quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Doutrina Cristã - Parte 10

Nota do blogue: Acompanhar esse Especial AQUI.

Monsenhor Francisco Pascucci, 1935, Doutrina Cristã
tradução por Padre Armando Guerrazzi, 2.ª Edição, biblioteca Anchieta.

Art. XI. - A Ressurreição da Carne.

Dogma da Ressurreição

61. - Ressurreição da carne quer dizer, que o nosso corpo, no fim do mundo, se recomporá e se reunira à alma para participar, com ela, do prêmio ou do castigo. Deus quer a ressurreição da carne, para ser completa a vitória de Cristo sobre a morte e para que nosso corpo, que fôra instrumento da alma no exercício das boas ou más obras, tenha também parte no prêmio ou na pena.
A Escritura abertamente afirma esse dogma: no Velho e Novo Testamento. Job diz: “Eu sei que o meu Redentor vive, e que no último dia ressurgirei da terra, e serei novamente revestido da minha pele, e na minha própria carne verei o meu Deus". (Job, XIX, 25-26). Daniel (XII, 2) diz: "A multidão dos que dormem no pó da terra acordarão uns para a vida eterna, e outros para o opróbrio, que terão sempre diante dos olhos".
Jesus Cristo, mais tarde, nos diz: - "Vem a hora em que todos os que se acham nos sepulcros ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que obraram o bem sairão para a ressurreição da vida; mas os que obraram o mal, para a ressurreição da condenação." (Jo., V, 28.)
A razão nos demonstra a conveniência da ressurreição: a) porque, como dissemos, é justo que o corpo, instrumento que foi da alma ao praticar as boas ou más obras, tenha de par o castigo ou prêmio; b) porque a alma foi criada para ser unida ao corpo e lhe convém que, após breve separação, se reúna ao mesmo.
O dogma da ressurreição faz que a Igreja circunde de amoráveis cuidados os corpos dos defuntos: - realizadas as preces das exéquias, são sepultados no cemitério, isto é, dormitório ou lugar de repouso, onde dormem o sono da paz, até o dia em que acordarão. Por esse motivo, a Igreja se opõe ã cremação dos cadáveres, salvo em casos de absoluta necessidade; e a quem dispõe ser cremado, não lhe concede sepultura eclesiástica, salvo se se arrependeu antes de morrer.

Qualidades dos corpos gloriosos e dos condenados

62. - "Todos ressuscitarão, diz São Paulo, mas nem todos serão mudados ou transformados na glória". Os corpos dos eleitos serão impassíveis, isto é, isentos das dores e da morte; luminosos ou resplandecentes como a luz; ágeis, como o pensamento, em transportar-se de um lugar a outro; sutis e espirituais, de modo que não encontrem obstáculo algum na matéria, como a luz não encontra obstáculo em passar através do vidro.
Os corpos dos condenados, pelo contrário, ficarão feios, disformes e sujeitos a todos os tormentos. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...