quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

NO CÉU NOS RECONHECEREMOS - Terceira carta / ParteI

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI

NO CÉU NOS
RECONHECEREMOS

Pelo

Pe. F. Blot, da Companhia de Jesus
Versão 19.ª edição francesa

pelo
Pe. Francisco Soares da Cunha


TERCEIRA CARTA

Resposta a algumas objeções

I

É perigoso não responder às objeções. – As de que falamos, resultam da idéia falsa ou acanhada que se faz do Céu – O pensamento católico exprimido com felicidade por Dante. – Luzes que os bem-aventurados têm. – Eles não ignoram as nossas necessidades. – Desejo que têm de nos socorrer. – A sua lembrança de tudo.


SENHORA,

Nenhuma das verdades solidamente estabelecidas na Igreja deve ser abalada em nossas almas, por uma ou muitas objeções, cuja solução nos escapa.

“A verdade é do Senhor e permanecerá eternamente”, diz a Escritura (Ps. CXVI, 2); as objeções são do homem, o tempo muda-as, e o sopro da ciência as dissipa.


Todavia, acontece que uma verdade claramente demonstrada, não penetra profundamente em nossa alma, enquanto tivermos uma dificuldade a que não achemos resposta. Algumas vezes mesmo a objeção apodera-se de tal modo do nosso espírito, que chega a expelir dele a verdade.

É o que se deu em muitas pessoas a respeito do objeto de que nos ocupamos. Não sabendo como rasgar o véu de algumas dificuldades que lhes ocultava esta luz tão consoladora, têm dito que não nos reconheceremos no Céu. A sua imprudência poderia comparar-se à dum menino que, não podendo dissipar o espesso nevoeiro, negasse a existência do Sol.

As objeções que vos têm feito, e que me haveis transmitido, resultam de se não formar uma idéia assaz justa e grande do Céu.

Muitos supõem que Deus se dispusera a construir o edifício da nossa grandeza sobre a indiferença ou insensibilidade, a coroar-nos de glória e inebriar-nos de felicidade no meio da ignorância ou das trevas. Aderir a esta idéia é provar que nem mesmo se leu aquele príncipe de poetas cristãos, que pôs ao serviço da fé a sua poderosa e bem regulada imaginação e que cantou numa língua e num país a que vossa família não pode chamar estrangeiro. Cito-o, não para lhe atribuir uma autoridade que não tem, mas porque exprime felizmente o pensamento católico.

“O Céu, disse ele, é um admirável e angélico templo, que tem por confins só o amor e a luz. E uma luz pura, luz intelectual carregada de amor, amor do verdadeiro bem, cheio de alegria que excede toda a suavidade.

O estado da bem-aventurança funda-se sobre a ação de ver, seguindo-se-lhe a de amar, e tanto que a alegria dos bem-aventurados, como a dos anjos, é maior ou menor segundo a sua vista se fixa mais ou menos na verdade, onde se repousa toda a inteligência”[1].

Eis aqui, pois, o princípio de solução para as objeções: no Céu, que é mais um estado do que um lugar, tudo é luz, tudo é amor.

Por esta luz, os escolhidos que gozam da visão de Deus, conhecem, com os prodígios da natureza e da graça, tudo o que se refere ao estado próprio de cada um.

Assim, os pontífices vêem o que diz respeito ao governo da sua Igreja, e os reis o que concerne ao seu reino. Deve crer-se, pois, que gozam da bem-aventurança, que o seu estado é perfeito pela reunião de todos os bens, [2] sê-lo-ia sem este conhecimento?

Deve também crer-se que vêem a Deus face a face: por que motivo não verão também o que lhes diz respeito, neste espelho da Divindade, sempre patente a seus olhos e fiel em tudo refletir?

Os bem-aventurados têm uma ciência infusa e atual, que lhes vem por via de revelação ou iluminação, seja da parte de Deus, seja da parte dos anjos ou dos santos mais elevados em glória.

Têm também uma ciência natural e adquirida, que obtiveram durante a sua vida mortal, seja pelo trabalho, seja pela experiência, e que conservam no Céu.

Perderiam, pois, na habitação da felicidade, o gozo de todos os seus conhecimentos adquiridos que pode aumentar mais a sua ventura, o conhecimento dos parentes e dos amigos que tiveram na terra?

Eles não ignoram as necessidades nem as orações de seus parentes que ficaram neste mundo.

Depois da morte de S. Bernardo, um abade de Claraval consolava os seus religiosos dizendo-lhes: “Quanto mais no Céu do que na Terra, nosso Pai vê, sente e conhece tudo o que nos toca! A sua espiritual paternidade não se dissolveu com o corpo, ele nada ignora das necessidades de seus filhos, e ouve-nos do fundo de seu túmulo”[3].

O mesmo Deus que é a suma verdade, ilumina e penetra os santos, anima-os e inflama-os com o seu amor.

Eles são também caridade com Ele, amam-nos como Ele, lembram-se de nós, ocupam-se de nós; e esta misericordiosa solicitude – diz Augusto Nicolas –  concilia-se tanto neles como n’Ele, com a suprema felicidade. Que digo eu? É esta mesma felicidade que, inebriando-os de suas delícias, os inebria também, de alguma sorte, da necessidade de comunicá-la, porque é ela a felicidade de amor, que só se enche para se derramar [4].

Eles governam-nos, dirigem-nos e intercedem por nós. S. Gregório Nazianzeno, concluindo o elogio de S. Cipriano, exclamou:

“Ó vós, do alto do Céu, olhai-nos com bondade, guiai nossos discursos e nossa vida, apascentai este virtuoso rebanho e auxiliai o seu pastor”[5].

No segundo livro dos Macabeus (XV, 12-16), vemos Onias e Jeremias, já mortos, interessarem-se pela sorte dos judeus, orarem pela sua liberdade e entregarem a Judas a espada que devia assegurar-lhe a vitória.

No Apocalipse (V, 8; VI, 10) vemos os bem-aventurados oferecerem ao Senhor as orações que se elevam da terra, como perfumes, e queixarem-se de seus perseguidores estarem ainda impunes. Por que, pois, seriam os únicos a não serem reconhecidos, aqueles que foram na terra seus protetores ou seus protegidos, e que lhes fazem agora companhia na glória? Por que esta exceção inteiramente semelhante a um castigo? Por que esta pobreza do coração, que seria assim privado de todas as santas afeições, a que deve talvez a sua entrada na pátria da caridade, ou pelo menos um grau mais elevado no reino da pura luz e do verdadeiro perfeito amor?

O Cristão não tem necessidade de passar o rio do esquecimento para chegar ao eterno repouso.

O santo nunca perde a memória do menor de seus triunfos, nem o mais obscuro dos seus merecimentos.

A nossa mão esquerda, que não sabe na terra o bem que faz a direita (Math. VI, 3), sabê-lo-á um dia no Céu, e se regozijará por isso eternamente.

Neste mundo, morremos em nós mesmos, por um esquecimento que cada vez se torna maior; mas no Céu, ressuscitaremos em nós mesmos pela mais completa lembrança: Todo o bem que tivermos feito, reviverá em nossa memória com uma fresquidão e vivacidade de sentimentos, que nunca houvéramos conhecido. Conservaremos a lembrança das nossas provas interiores e espirituais; recordar-nos-emos das nossas dores físicas e de todos os nossos trabalhos.

Como nos será doce então repassar, pela imaginação, todas estas rugas do tempo, onde as lágrimas dos nossos olhos e os suores dos nossos membros caírem, como orvalho fecundo, para enriquecer a colheita dos nossos eternos merecimentos!

Mas como! Os felizes habitantes do Paraíso, em suas íntimas conversações, nunca falariam do seu passado, deixariam ignorar a grandeza e multiplicidade dos seus combates neste mundo, e não revelariam entre si uma única circunstância que lhes fizesse conhecer que foram contemporâneos, vizinhos, parentes ou amigos?! É impossível.





[1] Dante, Paradiso, canto XXVIII e XXX.
[2] Boécio, De Consolatione, lib. III, prosa II.
[3] Gautridus, Sermo in anniversario obitus sancti Bernardi, nos. 4 et 15.
[4] Augusto Nicolas, La Vierge Marie vivant dans l’Eglise, lib. I, cap. IV,  § 3, n.o 4.
[5] S. Gregório Nazianzeno, Oratio XXIV, no. 19.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...