terça-feira, 11 de junho de 2013

A IMACULADA CONCEIÇÃO

Fonte: Capela Nossa Senhora das Alegrias

Apologética Católica com o Padre Júlio Maria de Lombaerde, + 1944
(Retirado do Livro "Luz nas Trevas - Respostas irrefutáveis as objeções protestantes".)


Pede-se um texto da bíblia que prove que Maria foi concebida sem pecado. É a segunda objeção formidável, que prova a supina ignorância de quem a formula. Falam de conceição imaculada de Maria, sem saber de que se trata, em que consiste e qual a significação das palavras. Eis por que vou citar, não somente um texto da bíblia, mas sim diversos, e explicar o mais claro possível o que é a imaculada conceição, para que o meu amigo protestante entenda que ele pretende combater o que ignora. Escute bem, meu amigo.

I. O que é o pecado original

O pecado original é o pecado cometido por Adão e Eva, desobedecendo a Deus. Este pecado, em Adão era atual, e o afastou de Deus, como fim sobrenatural. Em nós, é um pecado de raça.
O gênero humano forma um corpo único, como ensina S.Paulo: assim como o corpo é um, e tem muitos membros... assim é também Cristo, porque num espírito fomos batizados todos nós, para sermos um só corpo (1 Cor 12, 12).

Cristo é a cabeça sobrenatural deste corpo...sendo Adão a sua cabeça natural e moral. A cabeça moral pecando, todos os membros participam deste pecado.

Quando Deus criou nossos primeiros pais, estabeleceu-os no estado de inocência, de justiça original e de santidade, outorgando-lhes dons de três qualidades: naturais, sobrenaturais e preternaturais.

Os dons naturais são as propriedades do corpo e da alma, exigidos por sua natureza dos homens, para alcançar o seu fim natural. Os dons sobrenaturais são: a graça santificante que faz deles filhos de Deus e predestinados à visão beatífica. Os dons preternaturais consistem na imunidade do sofrimento, da morte, da ignorância e da concupiscência. 

Adão e Eva, desobedecendo a Deus, cometeram um pecado mortal (Gn 2,17) e perderam a graça divina, com todos os dons que excediam as exigências da natureza humana. Perderam todos os dons sobrenaturais e preternaturais, conservando apenas os dons naturais, porém muito enfraquecidos. Os dons naturais não lhes foram retirados em sua constituição intrínseca, mas em seu exercício; as paixões desnorteando o juízo e enfraquecendo a vontade.

Este pecado, sendo um pecado de raça, transmite-se a todos os que pertencem à raça humana.

O pecado entrou no mundo por um homem só, diz o Apóstolo (Rom 5,22). E ainda: Se um só morreu para todos é porque todos estavam mortos (2 Cor 5,14).

Todos estavam mortos em Adão. Todos! Logo também Maria SS.

Entende-se por morta em Adão o fato de Maria, em virtude da sua conceição, estar sujeita ao pecado original por direito, porém não estava sujeita a este pecado de fato, porque uma graça singular do Redentor preservou-a, afastando dela a privação que constitui o pecado original.

Maria, em virtude da sua descendência natural de Adão, estaria sujeita ao pecado, se não fosse, como pessoa, preservada dele. Como criatura, Maria devia herdar o pecado original; como Mãe de Deus, devia ela ser preservada.

II. A objeção protestante

A curta definição supra, simples definição do pecado original, é imediatamente impugnada pelos protestantes, que não querem compreender a verdade.

O mesmo pastor, já citado diversas vezes, que tem a reputação de ser um farol da seita, para não dizer um lampião, começa logo com suas invenções.

Maria Imaculada – quer dizer que a bendita Virgem foi concebida sem pecado, tal qual o seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo.

Ignorância, sempre a mesma ignorância. Quem é, entre os teólogos católicos, que assevera tal absurdo?

O amigo protestante inventa um absurdo e pretende refutá-lo, quando tal absurdo nunca figurou na doutrina católica, e é por ela formalmente combatido. 

Para combater a doutrina católica, caro protestante é necessário conhecer esta doutrina, e não inventá-la de sua cabeça.

Não; absolutamente não, a Igreja nunca ensinou que Maria foi concebida sem pecado, tal qual Nosso Senhor Jesus Cristo... Tal asserção ridícula não passa de uma grotesca calúnia.

A imaculada conceição não consiste em qualquer derrogação das leis da natureza, que presidem à procriação do homem.

Nascer de uma Virgem milagrosamente feita mãe pela exclusiva operação do Espírito Santo, é um privilégio que Jesus Cristo reservou para si mesmo. Não quis partilhá-lo com ninguém, nem sequer com aquela que devia dar-lhe a vida.

Maria SS. entrou neste mundo pelas vias comuns da natureza, ela foi o fruto bendito de Sant’Ana e de S.Joaquim.

Com S.Boaventura e o Papa Bento XIV, pode-se distinguir no homem uma dupla conceição: uma ativa, que é a procriação do corpo, e uma passiva, que é a união da alma ao corpo gerado.

A conceição ativa de Maria SS. em nada difere da conceição das outras crianças.

A conceição passiva, ao contrário, é completamente diferente.

A nossa alma, no momento de unir-se ao corpo que ela deve vivificar, é contaminada pelo pecado original; enquanto a alma de Maria SS. foi milagrosamente preservada desta mancha.

O pecado original é essencialmente uma privação. É a privação da graça primordialmente concedida à natureza humana, na pessoa de Adão.

Na ordem intelectual e moral, pode-se dizer que a diferença entre o primeiro homem (Adão) e o homem decaído, o primeiro criado na natureza pura, e o segundo na natureza manchada, é o mesmo que aquela que existe na ordem física entre um homem civilizado, despojado dos vestidos que devia trajar, e um selvagem, que nunca usou roupagem.

Nos desígnios de Deus, a graça sobrenatural devia encontrar-se em todos os homens que nascem, mas depois do pecado original a alma, chegando à existência é pobre, nua, miserável, privada dos dons magníficos da graça.

Essa nudez é para a alma uma mancha, como a ausência das vestes é, para um homem civilizado, uma verdadeira mancha.

Tiremos agora a conclusão desta doutrina. O pecado original sendo essencialmente a privação da graça santificante, que a alma devia ter, deve-se concluir que a imaculada conceição consiste em que Maria SS. nunca conheceu, nem um único instante, esta privação, mas que desde o momento que foi criada a sua alma e unida ao corpo, preparado naturalmente para recebê-la, ela achou-se revestida da justiça e da santidade, por uma graça especial de Deus e uma aplicação antecipada dos méritos do Salvador.

Este privilégio é sumamente glorioso para Maria SS., é este até único em seu gênero, porém não pode, de nenhum modo ser assemelhado à conceição humana do Salvador.

De fato, o corpo do Salvador foi formado no seio de uma Virgem, por uma operação pura e divina do Espírito Santo, enquanto o corpo de Maria SS. teve a origem comum dos outros corpos humanos.

A santidade original é, em Jesus, uma condição de sua natureza, um atributo essencial da sua pessoa.

Em Maria a santidade original é um privilégio, uma graça gratuita, concedida em previsão dos méritos do Salvador.

O Redentor estava infinitamente acima da corrupção comum. Maria SS. estava sujeita a esta corrupção, mas foi dela preservada.

Assim entendido – no sentido da doutrina católica a prerrogativa da Mãe não prejudica a excelência do Filho.

Jesus é inocente por natureza; Maria o é por graça.

Jesus o é por excelência; Maria SS. o é por privilégio.

Jesus o é como Redentor; Maria SS. o é como a primeira resgatada pelo sangue divino, mas num resgate antecipado.

Eis a bela, a gloriosa, e luminosa doutrina da imaculada conceição, que os protestantes ignoram por completo, e que pretendem combater, sem conhecê-la.

III. A Lei geral

A lei geral é o que o pecado de Adão e Eva passa a todos os seus descendentes, por isso todos os homens nascem com a mancha do pecado original. Esta verdade é claramente ensinada pela Sagrada Escritura, e especialmente por S.Paulo (Rom 5).

O Concílio Tridentino a proclamou dogma católico e a tradição da Igreja, neste particular, é constante e universal.

O Criador, para lembrar aos nossos primeiros pais a sua dependência da criatura, proibiu-lhes que comessem da fruta da árvore do bem e do mal (Gen 2,17).

Adão e Eva desobedeceram a Deus, e esta desobediência constitui o pecado original. Tudo isso figura na Bíblia (Gn 3,6).

O tal pecado, sendo cometido pelo primeiro homem, passa a toda a sua posteridade. Adão viveu, diz a Bíblia, e gerou à sua semelhança e conforme sua imagem (Gn 5,3). Adão, pecador, gerou outro pecador. É lógico. Por um só homem entrou o pecado no mundo, diz S.Paulo (Rom 5,12). Todos nós, como filhos de Adão e Eva, nascemos com a alma manchada pelo pecado original.

O testemunho de S.Paulo é explícito: Assim como o pecado entrou no mundo por um só homem e pelo pecado a morte, assim também passou a morte a todos os homens, porque todos pecaram num só (Rom 5,12).

Segundo S.Paulo, houve, pois, pecado num homem só, e este pecado, com as conseqüências, tornou-se universal, ao santo rei David. Fui gerado na iniqüidade, e minha mãe concebeu-me no pecado (Sl 50,7).

Eis a lei geral: Todos os homens, como filhos de um pai decaído, como era Adão, nascem decaídos, do mesmo modo como de um rei decaído nascem filhos decaídos.

IV. As exceções a esta lei

O grande argumento dos protestantes é que todos os homens pecaram. E eles concluem: Maria, a Mãe de Jesus, era de raça humana – logo ela pecou. O raciocínio é exato, porém o caso é de repetir a palavra de Judite: Quem sois vós para tentar a Deus (Jdt 6,2), para pôr limites a seu poder? Tal é a lei geral, porém supremo legislador pode derrogar as leis por ele estabelecidas.

A Bíblia está repleta destas derrogações. O movimento do sol e da lua está matematicamente fixado pela lei da natureza; enquanto Josué não hesitou em fazê-lo parar: Sol, detém-se em Gibaon, e tu, lua, no vale de Ajalon. E o sol se deteve e a lua parou (Jos 10, 12-13).

É uma lei que as águas seguem a correnteza do seu curso, entretanto Moisés estendeu a sua mão sobre o mar...e o mar tornou-se enxuto, e as águas foram partidas...como muro à sua direita e à sua esquerda (Ex 14, 21-22).

É uma lei que um morto fica morto até à ressurreição geral, entretanto o próprio Cristo-Deus, diante do cadáver de Lázaro já em putrefação, exclamou: Lázaro, sai... E imediatamente aquele que estava morto saiu vivo. (Jo 11, 43-44). Que prova isso, meu caro protestante? Isso prova que: Nada é impossível a Deus (Lc 18,27).

Todos os homens pecaram em Adão e Eva, e nascem com o pecado original. É a lei geral. Deus pode derrogar esta lei, como pode derrogar muitas outras, quando o julgar necessário ou conveniente.

Ora, era absolutamente necessário que ele derrogasse esta lei em favor do seu próprio Filho. O Deus de toda pureza não podia entrar em contato com o pecado. Estes dois termos excluem-se mutuamente. Se Jesus se contaminasse pelo pecado, não seria mais a pureza infinita...e não o sendo mais deixaria de ser Deus, porque em Deus tudo é infinito.

Escute bem, caro protestante...

Ora, Cristo, infinitamente puro, não o seria mais, se ele tomasse um corpo formado por uma carne e um sangue maculados pelo pecado. O filho recebe o seu corpo do corpo e do sangue da sua mãe. – O filho é uma continuação dos seus pais.

O corpo de Jesus Cristo é um corpo formado pela carne e pelo sangue da Santíssima Virgem. Ele é o filho de Maria: Aquele que há de nascer de ti, será chamado o filho de Deus, diz S.Lucas (1,35).

Sendo o corpo de Jesus formado do sangue de Maria, e devendo este corpo ser uma pureza infinita – pois é o corpo de Deus – é absolutamente exigido que a carne e o sangue de Maria sejam de uma pureza absoluta, isto é, sem pecado original.

Havia duas maneiras de alcançar esta pureza: a purificação ou a isenção do pecado original.

Qual destes dois modos há de ser mais conveniente?

A discussão é inútil. Se Maria SS. tivesse sido apenas purificada do pecado, ela teria sido escrava, pelo menos durante uns instantes, do demônio, e mais tarde o demônio teria podido lançar no rosto do Salvador este insulto: “Tua mãe! Ela foi minha antes de ser tua! Eu a possuí maculada!” Uma tal suposição é horrível!

Vai, Satanás, longe daqui. Nunca...nunca...nem durante um instante...tu dominarás a mulher bendita entre todas as mulheres! O Senhor estará com ela desde o princípio, e onde está o Senhor, lá não pode estar Satanás. Ela será cheia de graça... E se ela fosse dominada pelo mal, se ela o fosse apenas um instante, não estaria mais cheia de graça; faltaria a graça inicial.

Eis por que a Mãe de Jesus não podia ser simplesmente purificada do pecado... devia ser preservada.

V. A Imaculada Conceição

Eis-nos, com uma lógica irrefutável, em frente do mistério da imaculada conceição...que não é outra coisa senão a preservação do pecado original, em previsão dos merecimentos futuros do Salvador.

Diga, amigo protestante, não é lógico isso?...não é convincente?...não é necessário?...Pois bem, a tal preservação é o que nós chamamos: imaculada conceição.

Está vendo que tal privilégio, outorgado à pura Mãe de Jesus, não é, como aos protestantes se afigura: um bicho de sete cabeças, um espantalho misterioso!...

É a coisa mais lógica do mundo, que eles negam por não saber o que é, e que seus pastores combatem, unicamente para dar-se um jeitinho de bíblico, para passar por homens inteligentes, entendidos, zelosos discípulos da Bíblia, que não compreendem.

A imaculada conceição abrange dois pontos importantes que convém salientar, porque destroem, de antemão, as objeções protestantes.

1) O primeiro é ter sido a SS.Virgem preservada da mancha original, desde o príncipio da sua conceição.

2) O segundo é que tal privilégio não lhe era devido por direito, mas foi-lhe concedido em previsão dos merecimentos de Jesus Cristo.

Como tal, Maria SS. foi resgatada por Jesus Cristo, como qualquer um de nós; mas convém notar que há duas maneiras deresgatar, ou salvar uma pessoa: antes da queda ou pelo levantamento. O primeiro resgate é de Maria SS.; o segundo é o nosso.

Cristo morreu para todos, diz o Apóstolo (2 Cor 5,15) e ainda:Um só morreu para todos (2 Cor 5,14). Morreu de fato para todos, e em previsão de sua morte preservou a sua Mãe da mancha do pecado, sendo ela, deste modo, a primeira resgatada, e a mais bela conquista do seu sangue.

VI. As provas da Bíblia

O que acabamos de dizer é lógico, meu caro protestante, e se impõe a uma inteligência não viciada pelo preconceito. Eu sei que isso não é ainda o bastante para vós, por isso apoiemos tal doutrina sobre a Bíblia. Abrindo o Gênesis, encontramos no capítulo 3,15, as seguintes palavras que Deus dirigiu ao demônio, depois da queda dos nossos primeiros pais: Inimicitias ponam inter te et mulierem, et sêmen tuum et sêmen illius: ipsa conteret caput tuum (Gn 3,15).

A tradução popular deste texto é: Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua posteridade e a posteridade dela: ela te pisará a cabeça.

A tradução literal seria: Porém inimizade entre ti e a mulher, entre a tua semente e a semente dela: ela te esmagará a cabeça.

A primeira tradução está mais ao alcance de todos: a segunda se aproxima mais do texto oficial da Vulgata.
Este texto refere-se à SS.Virgem, pois é impossível restringir a sua significação à pessoa de Eva... Assim limitado, este texto perderia toda significação. Esta mulher é a Virgem Santíssima, filha de Adão e Eva pela natureza, filha e esposa de Deus, pela graça. Sua posteridade, sua semente é o seu filho unigênito Jesus Cristo, em Jesus, são os Cristãos. A serpente é o demônio; e os filhos do demônio são os infiéis e ímpios, diz Cornélio a Lápide. 

A SS. Virgem, por si, por Jesus e pela Igreja, esmaga a cabeça da serpente. Esmaga-a pela sua imaculada conceição, pela perfeição de sua santidade, pelo seu triunfo sobre o pecado e sobre a morte. Esmaga-a por Jesus, que é o vencedor de Satanás, do pecado do mundo. Esmaga-a pela Igreja, isso é, pelos membros fiéis, pelos católicos fervorosos que procuram viver para Deus.

Diante deste texto luminoso, profético, que tanto exalta a grandeza e o poder da SS.Virgem, os amigos protestantes procuram todos os meios de desviar o sentido, e de excluir dele a Santíssima Virgem.

A tradição cristã sempre viu nesta passagem simbólica a figura do Cristo e de sua SS. Mãe; só a obcecação protestante procura contestar esta figura... sem depois saber a quem aplicá-la.

Destroem, mas sobre as ruínas acumuladas são incapazes de edificar outro edifício...Procuram nos textos antigos se não houve qualquer divergência a respeito, e encontram qualquer coisa, sem mudança essencial, apenas acidental, mas que lhes permite pelo menos suscitar um protesto e formular uma objeção.

Há três versões diferentes do texto citado.

O texto oficial da Vulgata diz: A mulher te esmagará a cabeça (ipsa).

A versão hebraica diz: A semente da mulher te esmagará a cabeça (ipsum).

A versão caldaica diz: O filho (Cristo) te esmagará a cabeça. (ipse)

Que belo achado! Os protestantes gritaram o seu eureca...Tudo serve: ipse, ou ipsum, só não pode servir ipsa, porque este ipsa refere-se a Maria Santíssima. É o tradicional ódio à Mãe de Jesus. Haja discussão!...haja trevas!...haja objeções...haja dúvida...para afastar o texto da Mãe de Jesus, e remover a figura majestosa da Virgem, desta primeira página bíblica.

E no meio da balbúrdia, os pobres protestantes, não enxergam que tal mudança de pronome: ipse, ipsa, ipsum, só tem valor secundário, que não muda em nada o valor do texto, nem a extensão de sua significação.

Menos precipitação, menos paixão e mais sinceridade lhes teria mostrado que o sentido fica sempre aquele que interpretou São Jerônimo, adotando o pronome ipsa: ela: a SS.Virgem.

VII. A grande discussão

Examinemos de perto o sentido da passagem, na mudança do pronome. Qualquer que seja a versão adotada, o texto prova sempre o triunfo da mulher, que é a Virgem Imaculada.

O essencial é que haja um eterna inimizade entre a mulher e o demônio: Porei inimizades entre ti e a mulher.
Eis o principal. Tal inimizade significa que deve haver oposição completa entre o demônio e a Virgem Santíssima.

Ora, esta oposição não seria completa se – ainda mesmo por um só instante estivesse sujeita ao pecado original. Donde se deve concluir que ela foi preservada deste pecado.

Depois vem a continuação do primeiro fato. Não somente haverá inimizade entre o demônio e a SS.Virgem, mas esta inimizade continuará entre a posteridade de Satanás e a posteridade da Virgem. Inter semen tuum et semen illius.

Daí conclui-se logicamente que são as mesmas inimizades que já existem entre o demônio e a Virgem, que devem continuar a existir entre a posteridade, ou a semente de ambos.

A semente do demo: é o pecado.

A semente da Virgem: É Cristo.

A inimizade entre Cristo e o demônio é absoluta, é radical, completa...

E sendo a mesma inimizade que existe entre o demônio e a mulher, deve-se concluir, de novo, que tal inimizade é absoluta, radical, completa: numa palavra: é a imaculada conceição.

Entre Cristo e o demônio nada pode haver de comum como o próprio demônio confessa: Quid nobis et tibi, Jesus? Que há entre nós e vós, Jesus? De modo que nada pode haver de comum entre o pecado e a SS.Virgem.

Ora, se Maria não fosse imaculada, isso é, preservada do pecado original, ela teria tido, fosse apenas durante um instante, qualquer coisa de comum com o pecado, o próprio pecado original. Isso repugna ao texto bíblico, como repugna à dignidade da Virgem Santa.

Depois destes princípios, a mudança de pronome: ipse, ipsa, ipsum, tonar-se uma questão de palavras, que nada muda a verdade católica.

O texto contestado é pois o seguinte: Deve-se ler: Ipse ouIpsum, conteret caput tuum.

O sentido é o mesmo nos três casos: ipse é Cristo; ipsa é a Virgem Santa; ipsum é a semente ou Cristo.

Ora, a Igreja Católica nunca pretendeu outorgar diretamente à SS.Virgem o privilégio de esmagar a cabeça da serpente, exclusivamente por si, mas unindo-se a seu Filho, pela ação de seu Filho, isso é, como Mãe de Deus.

Adotando, pois, a versão: ipse, ou ipsum, dizendo que é Cristo que esmaga a cabeça da serpente, é preciso admitir que ele o faz como Deus-homem; pois Cristo é um homem; como tal ele está unido à sua Mãe: Cristo o faz diretamente, a SS.Virgem o faz indiretamente, mas ela fica inseparavelmente associada a este triunfo.

Adotando, como a Vulgata, a versão ipsa: dizendo que é Maria SS., que esmaga a serpente; não é ela só, mas unida ao Filho; ela o faz pelo poder de seu Filho, de modo que ela continua a ser associada de Jesus, a intermediária entre Jesus e o demônio. – É a virtude de Jesus que esmaga a cabeça da serpente, pelo pé da Virgem Santa.

Isto é tão simples e lógico que, nas edições hebraicas, a mulher e o filho são unidos num único pronome: Eles te esmagarão a cabeça; o que ainda é o mais claro e o mais lógico, indicando deste modo o princípio e o instrumento: o filho e a mãe.

Eis a tremenda discussão levantada pelos protestantes, no intuito de rebaixar a Mãe de Jesus; porém tal discussão em nada prejudica a glória de Maria SS.; de modo que, através das discussões humanas, a palavra divina continua resplandecente, fulminante, mostrando-nos, desde os albores da humanidade, a figura luminosa, nimbada de esperança e misericórdia: a Virgem Imaculada.

Tal é aliás a opinião do próprio S.Jerônimo, que escolheu, entre as três diversas versões, três hebraicas que trazem ipsa, senão pela exatidão gramatical, senão pelo sentido espiritual.

Ele mesmo dá a razão desta preferência: Não pode ser outra a semente da mulher, escreve ele, senão aquele que o apóstolo diz ter sido feito da mulher...isto é, Jesus Cristo...Cristo é verdadeiramente a semente da mulher, havendo ela nascido sem cooperação do homem.

Podia-se citar ainda o Antigo Testamento este texto de Isaías: O Senhor vos dará um sinal: Eis que uma Virgem conceberá e dará a Luz a um filho, e chamarão o seu nome Emanuel,isso é, Deus conosco (Is 7,14). Este outro de Jeremias: Deus criou uma novidade na terra; uma mulher cercará um homem (Jer 31,22).

Estes passos provam diretamente a virgindade perpétua da SS.Virgem, e indiretamente a sua conceição imaculada.

VIII. Provas do evangelho

Passemos ao Evangelho, onde tal verdade não é mais figurativamente anunciada, mas positiva e implicitamente revelada.

O anjo, vindo participar à SS.Virgem que tinha sido escolhida entre todas as mulheres, para ser a Mãe do Filho de Deus, cumprimentando-a, em nome de Deus, com a seguinte saudação:Ave, cheia de graça, - o Senhor é convosco – bendita sois entre as mulheres (Lc 1,28).

Que quer dizer isso? Deus proclama a Virgem cheia de graça.Ora, num vaso cheio não cabe mais nada...

Dizendo que Maria SS. é cheia de graça, é dizer que possui todas as graças que pode conter um criatura. Se ela não fosse imaculada, podendo sê-lo, lhe faltaria qualquer coisa; não seria mais: cheia de graça.

O Senhor Deus é com ela. Ora, onde está Deus não pode estar o pecado. A presença de Deus expele todo pecado. Quando nós nascemos, Deus não está conosco, porque nascemos em pecado... Ele estava com Maria, sempre, desde a sua entrada neste mundo, porque era imaculada.

Maria SS. é bendita entre todas as mulheres. Porque bendita?...Porque será Mãe de Deus. Isso é um título, uma dignidade, merecimento pessoal. A razão da benção deve brotar do fundo da criatura: e este fundo é a sua pureza imaculada, que a separa de todas e a eleva acima de todas as mulheres.

Juntemos a esta prova decisiva as palavras inspiradas no Magnificat, onde a Virgem exclama: Fez grandes coisas em mim aquele que é poderoso (Lc 1, 49). Esta grande coisa não é somente a maternidade divina, mas também a conceição imaculada, que é como a base deste privilégio.

Outra prova insofismável: Maria SS. continua: Deus pôs os olhos em sua humilde escrava. Se houvesse tido o pecado original, deveria ter dito: Deus pôs os olhos na iniqüidade da sua escrava, como dizem os santos, e como aconselha a Sagrada Escritura. Justus prior est accussator sui.Eis a revelação implícita do grande dogma da imaculada conceição.

É o que fazia dizer S.Cirilo, desde os primeiros séculos da Igreja: “Qual é o homem de bom-senso, que pode acreditar que o filho de Deus tenha construído para si mesmo um templo, um trono animado, cedendo o primeiro direito deste templo, e o seu primeiro uso ao demônio, seu mortal inimigo? Uma tal idéia, pode ela penetrar num ser capaz de raciocínio?”

Não havia protestante neste tempo...Que diria S.Cirilo, se voltasse hoje e visse sustentarem tal absurdo?
Eis, meu caro protestante, não somente o texto pedido, mas diversos textos, uma explicação destes textos, para o Sr. poder compreênde-los. Esta verdade é tão clara que o seu próprio pai Lutero não teve a ousadia de negá-la. 

Cito apenas uma passagem entre muitas. Escute bem: “Era justo e conveniente, - diz ele, - fosse a pessoa de Maria preservada do pecado original, visto o filho de Deus tomar dela a carne que devia vencer todo o pecado” (Lut. In postil. maj.).

O seu pai Lutero era menos protestante que os netinhos de hoje...sobretudo, era menos ignorante, e, apesar de sua revolta, compreendia melhor a bíblia que os nossos modernos biblistas e biblieiros, que só sabem ler com os óculos dos outros, e interpretar através dos óculos de qualquer pastor.

IX. Cheia de graça

Nova objeção. Não devia faltar. Eis, dizem eles, como os padres raciocinam. Dizem que Maria é cheia de graça...e que ser cheia de graça é ser imaculada.

Então S.Isabel “cheia do Espírito Santo”; S.João Batista, também “cheio do Espírito”, e outros, são igualmente imaculados.

É um argumento de criança. Examinem bem a diferença dos termos, e portanto da significação.

De S.João, o evangelista diz: Spiritu Sancto replebitur (Lc 1, 15).

De S.Isabel, ele diz: Repleta est Spiritu Sancto Elisabeth (Lc 1, 41).

De Maria SS.o arcanjo diz: Ave, gratia plena (Lc 1,28)

Estes termos são muito diferentes. A Sagrada Escritura emprega continuadamente o termo: Repletus...estar cheio, no sentido de abundância relativa...uma certa quantidade, comoRepletus consolatione (2 Cor 7,4), cheio de consolação; repletus iniquitate (Miq 6, 12) cheio de iniqüidade; repletus dilectione (Rom 15, 14), cheio de amor, etc.

Falando da SS.Virgem, o termo é diferente e significa uma plenitude completa. O grego Kecharitoménê, particípio passado decharitóô, de cháris, é empregado na Sagrada Escritura para designar a graça, tomado no sentido teológico, isso é, por um dom divino que adere à nossa alma. O sentido exato, dizem os exegetas é: omnino gratiosa reddita, que se tornou plenamente graciosa, em outros termos: omnino plena caelesti gratia: cheia de graça.

Os termos assim bem compreendidos, pode-se formar o silogismo: Maria SS. estava cheia de graça, ao ponto que nada mais podia conter. Ora, se ela tivesse o pecado original, ela não estaria mais cheia, pois podia receber uma graça (a preservação do pecado) que não recebera. É pois necessário admitir a imaculada conceição, como fazendo parte de sua plenitude.

Os teólogos citam outro argumento ainda (Tract. B. V. Lepicier, p.100): A graça estava na Santíssima Virgem, do mesmo modo que em Deus, devido à união dela com a divindade na produção do corpo de Jesus Cristo, que é o corpo de uma pessoa divina. Ora, esta graça tem por propriedade de nunca ter faltado a Deus. É, pois, necessário que Maria SS. nunca tenha sido privada da graça, o que só pode ser, admitindo a imaculada conceição.

Outro argumento teológico: O anjo saúda a Maria como sendo bendita entre, ou acima de todas as mulheres. Ora, em que Maria seria superior a todas as mulheres, senão pela imaculada conceição?

X. Proclamação deste dogma

Maria SS. é verdadeiramente imaculada, isso é, preservada da mácula do pecado original, pela aplicação antecipada dos merecimentos de Jesus Cristo. É um dogma da nossa fé, solenemente proclamado pelo Papa Pio IX, em 1854.

Aqui vem uma pedra formidável dos mansos protestantes. Ouço-os gritar... “Estão vendo...tal imaculada conceição é uma novidade, data apenas de 1854! É uma invenção romana!”

Pobres de espírito, escutem bem! Existir é uma coisa; ser proclamado é outra coisa.

Quando Denis Papin proclamou em 1710 a lei da pressão do vapor...já não existia a tal pressão?

Quando Ramsden em 1779 proclamou a existência da eletricidade: já não existia ela?

Quando Franklin proclamou a atração do pára-raio, em 1780... não existia ainda o raio, o trovão e o relâmpago? A asserção é ridícula.

A Igreja proclamou a conceição imaculada em 1854, em defesa deste privilégio, contra os ataques ímpios protestantes, porém tal privilégio existiu sempre, na Bíblia, na Tradição e na pessoa da Virgem Maria.

XI.Conclusão

Tiremos a conclusão: Maria SS. é imaculada. É certo.

O fim da Encarnação inclui a imaculada conceição. Este fim é resgatar-nos do pecado original; em conseqüência a Encarnação e o pecado original excluem-se mutuamente. São dois termos opostos, como são opostos os termos de luz e trevas, de dia e noite. 

Como é que a Virgem, pela qual deve vir a libertação, pode ser escrava de Satanás? Como é que a Virgem, que deve dar a Cristo um corpo e um sangue imaculados, pode estar manchada pela culpa original? Seria isso dizer que pode circular uma água cristalina num canal imundo. Seria afirmar que uma mãe preta pode gerar um filho branco. Isso é o contrário da Bíblia que diz: Quem pode tirar um fruto puro de uma semente impura? (Jó 14, 36).

Como então, mais tarde, Jesus poderia expulsar os espíritos imundos (Lc 4, 36), se ele mesmo era o fruto do pecado, pelo nascimento de uma mãe pecadora?

Não está vendo que isso é insensato?

Ela nos traz a luz...e ela estaria nas trevas! Ela nos traz o preço do nosso resgate e ela seria devedora! Ela seria a mãe da pureza infinita, e ela seria impura. Ela seria a Mãe de Deus e filha do pecado!Ela seria revestida de sol, da lua e de estrelas, como descreve S.João (Apoc 12,1), e ela teria nascido nas trevas!

Não se vê que isso é uma blasfêmia... um insulto a Deus! Concluamos, pois, dizendo que Maria SS. devia ser imaculada, e que o foi, conforme o bom senso e a Sagrada Escritura nos indicam.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...