois de uma boa educação se molda almas infantis. Todavia, a educação não se dá primeiramente pela ciência, pelo culto das letras e metodologias, não! A educação se inicia, finca e perpetualiza-se pelo bom exemplo que o pai dá, especialmente no campo espiritual.

Um homem que dobra seus joelhos e reza a Deus diante dos filhos forja "almas faróis".

Que o temor do homem seja acalmado por essa certeza.

Letícia de Paula


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

CASTIDADE NO NAMORO


Guardar a castidade no namoro não é só uma questão de temor, mas, especialmente uma prova de amor. E esse amor para com Deus se transborda atingindo o bem-amado.

Quem guarda a castidade exercita a sua vontade e paciência, domina suas vontades e eleva os desejos. Meu corpo anseia pelo prazer, mas esses anseios serão domados pela razão reta e pela graça a fim de presentear o apetite sensível no momento certo, com a benção de Deus.

Letícia de Paula

Homem e Mulher


O homem é a cabeça de sua mulher e a mulher 
é o coração do seu marido.

Que coisa mais perfeita essa comparação 
que tantos santos fizeram... 
o homem mais racional guia a mulher 
naquilo que suas emoções podem lhe trair e, 
a mulher, mais emotiva, traz vida ao homem. 
A boa mulher é que manterá 
o homem vivo em sua frieza.

Letícia de Paula

CRIANÇA E A EDUCAÇÃO INTEGRAL


Segundo o padre Álvaro Negromonte, existem educações insuficientes e parcialistas que definham a capacidade da criança. Vejamos:

— as materialistas: reduzem os cuidados à matéria desprezando o espírito, seus cuidados se fixam em: saúde, força, beleza, gozar as facilidades da vida. Esse é o erro da sociedade atual e que levam muitas famílias ao inferno.

— os intelectualistas: cultivam o "deus intelecto", esperam tudo das "luzes do alfabeto" e menosprezam a ação divina. Crianças crescem sem vida interior, sem vida da graça.

— os individualistas: educam no egocentrismo colocando o "eu" como centro do universo. Pequenos "deuses" individualistas que se deparam com outros "deuses" e o mundo segue numa loucura sem fim.

— os pragmatistas: pensam que a vida é ação prática e toda a educação se baseia num ritmo ativista e sem profundidade, sem reflexão, etc.

E a educação integral do homem: física, psíquica, moral e espiritual é abandonada, o homem cresce deficiente em sua formação íntegra e fica a mercê, quando criança, de educadores parcialistas.

O homem, tal como é, criatura de Deus, no conjunto de suas faculdades orgânicas e espirituais, na desorganização consequente ao pecado original, no complexo misterioso de elevações e fraquezas tem apenas uma meta final: a salvação eterna, e para isso, sua educação deve acontecer de forma suficiente.

Letícia de Paula

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

EDUCAÇÃO E A CRIMINALIDADE


Esses documentos chinfrins como o Eca, alegam que a permanência das crianças e dos adolescentes na Escola lhe garantem um futuro fora da criminalidade. 

Será? 

Não é crime matar um índio queimando-o vivo? (como fizeram os boyzinhos de Brasília); ou atirar em várias pessoas num cinema, ferindo e matando quase 60 pessoas, como fez James Holmes (estudante da Escola de Medicina da Universidade do Colorado); ou mesmo, matar os pais como no caso de Suzane von Richthofen (riquinha do Brooklin)?! os políticos engravatados que possuem canudos e mais canudos eu nem colocarei nessa lista para não me dar indigestão.

O que previne uma criança da criminalidade? O Estado? a Escola? não! o que previne uma criança de ser um futuro criminoso é uma verdadeira educação enraizada em princípios cristãos, uma moral firme, formação de caráter e princípios, coisas que quase nenhuma escola oferece hoje. 

Esse jargão é um atentado à razão.

A criminalidade infantil está ligada diretamente à ausência dos pais no crescimento dos filhos, lares destruídos por divórcios e traições, falta de Deus na família. Não pensem que enfiar uma criança por oito horas numa creche ou escola livrá-la-á de ser um bandido.

Letícia de Paula

CRIANÇAS E OS VERDADEIROS HERÓIS

É muito saudável vivificar o lúdico na vida da criança, aquele mundo de "contos de fadas" onde existem os heróis e as princesas, mas não nos esqueçamos que, os verdadeiros heróis (santos) devem ser apresentados aos pequenos ainda quando pequenos, época marcante, onde registramos impressões e formamos nosso caráter.

Eu farei um álbum aqui no meu FB com algumas imagens bonitas de santos, deixarei aberta para ajuda dos amigos, logo, quem também tiver boas e pias imagens podem contribuir. 

Conte a vida de santos para as crianças, deixe-as manipular os santinhos, perceberá, no futuro o efeito dessa educação.

Letícia de Paula

ERA DE MOLENGAS


Vivemos numa era de molengas. Homens e mulheres que firmam suas decisões nas emoções. Nunca abandonam o lúcido infantil e seguem derramando leite por onde andam... frases como: "ah, não sei se é a pessoa certa para mim, não senti no meu coração" ou "não vou assumir esse trabalho, pois não fui tocado"... revelam almas infantis e que pulam de galho em galho esperando uma estrelinha cadente. 

Falta fibra, decisão, meta e ordenar os sentimentos para o uso correto da razão. 

A cada geração adultos mais infantilizados e um futuro sem vigor.

Letícia de Paula

AS CONSEQUÊNCIAS DE UM LAR DESESTRUTURADO


A formação moral, psíquica e emocional de uma criança se forma nos primeiros anos de vida. Não é incomum ver jovens tendendo ao homossexualismo, ao feminismo e a anarquia por conta de lares desestruturados, onde não houve presença paterna e materna adequada. Homossexualismo, na maioria dos casos, é uma desordem psíquica, onde as figuras femininas e masculinas não foram bem determinadas na mente de uma criança por falta de bons exemplos dos pais. A criança aprende com traumas e mágoas.

Apenas um exemplo: uma moça não quer se relacionar com homens por maus tratos do pai ou por ausência desse, então, ela percebe que por ter esse bloqueio interior, deve agir como homem e se aproxima só de mulheres, pois não teme a figura feminina, apenas a dela mesma e, vive esse confronto doloroso, encontrando "apoio" numa sociedade assassina e perversa.

E essa sociedade trata essas consequências desastrosas como "liberdade do ser-humano"... e almas sofridas, perdidas e que caminham em meio ao escuro ganham os "aplausos" de seus torturadores enquanto caminham para o abismo.

E quão importante é um lar estruturado!

Letícia de Paula

DOCE CAVALHEIRO


Doce cavalheiro, que o semblante me é enigma
Sinto a tua presença, e isso me reanima.
Almas desde sempre unidas, num doce ato de crer
Na espera de um encontro, que alegre nosso viver.

Doce cavalheiro, que me tira noites de sono
A imaginar o teu toque, tua respiração e teu gosto.
Estarei aqui, mesmo se as estrelas apagarem,
Mesmo que o sol escureça e teus olhos não mais brilharem.

Estarei aqui, meu Doce cavalheiro, a enxugar as tuas lágrimas
Em tua dor serei sustento e amparo em tuas lástimas.
Estarei aqui, meu Doce Cavalheiro, unida ao teu coração
A espera de um ósculo eterno que selará nossa união.

Autoria: Letícia de Paula

CRIANÇA E BULLYING NA FÉ


Hoje muito se fala de Bullying infantil, vamos ver o que significa. Bullying é uma palavra de origem inglesa que significa “intimidação” e essa intimidação se dá no campo físico e psíquico.

E como reagir quando a criança sofre esse tipo de intimidação no campo de sua Fé? Farei alguns apontamentos:

1.º — O mundo sempre nos fará guerra.

Será que os pais educam os filhos com essa percepção de vida? Filhos do mundo e filhos da Luz. O mundo que sempre nos fará guerra, que os filhos de Deus serão perseguidos; que estamos numa guerra e que, como soldados devemos combater? Isso prepara as crianças para enfrentarem com mais vigor as intimidações.

2.º — Excesso de proteção.

É nato nos pais quererem proteger seus filhos das dores, humilhações, etc., mas até que ponto isso ajudá-los-á a serem católicos fortes e destemidos? tratou-se com os filhos sobre a importância de algumas virtudes como a fortaleza, paciência nas provas, sobre o valor que possuem por serem soldados de Cristo?

3.º — Cristão é bom mas não é otário.

domingo, 4 de dezembro de 2016

REVENDO CONCEITOS




A Igreja nunca condenou a escolha de um pretendente por beleza ou riqueza, mas sempre aconselhou que a escolha seja, especialmente, pelas virtudes.

Observando o desenvolvimento de muitas gerações percebo que a idolatria pelo corpo vem crescendo de forma desmedida. A mídia brinca com a mente da sociedade e a faz de marionete.

Ora um corpo anorexo é o esteriótipo da beleza; depois de alguns anos um corpo mais encorpado toma o seu lugar.

Isso acontece porque já não há mais uma educação que visa formar o homem no seu todo como faziam as escolas jesuítas e os pais cristãos; educa-se para exercer uma função na sociedade (apenas parte de um homem) e o homem fica deficiente de formação de virtudes, consequentemente suas escolhas e preocupações se tornam fúteis, externas.

Basta olhar para a juventude e perceber como tentam chamar a atenção com a moda, cada vez mais escravizante. E fomos criados nessa sociedade e nossas escolhas se dão naquilo que nos impõe e nos sobressaltam aos olhos -- o exterior.

Sim, todos gostam de pessoas bonitas, bem apresentáveis, não sejamos hipócritas, isso faz parte de nossa natureza, mas até que ponto a nossa concepção de beleza não está influenciada pela mídia e sociedade e por nossa formação decadente? até que preço estamos dispostos a pagar por essas escolhas?

Será que o fato de não conseguirmos ter uma concepção de beleza que engloba não só o exterior, mas especialmente o interior, os gestos, se deve por uma desfiguração da beleza verdadeira?

Letícia de Paula

Feminismo - negação da essência feminina


O feminismo incita o ódio não aos homens, mas especificamente à mulher em sua essência. Tanto que a intenção do feminismo é transformar mulheres em homens, como se isso fosse possível.

As moças negam as gravidezes, constituir família e até suas fisionomias são transformadas para em tudo se parecerem com homens.

O feminismo incita o ódio da mulher para com ela mesma.

A negação de sua essência.
O ódio a Deus.

A maioria dessas jovens se adentram ao feminismo por uma crise existencial e por falta de orientação correta.

Encontram no feminismo "uma voz" que lhes diz: Venha.
E lá elas acreditam que são úteis, livres e protegidas.

Lamentável tudo isso. 
Destroem-se a si mesmas.

Letícia de Paula

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

A modéstia só existe onde há caridade


À partir do momento em que a mulher compreender que seu irmão é sacrário do próprio Deus, e que o demônio tenta retirar Deus do Seu trono (nossa alma), ela, por caridade/amor, mudará suas atitudes. Em vestimenta, em ações e palavras, uma mudança causada por amor, compreendem? fora isso, teremos "caricaturas de modéstia".

Letícia de Paula

EXCESSO DE ZELO GERA DOENÇA


Já repararam como nas últimas décadas as crianças estão fracas e cheias de doenças? E já repararam como tem pais frescos que não deixam uma janela aberta na casa para a criança "não pegar vento", e toda hora ficam com álcool gel na mão para que a criança não seja contaminada?

Criança precisa de uma vitamina muito rica, a vitamina "S" de sujeira. Tem que criar anticorpos. Claro que não vai deixar a criança fazer a festa no banheiro, mas brincar no chão, terra... é saudável.

Se a chupeta caiu no chão, não vai morrer se não esterilizar com álcool.

Criança precisa de ar, nada de ficar abarrotando os coitados com tantas roupas e mantas, ou então, qualquer coisinha socar remédio nos pequenos.

Muitas crianças sofrem por conta de neuras dos pais inseguros.
Atentemo-nos.

Letícia de Paula

ESTUDIOSIDADE FEMININA


Tratando um pouco sobre a estudiosidade feminina, gostaria de apontar três fatos:

1.º — Papel da mãe na educação intelectual dos filhos;
2.º — Desigualdade ordena o mundo;
3.º — Liberdade contra ordem é escravidão.


1.º — Papel da mãe na educação intelectual dos filhos:

A mãe é a responsável primeira na educação integral dos filhos, sendo que o marido é o provedor do lar e dado aos trabalhos exteriores. A ela cabe não só os trabalhos manuais como também a educação do intelecto e espiritualidade dos filhos. Isso não se dá de forma excelente se ela não buscar uma estudiosidade voltada para isso, logo, todo sofisma de que a religião católica escraviza a mulher às lidas domésticas caí por terra. Ela deve aprender gramática, artes, noções de geografia e história (não esse marxismo das universidades), caracteres de temperamentos, psicologia (nada de Freud) para lidar com os temperamentos distintos dos filhos, história da Igreja, vida de santos, alguns poucos de espiritualidade (caminho de perfeição) e por aí vai. Querer desfocar a estudiosidade da mulher desses fins seria ocupar seu tempo e desfocar sua missão.

2.º — Desigualdade ordena o mundo:

O Céu é hierárquico e desigual e vemos essa aplicação em todo o universo, entre todas as criaturas, o que nos leva a deduzir que também entre os homens.

"Entretanto, há nos homens uma igualdade fundamental proveniente do fato de terem uma só natureza. Ser homem é ser animal racional, isto é, ser constituído por corpo animal e alma espiritual: capaz de aprender com a inteligência, querer com a vontade e sentir com a sensibilidade... (...) todavia, se entre os homens existe essa igualdade natural fundamental, disto não se segue que sejam iguais em tudo. Nos acidentes os homens são diferentes." (retirado do site da Montfort)

Há desigualdade entre os sexos e isso influencia em suas funções intelectuais, cada um foi criado com caracteres próprios para cumprir sua vocação.

"As coisas que procedem de Deus estão ordenadas" (Rm 13, 1).

3.º — Liberdade contra ordem é escravidão.

REVOLUÇÃO é a subversão à ordem divina. O primeiro revolucionário foi Lúcifer, querendo ser como Deus e dividindo os Anjos do Céu, vemos essa ação revolucionária no Jardim do Éden, quando tenta EVA, mais corruptível em sua natureza, e isso se perpassa por toda a humanidade. Todas as revoluções subvertem à ordem divina e sua consequência, assim como foi com Lúcifer e seus seguidores, é a escravidão.

Letícia de Paula

CRIANÇA E O NATAL


Perguntaram-me o que eu penso sobre o Papai Noel e presente para as crianças.

Ser-lhes-ei muito sincera.

Meus filhos saberão que o Natal é o nascimento do Menino Jesus, época de muita alegria, cheia de esperança e que, por isso, temos que comemorar. Presentes, Ceia, Missa e caridade.

Ajudar-me-ão a levar alguns presentes para orfanatos e dirão às crianças carentes que o Menino Jesus faz aniversário, mas que por amor quem receberá presentes são eles.

Haverá Ceia, Missa e presentes para os pequenos, mas ao invés do Papai Noel fajuto, quem lhes dará o presente e encherá a alma dos pequenos (meus filhos) de expectativas é o Menino Jesus.

Sim, a criança precisa do lúdico, mas não quando a realidade pode fazer melhor.

Letícia de Paula

sábado, 12 de novembro de 2016

MÃE E A EDUCAÇÃO DO FILHO


Um erro muito comum nos dias atuais é a mãe tratar seu filho como se fosse uma boneca. 

Enche-o de mimos, de elogios e carinhos e fica indignada com qualquer contrariedade feita ao pequeno, como se ele fosse feito de cristal.

Já com seus 2 anos, quando surgem as brigas entre outras crianças, o que é normal, ela se apavora com qualquer arranhão e, sem perceber, vai educando seu filho para ser um efeminado. 

Não adianta só comprar roupa azul e carrinho. As atitudes de uma mãe para com o filho devem ser mais viris do que com relação à menina. Isso não significa que deva haver rigidez em excesso, mas ele, o filho, deve compreender que sua natureza é mais forte por ser menino e essa compreensão se dá, de início e especialmente, pela forma como é tratado pela mãe.

Mulheres, não tratem seus filhos como bonecas, agindo assim, estarão educando-os para serem efeminados.

Letícia de Paula

CRIANÇA E TV



Essa "prostituta" que colocamos dentro de nossa casa é, em grande parte dos casos, uma corruptora infantil. 

Criança aprende imitando. Acha mesmo que não vão querer imitar os pais que ficam em suas horas livres diante da "prostituta" assistindo novelas e outras porcarias? TV apenas para exibir algum filme ou musical instrutivo e mediante a presença dos pais.

Além de trazer corrupção moral essa "prostituta" não deixa que os pequenos se desenvolvam fisicamente. 

Gerações molengas e preguiçosas, com a "onipotência" de um controle remoto.
Fiquemos atentos.

Letícia de Paula


PAIS E APEGO

Enquanto os pais não compreenderem que são apenas cooperadores de Deus na criação de seus filhos, serão escravos de um apego desenfreado por eles.

A missão primeira dos pais é educar seus filhos para marcharem rumo ao Céu e, sabemos que o caminho é estreito, de muito sofrimento e humilhações. O apego impede essa marcha e míngua o desenvolvimento dos filhos. 

Que tenhamos como exemplo aquela mulher do Antigo Testamento, que exaltou a Deus ao ver seus 7 filhos morrerem pela Fé. 

É difícil, mas ninguém disse que seria fácil, e essa vida é uma brevidade perto da eternidade. Não poupem seus filhos dos grandes lugares no Céu.

Letícia de Paula

CRIANÇA E ROTINA



"Onde há excesso há erro".

Essa frase é condutora também na educação dos nossos filhos. 

A criança tem muita energia, mas o excesso de atividades pode lhe trazer estafa física e mental. Impôr que a criança esteja cada vez mais cedo nas escolas (como tem feito o Estado) e cumpra uma rotina escolar só serve para definhar a vivacidade dos pequenos, pois ficam confinados num ambiente que não lhes é familiar e, na maioria das vezes, aprendendo a serem "ocos". Toda a criatividade, anseio pelo novo -- nato da criança -- se perde em bagatelas escolares nada produtivas.

Da mesma forma que não impôr rotina nenhuma lhe traz propensão à preguiça e ao comodismo.

É importante entender que, cabe aos pais, ensinar aos pequenos a ordenar o dia. Tudo tem seu tempo debaixo dos Céus. Hora de comer, brincar, ler, rezar, descansar, silenciar, falar, enfim... mas deve ser feito mediante a idade das crianças que ainda estão em desenvolvimento e necessitam descansar mais que os adultos.

Segue algumas dicas práticas:

______________

1. Até seus 3 anos é normal a criança querer dormir à tarde. Estimule esse momento com um ambiente propício, música, sem claridade e dengo moderado. (não passar muito mais que 2 horas).

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

EXCESSO DE ORDENS DESNECESSÁRIAS


Uma forma muito comum de se perder a autoridade diante dos filhos são as inúmeras intervenções feitas sem muito critério. Exemplifico.

Uma mãe que passa o dia todo brigando com o filho, "Pedro, não suba na cadeira"; "não beba água gelada"; "eu estou mandando desligar essa TV"; "Pedro, pare agora com essa gritaria", etc, essas intervenções, geralmente feitas em alto tom, só servem para desautorizar os pais perante os filhos.

Se um dia a mãe for intervir por algo realmente de critério como numa mentira cometida ou pelo fato dos filhos não quererem ir à missa, eles não darão grande importância e não saberão distinguir a gravidade de uma falta leve e de uma grave.

O ideal é sempre conversar com os filhos, abaixados (na altura deles) e em tom suave de voz, explicando o que você quer deles, com autoridade, mas também suavidade, e, quando precisar intervir com mais pegada, se assim posso dizer, eles perceberão que determinado assunto tem sua gravidade.

Mas ainda sim, gritos e descontrole não são permitidos, pois só servem para desautorizar os pais.

Letícia de Paula

ORDENS DADAS AOS FILHOS


Tratemos de alguns pontos práticos sobre ordens dadas aos filhos.

1. Evitar dar ordens a torto e a direito, a multiplicação de ordens desarrazoadas enfraquece a autoridade.
2. Jamais ordenar coisas que as crianças já estão dispostas a fazer.
3. Não confundir autoridade com autoritarismo.
4. Quando ordenar algo faça que sua ordem se cumpra.
5. Tenha certeza do que quer ordenar e formule sua ordem de forma que a criança compreenda-a claramente.
6. Jamais ordene algo gritando.
7. Uma ordem jamais deve ser dada em tom de súplica.
8. Depois de uma ordem dada não tentar convencer a criança a cumpri-la com barganha.
9. Jamais use de sarcarmo em suas ordens.
10. Mostre alegria e orgulho com as ordens obedecidas, porém evitar excessos.

Letícia de Paula

HOMOSSEXUALISMO SENDO ENSINADO NAS CARTILHAS INFANTIS

E você acha mesmo que há exageros quando se diz que o governo quer corromper as crianças com ideologias satânicas?

Olha aí, uma cartilha distribuída em Recife.

Incentivando ao homossexualismo e ditando como ação discriminatória ser contra "um papo que quer namorar outro pato".

DESGRAÇADOS.

____________________________________

(CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIÁ-LAS)




sábado, 29 de outubro de 2016

CRIANÇA E O DIA DE DOMINGO


É indispensável que o dia de domingo seja um dia diferente para as crianças.

Os pais podem incutir na alma dos pequenos uma devoção para esse dia. Fazer com que preparem e escolham a "roupa de missa", ou seja, a melhor roupa; se ela recebe uma mesada propôr que separe uma pequena parte que será distribuída nos 4 domingos para o momento do ofertório, mas orientando que o mais importante é se ofertar a Deus. Lembrar da importância do silêncio na missa, mas nunca nos esqueçamos que se trata de crianças. Evitar qualquer tipo de barganha com a criança do tipo: fique quietinha e depois te compro uma pipoca.

Não, a partir de uma certa idade a criança tem que participar dos momentos com os pais que lhes explicarão tudo em linguagem que sua idade possa compreender.

Letícia de Paula

MISSÃO DIVINA

Educar uma prole requer tempo, preparação, renúncia. Não é algo simples. Educa-se o intelecto, a moral, o físico e o espiritual. Isso exige acompanhamento, observação, métodos e sacrifícios. 

Que uma mulher queira trabalhar fora para se sentir útil, realizada, tudo bem, mas sua obrigação, desde que assume um casamento é com a família e em especial com os filhos, pois esses são subordinados diretos dela. Trabalho, estudo são pontos secundários e sua alegria deve ter origem nessa missão cumprida e não noutras.

Esse princípio não tem nada de burguês e nem de opressor, esse princípio é divino.

Letícia de Paula

CORRUPÇÃO MORAL E A MÚSICA



Uma das melhores formas de se evitar corrupção moral de crianças é educá-las musicalmente. 

Desde o ventre materno a criança já deve ouvir boas músicas. Com os primeiros anos de vida viver num ambiente onde os pais têm esse costume.

Nada de galinha pintadinha, que nada tem de instrução e belo, muito menos essas músicas mundanas que levam à sensualidade e à escravidão corporal. 

Se soubéssemos a importante da música na formação da vontade jamais faríamos descaso dela na vida de nossos pequenos.

____________

Algumas sugestões de músicas:

* Canções de Santa Maria — são ótimas em letra, ritmo e variedade de instrumentos, muito valiosas para formarem os ouvidos infantis, além de muitas serem animadas. (acha-se no youtube).

* Palavra cantada — é muito bom também, em especial o Cd Pauleco e Sandreca. Existe um diferencial na preparação do vídeo, som de instrumentos mais nítidos.

* Fortuna — Um trabalho bem legal de música e teatro.

* Existem algumas músicas clássicas boas, por exemplo: Yo-Yo Ma, Kathryn Stott, Jacques Ibert - trois pièces brèves, I. Allegro - Carion, como ensina Carlos Nadalim no link abaixo:

SOBRE ALGUNS DEVERES DOS EDUCADORES


1. Dar o exemplo.

2. Buscar uma vida de formação sobre educação.

3. Rezar para bem cumprir a missão de educadores e rezar pela santificação dos educandos.

4. Colocar a formação espiritual e moral acima da educação intelectual, pois será as duas primeiras educações que darão base para que o educando tenha uma vida intelectual saudável. A educação física já é algo mais nato, se assim posso dizer.

5. Não abrir mão da autoridade, porém sem cair no autoritarismo.

6. Fugir dos excessos. A criança precisa ser criança e ter uma educação pautada no equilíbrio.

7. Oferecer uma educação provinda da alegria.

8. Paciência para com o educando e para consigo, pois a impaciência gera o desespero e a desistência.

9. Vigilância.

10. Domar a vontade própria e presar pela boa formação da criança. Alguns educadores tornam-se cegos diante do amor pelo educando e agem mais pelos sentimentos do que pela razão, isso pode prejudicar seriamente uma educação firme que possibilite uma visão mais real da vida aos educandos.

Letícia de Paula

DESENVOLVIMENTO SOCIAL INFANTIL

O que mais tem por aí são pessoas defendendo que a educação em colégios, em especial nos primeiros anos de vida (creches), é importante para o desenvolvimento social da criança.

Posso falar? Isso é uma das maiores falácias que existe.

Misturam num liquidificador crianças de vários níveis sociais, com diferentes educações e religiões, algumas com problemas emocionais sérios, e depois colocam essa mistura em forminhas politicamente corretas, liberais e relativistas.

"Somos todos iguais, independente das diferenças".

O desenvolvimento social pode-se dar de diversas formas.

Aprendendo uma arte marcial, música, algum curso, com os amigos do prédio ou rua, primos, enfim... não há necessidade de deixar uma criança 8 horas por dia, de segunda a sexta num ambiente corrompível com essa justificativa barata e egoísta.

O maior desenvolvimento social que uma criança precisa é com sua primeira sociedade, a saber: sua família.

Letícia de Paula

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Um padre é condenado pelo STJ a pagar 60 mil reais

Um padre é condenado pelo STJ a pagar 60 mil reais em indenização por interromper um assassinato (aborto).

Algumas observações:

1- O Padre Lodi é condenado, e o desembargador que deferiu o habeas corpus -- solicitado pelo padre -- não. Como assim? não há uma hierarquia aqui a ser obedecida? não seria correto ambos serem indenizados se realmente a ação fosse temerária?

2- O Tribunal ou Desembargador concedeu a ordem, não foi por obediência ao cidadão, mas por verificar que naquele caso, o juiz estava de fato agindo com ilegalidade e abuso de poder. Logo, essa condenação ao Padre Lodi inutiliza a lei. BRASIL LIXO.

3- A criança viveu mais algumas horas depois de nascida, mesmo depois de ter sido vítima das medicações dadas à mãe para o aborto induzido. Do que morreu essa criança? ela sofria de síndrome de Body Stalk, mas fizeram uma autopsia para comprovar qual a morte real dessa criança? Síndrome ou envenenamento por medicações fortes?

4- Só tenho uma coisa a dizer a esse padre: BRAVO!

Letícia de Paula

ESCOLAS OCUPADAS



Um garoto de 16 anos morre dentro de uma escola ocupada por delinquentes. Algumas observações:

1- A morte realmente se deu por conta de uma briga entre drogados? Tenho eu cá minhas dúvidas.

2- Suspeito e vítima entram na escola ocupada tranquilamente, usam drogas, brigam, ocorre um ASSASSINATO lá dentro e o movimento Ocupa Paraná alega que eles não fazem parte da ocupação. Sei...

3- Ocupa Paraná, ao se referir ao garoto morto, em nota diz: "mesmo não sendo um dos estudantes que ocupavam a escola é também vítima de um sistema que oprime e que não corresponde aos anseios da juventude." — Vítima do sistema? ou seria vítima de uma ocupação feita por bandidos?

4- Já se esperava por uma morte nessas ocupações mas vinda da polícia, assim poderiam culpar o governo Temer e a própria polícia, mas veio do meio deles e é claro, será abafado e culpam "o sistema que oprime" (tópico 3).

5- O governador do Paraná, em nota diz: "É ainda mais gravíssimo e lamentável, porque aconteceu no interior de uma escola ocupada, que deveria estar cumprindo a sua missão de irradiar a luz do conhecimento e a formação da cidadania." — É sério? "missão de irradiar luz e conhecimento" um ensino com base em Paulo Freire, Piaget, Rousseau, e outros delinquentes? não me faça rir.

Todos esses delinquentes, baderneiros são crias do PT e dessa esquerda desmoralizante e bandida, únicos responsáveis moralmente por esse assassinato.

Letícia de Paula

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Hierarquia respeitada


A hierarquia de uma família deve ser respeitada e vivida diante dos filhos. Todas as desavenças devem ser tratadas em particular, jamais diante dos pequenos.

Outra coisa que deve ser evitada é fazer dos filhos seus ouvintes de queixas, exemplo: "Seu pai não tem paciência comigo, só sabe assistir futebol e dormir." ou então: "Sua mãe fala demais e me tira do sério". Se nem os adultos conseguem fazer um bom juízo dessas queixas quanto mais as crianças.

Outro ato deplorável e que arruína a autoridade dos pais é o pai ordenar algo e a mãe permitir a mesma coisa segundos depois (ou vice-versa). Isso faz com que a palavra de ambos perca crédito diante das crianças. Se não estamos bem com nosso cônjuge resolvamos a situação com conversa e maturidade e não descontando em ações que só as crianças tendem a perder.

Letícia de Paula

PAI OU AMIGO?


Existe uma falácia nos tempos atuais de que o pai tem que se colocar como igual perante ao filho, ter os mesmos comportamentos para ser respeitado. Tolice, pois a criança PRECISA ter um porto seguro, uma voz de condução e isso parte dos pais.

Deve-se tratar o filho de forma que ele se sinta seguro para desabafar, perguntar, questionar mas sem afetação na imagem paterna. Amigo de colégio e de futebol é uma coisa, o pai é outra. A amizade provinda dessa relação é algo mais profunda e sobrenaturalizada. Isso não significa que não possa haver momentos de descontração, aliás, deve, mas jamais seu filho deve te tratar por um igual, ele precisa ter um referência de autoridade e que essa referência seja o pai, jamais o professor de história ou um picareta qualquer.

Letícia de Paula

Autoridade dos pais



Uma forma muito comum de se perder a autoridade diante dos filhos são as inúmeras intervenções sem muito critério. Exemplifico.

Uma mãe que passa o dia todo brigando com o filho, "Pedro, não suba na cadeira", "não beba água gelada", "eu estou mandando desligar essa TV", "Pedro, pare agora com essa gritaria", etc. Essas intervenções, geralmente feitas em alto tom, só servem para desautorizar os pais perante os filhos.

Se um dia a mãe for intervir por algo realmente de critério como numa mentira cometida ou pelo fato dos filhos não quererem ir à missa, eles não darão grande importância e não saberão distinguir a gravidade de uma falta leve e uma grave.

O ideal é sempre conversar com os filhos, abaixados (na altura deles) e em tom suave de voz, explicando o que você quer deles, com autoridade mas também suavidade e quando precisar intervir com mais pegada, se assim posso dizer, eles perceberão que determinado assunto tem sua gravidade.

Mas ainda sim, gritos e descontrole não são permitidos, pois só servem para desautorizar os pais.

Letícia de Paula

domingo, 2 de outubro de 2016

BIBLIOFILIA


CAPÍTULO VIII -- A revelação do momento presente é-nos mais útil, porque se dirige diretamente a nós

Nota do blogue: Acompanhe esse Especial AQUI.

O ABANDONO À DIVINA PROVIDÊNCIA
pelo
P.J.P de Caussade, S.J


CAPÍTULO VIII
A revelação do momento presente é-nos mais útil,
porque se dirige diretamente a nós

            As palavras que Deus pronuncia expressamente para nós, são as que propriamente falando, nos instruem bem. Não é pelos livros nem pela investigação curiosa das histórias, que nos tornamos sábios na ciência de Deus. Esses meios não produzem, por si mesmos, senão uma ciência vã e confusa, capaz somente de ensoberbecer. O que nos instrui é o que hora a hora, momento a mo­mento, nos vai sucedendo; isso é o que forma em nós a ciência experimental, que Jesus Cristo quis adquirir antes de ensinar. Era de fato a única em que podia crescer, segundo a expressão do Evangelho, pois como Deus não há grau algum de ciência especulativa que Ele não possuísse. Mas se esta ciência foi útil ao próprio Verbo Encarnado, a nós é-nos absolutamente necessária para fa­larmos ao coração das pessoas que Deus manda ao nosso encontro.
            Só conhecemos perfeitamente o que a experiência nos ensinou pela realidade do sofrimento. Essa é a verdadeira escola do Espírito Santo que ao coração fala pa­lavras de vida; desta fonte deve brotar tudo aquilo que dizemos aos outros. O que lemos, o que vemos, não se torna ciência divina senão por esta fecundi­dade, esta virtude e esta luz que lhe dá o adquirido. Tudo isso não é senão como uma massa que necessita de fermento e deve ser condimentada pelo sal da experiência. E quando não há senão ideias vagas sem este sal, o homem é como um visionário que sabe todos os caminhos de todas as vilas e cidades, mas que se perde ao ir para a sua própria casa.

            Portanto é preciso escutar a voz de Deus, momento a momento, para ser douto na teologia virtuosa, toda ela prá­tica e experimental. Não te importe o que se diz aos outros. Ouve o que se diz para ti e a ti; e terás o bastante para exercitar a tua fé, pois esta linguagem interior de Deus exercita-a, purifica-a e aumenta-a pela sua mesma obscuridade.

CAPÍTULO VII -- A ação divina é tão indignamente tratada por muitos cristãos

Nota do blogue: Acompanhe esse Especial AQUI.


O ABANDONO À DIVINA PROVIDÊNCIA
pelo
P.J.P de Caussade, S.J



CAPÍTULO VII
A ação divina é tão indignamente tratada por muitos cristãos, nesta manifestação de cada dia, como Jesus Cristo o foi pelos Judeus em sua própria carne

            Ó quantas infidelidades se encontram no mundo! Ó como se pensa indignamente de Deus, pois sem cessar temos a ousadia de observar à ação divina o que não faríamos com o mais pequeno artista na sua arte. Queremos reduzir a ação de Deus às regras e aos limites imaginados pela nossa débil razão. Que­remos reformá-la! Tudo são queixas, tudo murmurações!
            Surpreende-nos e desperta a nossa indignação o tratamento dado a Jesus pelos judeus. Ó divino amor! ó vontade adorável! ó ação infalível! Como vos consideram! Por ventura a vontade divina pode proceder fora de propósito ou fora de razão? Mas eu tenho um negócio e falta-me tal coisa; tiram-me os meios necessários; este homem atravessa-se em tão santas obras: ora isto não é completamente absurdo? Esta doença apodera-se de mim, sendo que eu não posso absolutamente prescindir da saúde. E eu digo que a vontade de Deus é a única coisa necessária; e assim tudo o que ela não dá é inútil.
            Não, ó queridas almas, nada vos falta. Se vós soubésseis o que são essas coisas que chamais reveses, contratem­pos, contrariedades, onde não vedes senão sem-razões e despropósitos, experimentaríeis extrema confusão; repreen­der-vos-íeis a vós mesmas das vossas murmurações, como de verdadeiras blas­fêmias; mas não pensais nisso. Porém tudo isso não é senão a vontade de Deus; e esta vontade adorável é blasfemada pe­los seus queridos filhos, que a desco­nhecem!

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Carência feminina


A maior fraqueza de uma mulher não é a sua sensualidade, 
mas sim o desgoverno de sua carência sentimental. 
A fraqueza masculina está no apetite sexual, 
mas a da mulher não. Ela carece de um afeto desmedido 
e onde há desordem consequentemente há escravidão. 
Logo, estará a mendigar por elogios, 
alguns minutinhos de atenção nem que seja em troca de sua honra. 
Antes de julgarmos os homens em suas fraquezas, 
ajudemo-los fortalecendo-nos em nossa vontade.


Letícia de Paula

DIABO E O FEMINISMO


É um engano achar que todo o feminismo nasceu por iniciativa feminina.
Basta estudar a história para verificar que "os cabeças" eram homens 
revolucionários ensinados pelo DIABO.
O feminismo teve sua origem no jardim do Éden, 
quando o DIABO tentou a primeira MULHER (Eva) 
lhe oferecendo um conhecimento que não lhe cabia 
e oferecendo-lhe a divindade; "sereis como deuses", 
disse-lhe. Ela, sendo intelectualmente mais corrompível cedeu e desde então, 
todos os filhos do demônio como Karl Marx, Lênin, Stalin 
oferecem a mesma "maçã" às filhas de Eva.

Letícia de Paula

Falta de objetividade nos relacionamentos


Creio que falta um pouco de objetividade e praticidade nas relações. O namoro não é um castelinho dos sonhos onde você vive um amor de Hollywood. Esse romantismo desmedido é burrice. Pessoas que buscam esse tipo de relacionamento são as que possuem um vazio existencial significativo e usam seus parceiros como fuga. Isso não é amor, isso é usar o outro como muleta.

A realidade da vida exige que coloquemos os pés no chão.

Essa pessoa vai ser boa mãe para meus filhos? Esse rapaz cuidará de mim se eu ficar doente de cama por anos? Ela ajudar-me-á a cumprir meu papel de autoridade no lar? Suportarei estar ao lado dele por anos, dia após dia? Ela estará comigo na luta contra o pecado? ...

Claro que é lícito os momentos de prazer, mas isso é secundário num relacionamento duradouro, repito: a realidade da vida exige de nós escolhas mais racionais e elevadas.

Por isso tantos casamentos fracassados. Falta de objetividade e praticidade na escolha do parceiro. Beleza, aquele desejo de conquista acabam com o tempo, o que fica é a rotina e as responsabilidades, suportáveis somente por um amor que visa o bem do outro, sem interesses próprios.

Letícia de Paula

terça-feira, 27 de setembro de 2016

ENSINO X EDUCAÇÃO

PROFESSOR NÃO É EDUCADOR

Um dos maiores planos da revolução anti-família é esse: o Estado não dá meios para que o pai de família sustente seu lar, obrigando a mulher a sair de casa para ajudar no orçamento; impõe o maldito ECA e mais documentos dando ao Estado a educação das crianças enquanto os pais trabalham; e nessa pseudo-educação dada pelo Estado, as crianças são doutrinadas a serem escravas de um governo liberal, ateu e assim gerações e gerações são firmadas sob raízes comunistas e satânicas.


domingo, 25 de setembro de 2016

19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO - 2.ª Parte

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO
2.ª Parte

• A excelente revista L’anneau d'Or[1] interrogou um dia os seus leitores: “Como ajudar as crianças a fazer a descoberta da morte?” Dentre as respostas recebidas, destacamos estas duas experiências:
• A propósito da criança diante da morte, eis a experiência de minha infância, pelo menos no que concerne ao fato material da presença dos mortos. Todos o retardam indefinidamente sob o pretexto de não impressionar as crianças. A meu ver é um erro: o choque será muito mais violento quando o primeiro morto que elas virem for um ente querido.

Quando ainda éramos muito crianças, entre 6 a 7 anos, mamãe não hesitava em levar-nos para junto de alguém de suas relações que acabara de morrer e que nós, crianças, mal conhecíamos. Ela o fazia com toda a naturalidade: “O Sr. X. acaba de morrer. Sua alma está junto ao Bom Deus, ou talvez ainda no Purgatório. Vamos rezar perto do seu corpo, por ele e por sua família que está sofrendo.” E mamãe evitava acrescentar: “Não tens medo, não é verdade?” Ou outra sugestão inábil do mesmo gênero. De modo que bem cedo fomos habituados a olhar sem o menor receio, adormecidos na morte rostos que havíamos conhecido vivos.
De volta, mamãe aproveitava a ocasião para falar-nos sobre a vida e a morte de um cristão, de uma maneira muito simples, a propósito daquele que acabávamos de ver: ela nos contava como havia vivido e como se preparara para morrer. Fazíamos perguntas de crianças às quais ela nos respondia tranquilamente.
Mais tarde, quando Deus chamou para Si nossas avós, depois uma irmã e um irmão ternamente amados, nossa dor, embora grande, não se complicou com o terror nervoso que vi certos adultos sentirem nessas ocasiões.

19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO - 1.ª Parte

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


19. A EDUCAÇÃO DO SENSO RELIGIOSO

Uma mãe cristã se preocupa com a alma do seu filho muito antes que ele nasça. Durante esse período único em que é uma só pessoa com o serzinho que traz nas entranhas, a mãe pode, por seu espírito de oração e de oblação, exercer uma influência invisível sobre a alma do ser querido e capitalizar para ele as bênçãos divinas.

• No instante do nascimento, as mães e pais cristãos não deixam de consagrar ao Senhor o serzinho querido que Deus lhes deu, ou melhor, lhes confiou. O que será esse filho mais tarde? De qualquer modo, não se destina a se tornar um eleito? E a missão mais importante dos pais não é a de ajudá-lo a realizar a sua vocação sobrenatural de filho ou filha de Deus?
• Tão cedo quanto possível, batizai vosso filho. Que o cuidado com as legítimas alegrias familiares não diminua em vosso pensamento a grandeza do primeiro sacramento que o recém-nascido vai receber. Pensai que no momento em que a água se derrama na sua fronte enquanto são pronunciadas as palavras sacramentais, vosso filho se torna o tabernáculo vivo da Santíssima Trindade, e que forças ocultas — germes das virtudes teologais — nele se depositam misteriosamente. 
  • É aos pais que cabem a honra e a alegria da primeira educação religiosa dos filhos. Mas é preciso tudo prever. O padrinho e a madrinha recebem da Igreja a missão de “suplemento” e “complemento”. É nesse espírito que cumpre escolhê-los, e não tendo unicamente em conta convenções mundanas ou suscetibilidades familiares.

• É nos primeiros meses que a criança — que registra muito mais do que se pensa — pode receber a feliz influência da mamãe orando ao pé do seu berço. A criança, olhando apenas, imitará por si mesma os gestos da mãe e aprenderá assim, pouco a pouco, a juntar as mãos e a enviar um beijo à imagem de Jesus e de Maria, cujos nomes, juntamente com os do pai e da mãe, serão os primeiros que balbuciará.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...