segunda-feira, 20 de maio de 2013

Transformação do Cristão

Fonte: Mãe Cristã

As magnificências do Tabor não foram narradas para excitar uma estéril admiração; elas nos fazem pressentir o esplendor futuro do cristão. Se, entre dores, ultrajes e espinhos, Jesus Cristo é o tipo do homem humilhado, degradado pelo pecado e ferido de morte, na sua maravilhosa transfiguração nos representa Ele o homem reabilitado e transformado à imagem de Deus.

O que se operou instantaneamente sobre o monte Tabor, gradualmente se deve reproduzir em cada discípulo de Jesus Cristo, pois a vida cristã, considerada sob um aspecto elevado, não é mais do uma incessante transfiguração. A divina semente encerrada em seu seio germina e pouco a pouco se desenvolve, como o botão de flor que se abre e, tingindo-se de lindas cores, apresenta ao sol, despido já de seus envoltórios exteriores, um ser novo — a corola — cheio de graça e de encantos.

O coração do cristão é um campo de surpreendente fecundidade; simetrias misteriosas ai existem ocultas e, sob a casca da sua natureza carnal, palpitam germens esplendidos que não esperam mais que um sinal para jorrarem em ondas
de luz.

Oferece-nos a natureza uma bela analogia de tão maravilhosa transformação nesse conhecido inseto, que, depois de haver rastejado vilmente pela terra, rasga a sua nojenta mortalha e desprende as asas azuis para voar cintilante ao céu.

Toda a ação da graça tende a produzir este movimento de renovação. Os sacramentos não têm outro fim; uns nos purificam extirpando de nossa natureza os elementos maus, outros nos santificam e nobilitam, transmitindo-nos os dons sagrados do Espírito de Deus. O papel do homem, nesta operação misteriosa, consiste em secundar a graça; e ai está, com efeito, a obra da educação cristã, cujo fim último é fazer que a moralidade triunfe sobre os instintos materiais; a luz, das sombras da ignorância; as atrações celestes, das tendências e dos apetites grosseiros. Conseguintemente, a educação se exerce sem interrupção durante toda a vida, pois que é a obra de um aperfeiçoamento progressivo que deve rematar em uma transfiguração total.

O que a educação realiza no homem individual, deve a civilização operar nos povos e nas sociedades. Seria uma imperdoável inadvertência não ver na civilização senão um requinte de luxo e de gozos terrestres. A Igreja, a civilizadora do mundo,
sempre se propôs outro fim.

Ela introduziu os princípios do Evangelho nas leis e nos costumes públicos, como os havia incutido na educação particular, e purificou, esclareceu e poliu as relações sociais pela virtude da palavra evangélica; de modo que a verdadeira civilização, para bem dizer, não é mais do que uma obra de cristianização.

A história atesta que fora desta via não há real aperfeiçoamento. Os homens podem, pelo seu gênio ou pela sua indústria, obter um bem estar superficial e criar magnificências, e fictícios esplendores, semelhantes às iluminações dos fogos de artifício, que produzem um dia pálido e fantástico no meio de uma noite melancólica.

Mas nem estas ilusões brilhantes seriam capazes de substituir a abobada resplandecente do céu, nem os progressos realizados fora do cristianismo poderiam constituir de fato uma civilização sólida feliz e durável. O homem tem o pressentimento instintivo de um destino glorioso. Ele se envergonha da sua indigência e da sua nudez, cobiça vestimentas ricas, gosta de se cobrir de ouro e de pedrarias e sonha coroas e galas; e este luxo mesmo em sua louca extravagância, não faz mais que atestar a sua ingênita necessidade de renovação e de esplendor.

Mas, ó vaidade das vaidades! Decora-se a fachada do edifício e esquece-se na sombra o santuário que ameaça ruína. De que serve ornar o que deve perecer, se se abandona e degrada o que ha de subsistir eternamente?

O vivo ideal da verdadeira beleza está dentro de nós: é o tesouro que se precisa desenvolver, afim de que, segundo a palavra do Apóstolo, o homem apareça em uma auréola de majestade no mesmo dia em que Jesus Cristo aparecer em toda Sua glória. Observemos, além disso, com S. Bernardo, que a púrpura, as pompas e os ornamentos exteriores, por mais belos que sejam, não embelezam ninguém, pois a beleza que o vestuário empresta não deixa de pertencer ao vestuário para pertencer às pessoas que o alardeiam. Quem recorre a falsos atavios, só por isso se confessa desprovido da beleza. A graça de cada coisa está naturalmente nela mesma e não na matéria estranha que a ela se acrescenta. Seria um erro insano ou uma estúpida vaidade atribuir alguém a si próprio qualidades e efeitos agradáveis que provêm simplesmente de algumas peles macias de animais ou de substâncias das larvas que produzem sedas.

O lustre da verdadeira beleza é um reflexo do nosso ser imortal e, entre os seus encantos, nenhum há mais amável do que o pudor. Sim, esta pérola das virtudes brilha magnificamente na fronte da jovem; é a insígnia da sua honra, e a glória da sua consciência e o começo da sua transfiguração.

É necessário que a mãe cristã procure transformar-se de dia em dia para servir de modelo a seus filhos. A sua vida deve ser como um espelho onde se reflita somente o que é honesto e santo; e pelo exemplo, bem mais do que pelos conselhos, deve ela influir no coração dos que a amam. Possa ela enfim dizer a seus filhos o que S. Paulo dizia aos fiéis de Corinto: “Imitatores mei estote, sicut et ego Christi”, “Imitai-me, como eu imito a Jesus Cristo.”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...