terça-feira, 16 de julho de 2013

Conselhos sobre vocação (para meninos de 12 a 18 anos) - Parte 15

Nota do blogue: Acompanhe esse Especial AQUI.

CONSELHOS SOBRE A VOCAÇÃO

Padre J. Guibert
(Superior do Seminário do Instituto Católico de Paris)
edição de 1937


A FORMAÇÃO

74. — Pela separação, ganhais a liberdade da qual usais para voar logo a Deus. Achais Deus, cuja voz vos atraia no Seminário ou na Congregação religiosa onde ides abrigar vossa juventude.

Mas ainda nem tudo acabou. Pelo contrário, estais apenas no início de uma vida nova, na entrada de uma carreira. Trata-se agora de trabalhar à vossa formação para que sejais digno de vossa vocação e adquirais a habi­lidade necessária para desempenhar utilmente todas suas obrigações.

Desde o dia em que vosso diretor espiritual resolveu a questão de vossa vocação, contraístes em consciência a obrigação de formar-vos. Portanto, quer estejais ainda no mundo, quer tenhais entrado em um noviciado, vosso grande negócio agora é o de vossa formação.

A formação do sacerdote e do religioso compreende quatro partes: a vida sobrenatural, o caráter, a habilidade profissional, o zelo apostólico.

A vida sobrenatural.

75. — Começareis por estudar o que é a vida sobrenatural: deveis ter santa avidez de receber esta lição fundamental e para isto gostareis de ouvir as conversas e leituras espirituais, assim como de estudar livros piedosos e ascéticos que tratam deste ponto. No mesmo tempo, ireis bebê-la com abundância e santa avidez na sua própria fonte, que é o coração mesmo de Jesus Cristo, por meio da oração e dos sacramentos.

Não vos admireis de que vossos mestres, logo que entrais em um seminário ou noviciado religioso, tenham pressa em ensinar-vos esta ciência divina. Antes de conhecer as ciências humanas, antes de fazer de vós um professor que ensine aos outros, não é justo que alguém vos diga que vida interior deveis alimentar em vossa alma? Nenhuma vida é sólida e meritória senão a vida sobrenatural que Deus nos comunica.

76. — Eis em poucas palavras o resumo do que aprendereis nesta matéria: Vossa alma é um templo que Deus se reservou e onde habita como em um tabernáculo. — Enquanto não pecardes mortalmente, Deus está presente em vós por Sua graça, e todo o céu está com Ele. — No coração que o pecado suja, a graça foge e deixa lugar ao demônio, que logo entra. — Mas não haveis de expulsar Deus da morada de vosso coração, pois que estais com firme resolução de nunca pecar. — Se Deus habita em vós, não é para ficar inativo, mas para viver.

Mas como Jesus Cristo poderá viver em nós? Ali está o glorioso mistério de nossa união com Deus. — Do trono em que está sentado em nossa alma, Jesus Cristo nos ilumina o espírito, inspira grandes idéias, generosos projetos; fortifica a vontade, dá-lhe a força de executar atos de coragem, serve-se de nós como que de instrumentos dóceis para lhe cumprir as vontades. — Para Jesus não são bastantes todos os atos de religião, de humildade, de mortificação, de caridade, de dedicação que Ele mesmo cumpriu durante a vida; quer continuar, em cada um dos fiéis, a glorificar seu Pai e a servir o próximo. 77. — O que faz nosso merecimento, é que poderíamos impedi-lo de trabalhar em nós, poderíamos arrancar-lhe o instrumento de que precisa. — O que faz a sublime grandeza de nossos atos, é que o próprio Deus, por sua graça, os cumpre em nós.

Uma vez instruídos disto, como poderíamos recusar de atender aos pedidos de Jesus? Porque não havíamos de consultá-lo antes de cada um de nossos atos? Que infidelidade não haveria em desagradar-lhe, mesmo por meio de simples imperfeições! Quão grande se sente o cristão, pois que tem a certeza de poder repetir com S. Paulo: «Vivo, sem dúvida, mas não sou mais eu que vivo, é Jesus Cristo que vive em mim!»

Iniciado em boa hora a esta sublime doutrina, tereis apenas um desejo, o de possuir com abundância tão preciosa vida. Pedireis a vossos mestres a que fontes ela se encontra e eles vos responderão: «Ide á oração e aos sacramentos.» — A oração é o pão quotidiano do sacerdote e do religioso; gostar da oração deve ser o primeiro ato de sua formação. Pela oração, entrais em comércio com Deus; quando o adorais no céu, no tabernáculo ou em vosso próprio coração, travais conversa com Ele. Nesta troca de palavras íntimas, Deus vos revela o que Ele é, o que fez em vosso favor, o que está esperando; vós lhe dizeis o que estais sofrendo e lhe entregais vossa vida. No momento em que o contemplais tão grande e tão bondoso ao mesmo tempo, ides a ele com mais confiança; tendes a coragem de lançar-vos nos seus braços com todas vossas misérias e vos deixar amoldar por sua mão, impregnar por sua vida, transfigurar por sua graça. Felizes comunicações da santa oração, donde voltais com a alma iluminada, o coração abrasado, como Moisés ao sair do monte Sinai!

As alegrias destas relações com Deus, haveis de gozá-las sobretudo no começo de vossa formação. Tereis orações vocais, orações mentais; por toda a parte, Deus virá a vosso encontro, com as mãos cheias de graça. Mesmo fora dos exercícios de piedade, não perdereis de vista a Deus que está sempre presente em vós. Por um recolhimento sem constrangimento, calmo e suave, ficareis unido a Ele. Uma vez tomado o bom hábito da presença de Deus, não vos separareis mais d’Ele; até no meio dos negócios, a lembrança d’Ele há de acompanhar-vos.

78. — Mas o contato com Deus será ainda mais íntimo nos sacramentos. Pela Penitência recebereis um acréscimo de vida. Pela Comunhão recebereis o próprio Jesus, o autor da vida.

Será possível recomendar-vos demais a frequente comunhão, a comunhão quotidiana? Neste ponto, seguireis os avisos de vosso diretor espiritual; mas deveis pedir-lhe com muita coragem e insistência que vos permita todos os dias ou muitas vezes a santa comunhão. Recebermos o próprio Deus em nosso coração, alimentarmo-nos da carne e do sangue de Jesus Cristo, que coisa maior e mais nobre podemos invejar? Não receeis que vossa avidez desagrade a Deus; não receeis tão pouco a vossa grande indignidade. Ide comer a bondade, a doçura, a humildade, a própria força e haveis de ser um dia bom, suave, humilde e forte. Baste esta palavra e acreditai que Jesus Cristo, recebido como se deve, há de dar á vossa alma a formação necessária [1].

[1] Neste ponto seguir os conselhos de S. Santidade Pio X que aconselhou muito a comunhão quotidiana a todos os fiéis e de modo especial aos aspirantes ao sacerdócio e á vida religiosa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...