domingo, 14 de agosto de 2016

Confissão

(Texto traduzido do Italiano por Pe. André Luiz Facchini)


Na Espanha, se venera um crucifixo que tem o braço direito desprendido da cruz e abaixado. Aos pés desta imagem de Jesus um dia um pecador confessou as suas culpas, mas o confessor hesitava em absolve-lo.


Ele o perdoou mas disse:

— Procura de não recair mais.

O penitente prometeu, mas era fraco e recaiu. Tornou então ao sacerdote que o acolheu com muita severidade:

— Desta vez não te absolvo!

O penitente replicou:

— Quando eu prometi fui sincero, mas também sou fraco. Padre me dê o perdão do senhor.

Também desta vez o confessor o perdoou mas disse:

— É a última vez!

Algum tempo depois o penitente voltou, mas, o sacerdote disse asperamente:

domingo, 7 de agosto de 2016

NÃO AO ABORTO!

Uma mulher que teve um aborto involuntário. 
Uma imagem diz mais que mil palavras. 

NÃO AO ABORTO!


16. A ARTE DE PUNIR

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


16. A ARTE DE PUNIR

A simples repreensão às vezes não basta. 
É preciso sancionar uma desobediência caracterizada, 
uma mentira lúcida, um furto desavergonhado.

• Ao período em que a criança está constantemente no berço sucede o tempo em que começa a se alimentar com a colher. Sucede então que, na sua exuberância, a criança se diverte em bater na mesa com esse utensílio. Na primeira vez, a mãe fará compreender que desaprova a brincadeira; estendendo a mão, dirá calma e distintamente; “Não podes fazer isto”. Se a coisa renovar-se, a mamãe protestará um pouco mais energicamente e repetirá a proibição de modo ainda mais imperativo. Será, decerto, necessário recomeçar mais de duas ou três vezes, mesmo, porém, que seja preciso repetir cem vezes a interdição, disso não pode furtar-se a mamãe sem grande dano... Quando chegar o tempo de levar a criança a um parque, o "não podes fazer isto” tornar-se-á mais necessário ainda. Quanto mais severa fordes no começo, menos tereis de renovar vossas proibições. Mas, a partir dessa idade, a criança começará a se mostrar rebelde; se, até então, só cometia faltas por excesso de vitalidade e por ignorância, fá-lo agora por desobediência. Bem sabeis como isto se produz; quando a criança leva à boca um objeto que de modo algum se destina a esse uso, e que vós o proibis, pode suceder que ela recomece o gesto com determinação, olhando-vos bem no rosto... Se o “não podes fazer isto” severamente pronunciado ficar sem efeito, significa que a criança, para obedecer espontaneamente, precisa de um estimulante mais enérgico; um tapinha sobre a mão terá decerto êxito maior do que palavras. Não sou contrário a que se bata, às vezes, se é que um tapinha possa chamar-se de “bater”.[1]
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...