sexta-feira, 19 de abril de 2013

Devemos recitar os mistérios luminosos do Rosário?

Fonte: Militia Jesu Christi
Visto também em: Core Catholica


Na Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, de 16 de Outubro de 2002, João Paulo II propôs uma modificação no Rosário: adicionar 5 novos mistérios, chamados luminosos (ou da luz), que se somariam aos Gozosos, Dolorosos e Gloriosos, conhecidos desde a origem.

Esse documento — cujo escopo aparente consistiria em promover o Rosário — está, de fato, eivado de espírito naturalista. Isso porque essa sublime devoção, ensinada por Nossa Senhora a São Domingos, é aí considerada como uma experiência psicológica muito similar ao gênero de orações e meditações das religiões não católicas. Daí a ênfase que atribui à [suposta] "implicação antropológica do Rosário" (25), que, segundo a nova interpretação, tornaria mais compreensível o mistério do homem. Sem dúvida, os “aperfeiçoamentos” introduzidos corroboram esse sentido: os 5 novos mistérios foram especialmente escolhidos de molde a não contrariar os protestantes. Haja vista que, dentre todos os mistérios, agora aduzidos, embora narrados no Evangelho, nenhum faz menção explícita da Virgem Maria. Isso se alinha com a intenção do Papa em tornar o Rosário mais "cristocêntrico", o que significa, na prática, torná-lo menos Mariano.
Os 5 "significativos" e "luminosos" momentos que ele escolhe são:

.O Batismo no Rio Jordão
.Sua Manifestação em Caná
.A Proclamação de Seu Reinado e o chamado a conversão
.Sua Tranfiguração
.Instituição da Eucaristia


Embora todos os elementos acima sejam retirados do Evangelho (como demonstrações características da bondade, poder e misericórdia divina), cumpre notar que, exceto no caso da instituição da Eucaristia, não existe nenhuma correlação direta dos referidos episódios com o Mistério da Redenção. Não há, pois, como deixar de ver, na surpreendente inovação, um esforço para obnubilar ou deslocar a atenção do fiel dos mistérios fundamentais da Redenção, definidamente expressos nos três terços, ou seja, via contemplação dos Mistérios Gozosos, Dolorosos e Gloriosos.

Não foi por acaso que os tradicionais mistérios do Rosário apareceram alinhados nessa ordem. Uma vez concebidos nessa sequência, significa que é sobre cada um deles que nos devemos debruçar para chegar à salvação eterna. Em uma das suas Encíclicas anuais sobre o Rosário, o Papa Leão XIII explica que:

5. Além do valor que o Rosário tira da própria natureza da oração, o mesmo constitui um meio fácil para recordar e inculcar nas almas (...), mediante a repetição cadenciada das mesmas preces, a contemplação dos principais mistérios de nossa religião: em primeiro lugar, daqueles pelos quais "o Verbo se fez carne", tendo Maria, Virgem intacta e Mãe, concorrido para isso, com santa alegria, pela sua santa maternidade. Vêm depois as amarguras, os tormentos, a morte de Cristo, correspondendo ao preço da salvação do gênero humano.

Finalmente, entram os mistérios gloriosos (...) (Magnae Dei Matris, 8 de Set., 1892)

A razão para essa mudança de orientação é, pouco a pouco, mover nossa atenção para longe do mistério da Redenção (entendida como o resgate das almas dos pecadores). Resumindo, Nosso Senhor nos redime de nossos pecados, trazendo-nos de volta à amizade de Deus, pois, sendo Deus e Homem ao mesmo tempo, é capaz de satisfazer a justiça divina, oferecendo-se na Cruz em expiação de nossos pecados. Este é o ensinamento tradicional.

Para a teologia moderna, porém, a realidade é outra. Chega-se a alegar que tudo isso é supérfluo, acrescentando, de modo sofístico e blasfemo, que Deus não seria tão infantil a ponto de exigir resgate pelos nossos pecados. Segundo essa visão distorcida, para sermos salvos, bastaria refletir nas manifestações de amor, dádiva e glória de Deus, pois "cada um destes mistérios é revelação do Reino divino já personificado no mesmo Jesus". (Rosarium Virginis Mariae, 21) [sic! sic! sic!].

O resultado da recitação habitual desses luminosos mistérios redundaria, portanto, na evidente dessacralização do Rosário, com a perda do específico foco mariano, desviando a nossa atenção do indispensável propósito de nos unirmos à obra salvífica da Redenção, pela observância dos Mandamentos — sem o que é impossível agradar a Deus e obter a remissão de nossos pecados.  Com efeito, se essa nova prática for introduzida, a própria idéia do Rosário acabará por se descaracterizar, perdendo a natural razão de ser. Uma devoção vazia de sentido tende a tornar-se estéril e, aos poucos, vai caindo no esquecimento. Consequentemente, cabe-nos recusar esse "acréscimo" opcional, conservando-nos ancorados na sábia e combativa tradição da Igreja, que, ao promover a devoção ao Santo Rosário tradicional, contribuiu decisivamente para a santificação de incontáveis gerações de santos. Apesar, de per se, não constituir pecado recitar esses mistérios adicionais, compete-nos jamais estimular tal inovação, sobretudo evitando difundir ou aconselhar uma prática dessa natureza.

Padre Peter Scott
Angelus Abril 2010
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...