quarta-feira, 17 de abril de 2013

A mãe de Sto. Agostinho

Fonte: Mãe Cristã


A mãe do grande Santo Agostinho oferece exemplo de perfeição às esposas, às viúvas e às mães cristãs. Seu próprio filho é quem nos ensina a conhecê-la e a apreciá-la.
Santa Mônica era de tal modo cheia do seu Deus que ninguém se podia aproximar dela sem se possuir do desejo de ser bom, pois nela brilhavam reunidas todas as qualidades da mulher forte da Escritura. Não soube jamais retribuir o mal nem ter nos lábios uma expressão áspera, senão doces e benévolas palavras que lhe vinham diretamente do coração, tesouro inesgotável de bondade e doçura.
Oh! Como é amável a mulher evangélica, quando a estrela da piedade lhe ilumina o semblante!
É uma providência para milhares de aflitos e o seu simples aspecto infunde veneração e a santa suavidade que lhe banha o rosto cerca-se de uma estranha auréola de graça e de simpatia. As intrigas e as conversações fúteis do mundo não despertam a sua curiosidade nem excitam as suas atenções e as vãs homenagens não a ostentam, nem as injustiças dos outros lhe arrancam murmúrios e queixas, porque ela é sempre igual a si mesma e pelo seu silêncio como pela sua voz, por todos os seus atos e pelos sacrifícios de cada dia e de cada instante, honra a religião, edifica a sociedade e brilha diante dos homens com uma luz serena, pura e ideal, que parece um lampejo de Deus.
Mônica não é propriamente uma dessas almas excepcionais, cuja perfeição espanta a fraqueza humana e que por suas obras heroicas escapam à nossa imitação. Não nos aparece sob as formas de uma severa austeridade, nem a sua vida se assinala por milagres.
A sua santidade se manifestou, porém, no círculo dos deveres de uma situação comum: Mônica aperfeiçoou sua alma no meio dessas dificuldades ordinárias em que se encontram a maior parte das mulheres cristãs.
Como esposa, qual foi a sua vida? O seu biógrafo confessa que ela tinha um marido insuportável. Digamos tudo: este marido era pagão. Ai de nós! Que o paganismo ainda existe nos tempos modernos, pois não poucos cristãos se tornam estranhos a Jesus Cristo, adoram a fortuna e incensam ídolos, reduzindo a essa miséria toda a sua religião!
Quantos homens, aliás, honrados e instruídos, não conhecem mais o cristianismo e andam arredios deste! Eles tinham aprendido, talvez, nos seus primeiros anos, os rudimentos da religião, mas depois fecharam para sempre o catecismo, imaginando já saberem tudo. Pronunciaram-se então sobre esta vasta doutrina de que nada sabem, considerando-a indigna dos espíritos sérios, muito abaixo dos progressos da ciência e em desacordo com as luzes do século. Que estranha apreciação! É como se quisesse julgar das proporções de um homem pelas dimensões de um berço. Disto resulta que, inteiramente absorvidos pelos negócios e coisas da terra, que lhes fazem esquecer tudo que respeita à eternidade, eles repelem a religião como inútil ou embaraçosa para si, tolerando-a apenas para as mulheres e as crianças. Não se lembram de que a doutrina católica cativou os mais eminentes gênios que tenham honrado o mundo, quer pelas suas investigações e descobertas no domínio da ciência, quer pelos seus feitos grandiosos, e consideram talvez como espíritos fracos os Agostinhos, os Jerônimos, os Crisóstomos, os Bernardos e Tomás de Aquino e Inácio de Loyola e Vicente de Paulo e Fénelon e tantos outros luzeiros da ciência divina. E ainda bem, quando esses a que nos referimos não são mais do que simples indiferentes e não se lançam a perseguir com a sua hostilidade ou as suas zombarias as práticas da piedade cristã. Muitas esposas se encontram  atualmente nas mesmas condições em que vivia Santa Mônica. Qual deve ser, porém, a regra do proceder delas em tão difíceis circunstâncias?
Seja a mãe cristã, para seu esposo, um catecismo vivo e um compêndio de teologia! Seja, para ele, a exemplo de Santa Mônica, um anjo de edificação e de salvação!
Sem dúvida que lhe não compete pregar ou doutrinar, porquanto a sua graça é, ao contrário, a do silêncio; mas este silêncio , só por si, vale uma boa pregação, quando é manso, afável e simpático. Não há eloquência nem lição tão capaz de revelar sob formas atraentes as belezas do cristianismo como a piedade serena e afável da mãe cristã, pois assim a sua vida inteira, opulenta em virtudes, se torna uma pura manifestação do Evangelho.
Vós chamareis a vós os homens de bem e os salvareis, não por solicitações reiteradas e inoportunas, mas por atos de generosa abnegação, pelas vossas secretas e perseverantes orações, pela vossa dedicação e, sobretudo por um espírito cheio de mansidão evangélica!
Ela opera maravilhas que a mais assombrosa magia do mundo não saberia imitar jamais. É um singular talismã que assegura à esposa infalíveis triunfos. “Bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a terra”.
Foi assim que obteve Mônica o seu primeiro triunfo: ela salvou a alma do esposo pela distinção do seu espírito, pela mansidão e brandura da sua piedade. Mas Sto. Agostinho, o santo bispo de Hippona, continuando a referir-nos as qualidade eminentes de sua mãe, não quis que ficássemos ignorando o modelo de vida que ela abraçou depois da morte do marido.
Entregando-se toda a Deus, Mônica fechou o coração às seduções de terra, para o não abrir nunca mais senão às inspirações do céu.
Segundo os livros sagrados é este, com efeito, o compromisso que a viúva cristã deve firmar. A mulher que passa a sua viuvez em festas e prazeres, diz o grande Apóstolo, parece estar viva, mas de fato está morta; está morta diante de Deus.
A verdadeira viúva, segundo a significação da palavra, é a que se sente vazia, vidua; vazia de toda a paixão, vazia de toda a afeição desordenada, vazia de todas as recordações importunas e de todos os apegos mundanos, para só se encher, como um vaso de honra, vas honorabile, do balsamo do amor divino. Ela só pode aspirar às consolações imortais e, por isso, é unicamente para o céu que o seu coração e as suas esperanças se devem voltar. Speret in Domino!
Que a viúva se abstenha, continua São Paulo, de usar mal da sua liberdade, consumindo o seu tempo em ir de casa em casa, a ostentar a sua ociosidade em visitas inúteis e a sacrificar ao luxo as oferendas a que tem direito a caridade. Não tem justificação perante Deus a que perde assim o seu tempo e o faz perder aos outros. É preferível tornar a casar-se a arriscar a alma; mas, casando-se de novo, acrescenta o Apóstolo, ela sofrerá aflições que eu desejaria evitar-lhe.
A vida é uma prova rápida e grave em que se prepara o futuro destino. Que loucura é prender-se às ilusões do mundo, em vez de procurar as realidades do supremo e eterno júbilo! A viúva desligada dos laços do mundo está bastante livre e desembaraçada para se consagrar, como as virgens, ao serviço do Senhor, e, quando ela é fiel e zelosa, torna-se digna de uma glória imperecível perante Deus e perante os homens.
Santa Mônica compreendeu as recomendações evangélicas e as executou no meio das circunstâncias difíceis da sua viuvez. Ela tinha um filho de vinte anos; e quando a mãe carrega sozinha com o peso de uma responsabilidade tão grave, precisa possuir mais do que uma virtude ordinária: precisa se mãe e pai ao mesmo tempo, isto é, juntar uma prudente sagacidade à sua natural ternura e uma firmeza masculina a uma delicada indulgência.
O filho de Mônica, bem que muito jovem ainda, gozava já de grande retórica nomeada pela sua eloquência, arte esta que ele professava com brilho nas mais célebres academias do tempo, aonde o povo afluía de todas as partes, só para o ouvir falar. Tanta glória seria mais que suficiente para fascinar a vaidade do jovem Agostinho e de qualquer mãe menos cristã do que Santa Mônica. Esta, porém, inteiramente desprendida das vãs satisfações do amor próprio e colocada muito acima das ambições vulgares, não somente se mantém inacessível aos ataques da vanglória humana, como também de algum modo serviu sempre de contrapeso às exaltações juvenis de seu filho, sobre cuja soberba e vigorosa inteligência não deixou nunca de conservar um verdadeiro ascendente. Se a não desvaneciam os louros triunfantes do filho, também os desvios deste não conseguiam desanimá-la. As suas constantes preces, as suas piedosas lágrimas e a virtude das suas dores e da sua paciência fizeram surgir na Igreja o grande Santo Agostinho.
Feliz a mãe que, ao sair deste mundo, recebe as últimas consolações da boca de um filho consagrado ao Senhor! Ela abençoou seu filho e o filho abençoou sua mãe! Seus nomes se entrelaçaram no santo altar, inscrevendo-se ambos no livro da vida. As glórias que os homens reciprocamente se conferem, depressa passam e se esvaem; e a mãe que, para seus filhos, tão frágeis e fugitivas glórias ambiciona, nenhuma vantagem colherá perante Deus. Mas vós, ó mães cristãs, que introduzis vossos filhos na senda real da salvação, onde os haveis precedido; vós sim é que os sabeis amar verdadeiramente, pois granjeais para eles uma incorruptível e imarcescível coroa de honra. Desde então recebeis, em paga do vosso amor, o mais profundo, o mais delicioso de todos os sentimentos, o amor filial que não se altera jamais e que jamais se esgota e que não cessará de celebrar, tanto no céu como na terra, a vossa dedicação, os vossos sacrifícios e os vossos piedosos desvelos.
Se Mônica não tivesse ambicionado para Agostinho senão fúteis glórias humanas, nem ela seria Santa Mônica nem seu filho viria a ser o santo que é, o grande Santo Agostinho. Ela preferiu, seguido os conselhos da alta sapiência, os bens imortais do céu a todas as fortunas da terra; e é por isso que a sua memória, juntamente com a de seu filho, será eternamente abençoada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...