domingo, 18 de agosto de 2013

Exercícios Espirituais para Crianças - A Oração (Parte III)

Nota do blogue: Acompanhe esse Especial AQUI.
Fr. Manuel Sancho, 
Exercícios Espirituais para Crianças
1955

PARTE PRIMEIRA
A conversão da vida do pecado à vida da graça
(Vida Purgativa. — 1.ª semana)


4. — A outra oração, que se faz interiormente, é a mental. Sem embargo, às aspirações curtinhas, ainda que sejam interiores e sem palavras, não se lhes chama oração mental, porque esta supõe algo mais de tempo, acompanhado de reflexão interior, de afetos e de propósitos. Eu não saberia definir de outro modo a oração mental para que a compreendêsseis.

Ao chegarmos aqui, pode ser que algum diga: “As crianças com oração mental? Pobres criaturas! Graças sejam dadas a Deus se elas rezarem com um pouco de atenção”. Mas ter-vos-á em pouco quem assim falar. Eu vos tenho em maior conta, e por isto creio que podereis fazer a vossa oração mental, com preparação e composição de lugar e discurso do entendimento e afetos da vontade... — Quanta coisa! — direis vós, um pouco aturdidos com tanto aparato. — Quem é capaz de entender esse aranzel?

Em primeiro lugar, devo dizer-vos que, sem isso a que chamais aranzel, podeis fazer uma oração mental de primeira, porque para orar não se necessita nenhum método, como de método não se necessita para amar; antes, muitas vezes ele estorva.

Uma vez S. Francisco estava alojado em casa de um bom homem de Assis, chamado Messer Bernardo. Depois de cear, o Santo foi para a cama. Como ele era tão santo, Messer Bernardo observava-o, para ver em que era que ele ocupava a noite. Mas o santo fingiu dormir. O outro também fez que dormia, e começou a roncar fortemente; mas, por um rabinho do olho, observava S. Francisco, que, quando, pelos roncos de Messer Bernardo, se convenceu de que este estava dormindo como uma pedra, levantou-se, pôs-se de joelhos, e pela noite toda ficou suspenso em alta contemplação, e com uns suspiros como de fogo dizia a cada momento:

Meu Deus! meu Deus! — e não dizia outra coisa.

O outro, ouvindo-o orar com essa devoção, de tal maneira se comoveu, e de tal modo se lhe revolveu o coração, que desde então ele resolveu seguir o santo, e assim o fez, e foi um dos primeiros religiosos da Ordem Franciscana.

Já sei que me direis que aquilo era oração vocal: pois não era senão oração mental, mas ele dizia aquelas amorosas aspirações a Deus Nosso Senhor como setas inflamadas que brotavam do seu amoroso coração. Porque na oração mental podem-se dizer preces, e na vocal fazer suas paradazinhas de reflexão, sem dizer palavra, e por isso nem uma deixa de ser mental, nem outra de ser vocal. Melhor dizendo, as duas podem misturar-se, e ordinariamente se misturam sem nenhum inconveniente, porque para amar não há regras, e a oração é a comunicação de amor com Deus.

Também aquela outra santa, Taís a pecadora, quando fazia penitência dos seus pecados numa gruta, passava grande parte do tempo em meditação, e sabeis como a fazia? Repetindo com fervor estas palavras: ”Meu Deus, Tu que me criaste, tem misericórdia de mim”.

Havia um pobre homem que acompanhava dois frades, servindo-lhes de peão ou guia, e, em chegando à pousada, os religiosos procuraram um recanto para se entregarem à meditação quotidiana; mas o pobre homem, que via os religiosos orarem, recolhia-se também ao seu cantinho e fazia meditação à sua maneira. Por curiosidade, depois os religiosos lhe perguntaram como era que ele meditava. Ao que o bom homem respondeu:

Padre, eu dizia ao bom Deus: “Estes frades são santos e sábios, e eu um burro. Senhor, aquilo que eles te pedem eu também te peço”.

Se vós fizerdes a vossa meditação repe­tindo “Meu Deus!” com aquele fervor de S. Francisco, ou dizendo com Taís a pecadora: “Senhor, tu, que me criaste, tem misericórdia de mim”, sem dúvida fareis uma meditação muito boa. E, se, reconhecendo a vossa insuficiência para meditar, disserdes no íntimo do vosso coração ao bom Jesus: “Meu Deus, não sei meditar, mas peço-te o que te pedem os teus servos que tão bem meditam”, também fareis uma ótima oração mental, como fez aquele bom homem.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...