quinta-feira, 22 de julho de 2010

Presentear exageradamente uma criança... um grande perigo!

Presentear exageradamente uma criança... um grande perigo!


Na escola fora feita uma sondagem sobre os desejos das crianças, por ocasião da festa de Natal. Apareceu então o seguinte relatório. Queriam bicicletas completas, bolas de futebol, chuteiras, relógios-pulseiras, carros com bonecas, casas para elas com iluminação completa, máquinas fotográficas e de filmagens, etc. Uma  ou outra criança mencionava um par de sapatos, uma boneca qualquer. A grande maioria descreveu cuidadosamente as qualidades dos presentes desejados.

Dirão os pais que isso prova a mentalidade moderna e técnica da infância atual. E também pode provar como anda exigente essa infância moderna. A razão está na mania de muitos pais, sempre desejosos de atender às vontades mais contra-indicadas pela situação financeira da família. Saem prejudicadas as finanças e também os filhos. Uma criança que não sabe moderar seus desejos, ou melhor, os tem sempre atendidos pelos pais, está sendo educada para uma fracassada na vida.

Longe de mim advogar o método de recusar presentes aos pequenos. Eles precisam dessas provas de afeto. Mas o exagero em entupir os filhos com presentes é igualmente funesto na vida. Não há dúvida, hoje requer-se muita coragem dos pais neste particular. A moda anda por aí: muitos e belos e caros presentes aos filhos. É claro, também a vaidade ou exibição falam neste assunto. Querem brilhar perante outros pela forma dos presentes que fazem.

Vivem saturadas nossas crianças. Já não reagem perante presentes menores, mais singelos. E cada vez mais alto vão colocando suas exigências. Vão perdendo, ou já perderam, aquela delicada sensibilidade da alegria com coisas pequenas e simples. Será vantagem cultivar tal doença? A vida dá coisas pequenas. Raramente é fada encantada com régios regalos de alegrias, felicidades e surpresas. Se alguém desensinasse uma criança maior a matar sua sede com água fresca e pura de uma fonte, lhe prestaria porventura um benefício? Certamente que não. Por que vamos contudo adotar outro método, quando se trata de saciar a sede de um coração infantil?

(Mundos entre berços, pelo Pe. Geraldo Pires de Souza)

PS: Grifos meus.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...