segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O BOM COMBATE NA ALMA GENEROSA - Parte XXIX

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.

O BOM COMBATE 
NA
ALMA GENEROSA

Missionárias de Jesus Crucificado de Campinas


Pobreza voluntária

Oh! alma que Me ouves, não existindo pobreza no céu, desci à terra e dela fiz Meu pão quotidiano, exaltando assim esta pobreza tão repelida pelos homens. Abracei-a com amor, e desta pobreza fiz Minha morada, Meu pão quoti­diano...

Oh! Minha alma, resgatada com o Meu sangue, como praticas esta pobreza tão amada de teu Jesus e praticada por teu Deus com tanta perfeição? Queres na realidade ser perfeita? Desejas ser Minha fiel imitadora? Sinto que Me dizes: Sim, ó meu Deus, desejo ser pobre à Vossa imitação.

E sabes tu como Eu pratiquei esta pobreza, cuja base é a santa humildade?


Pratiquei-a principalmente no Meu Coração, no Meu es­pírito, porque esta é que dá força para praticar a pobreza exterior, isto é, dos bens caducos e das falazes promessas que este mundo oferece.

Está escrito, porque por Minha boca foi dito:

“Bem-aventurados os pobres porque deles é o reino dos céus.” Oh! alma que Me ouves, o verdadeiro pobre de espí­rito está sempre contente, porque nada deseja de bens tem­porais, nem mesmo espirituais, pois, se conforma com o que lhe é dado. Reconhecendo sua pobreza não se lastima, antes, na sua pobreza, reconhece que nada merece. A este pobre de espírito acontece que goza de uma paz inal­terável! E agora posso te provar, que este pobre é bem-aventurado, porque estando em paz, Eu Me acho no seu coração. O pobre é bem-aventurado, porque nada possuindo, possui a Mim. E Eu só estou plenamente na alma do verdadeiro pobre de espírito. Provo o que te estou dizendo. Onde Me encontras na Minha vida? Só na pobreza. No presépio, no meio das palhas; na casa de Nazaré, a mais humilde e des­pida de todo o conforto humano; no alto da cruz, despido de tudo deste mundo, morrendo em tão dura cruz, tendo por descanso longos e pontiagudos espinhos! Onde mais Me encontras como pobre? Em uma simples partícula de pão e em humilde tabernáculo, que, por mais rico que seja, não deixa de ser uma obscura prisão! Não te assusta, ó amada Minha, esta pobreza de teu Deus? Ah! esta pobreza exterior é apenas uma leve imagem da pobreza interior, que Me fez assim abraçar a pobreza exterior. Na Minha alma só se aninhava o desejo da humilhação, para te mostrar, que a pobreza é um bem, sim, um salutar remédio, para des­prender a alma, para que livre possa voar até as regiões do infinito amor. Eu, despreocupado de tudo o que me rodea­va, somente sofria e expiava os vossos pecados.

Oh! Minha alma, tu que desejas ser Minha fiel imitado­ra, sê na realidade pobre de espírito, porque só aos verda­deiramente pobres de espírito é dado o dom da contempla­ção e da união perfeita! Oh! enquanto a alma se achar amarrada pelas vontades e paixões do coração, não poderá fazer um só coisa comigo.

Sim, na verdade te declaro que ainda que as vossas vontades vos pareçam santas, perturbam a nossa união. O verdadeiramente pobre já é Minha propriedade. Sim, a pobreza foi sempre meu trono predileto neste mundo as­sim como o é também o coração pobre.

Como é bela esta pobreza voluntária, que dá, o céu à tua alma; sim, porque Eu sou o céu e tu, sendo pobre na realidade, tudo deixando por Meu amor, ganhas tudo que sou Eu. Ó bem-aventurada pobreza que faz guardar o próprio Deus! Agora, ó Minha alma, Eu te pergunto, isto se chama pobreza? Ah! não, chama-se isto sabedoria, despre­zar a riqueza deste vale de lágrimas para ganhar a riqueza eterna! Sim, Eu sou esta bela riqueza que enche os Santos de felicidade.

Oh! pobreza cheia de sabedoria. Oh! como sois sábios os que a praticas à Minha imitação!

Alma que Me ouves, compreendeste bem a felicidade desta pobreza voluntária? Se não compreendeste procura compreender, para seres uma copia perfeita de teu Jesus, que te fala somente porque deseja tua felicidade.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...