sexta-feira, 23 de julho de 2010

O que é esquecer-se?

Vida de esquecimento próprio


O que é esquecer-se?

Aquele que se entrega a Deus já não se pertence. Deixa de existir aos seus próprios olhos, não vive em si mesmo, mas nAquele a quem se entregou, e não tem outros interesses a não ser os do Mestre.

Esquecer-se de si próprio, por amor, eis a grande lei de toda a vida espiritual. Esquecer-se é excluir das ações, sofrimentos e orações todo o cálculo humano, toda a sombra se amor-próprio ou intenção egoísta.

Esquecer-se é aceitar simplesmente da mão de Deus todas as responsabilidades, todos os deveres, todos os sofrimentos, todas as contrariedades, sem queixumes, sem pretender sobressair por isso, sem examinar a duração e a natureza das próprias penas ou sacrifícios, tal como se eles tivessem atingido outra pessoa.

Esquecer-se é moderar a procura de satisfações pessoais, fugindo das ilícitas e só escolhendo das outras as que a Providência tiver preparado.

Esquecer-se é avaliar-se pelo seu justo valor, isto é, como um mísero pecador; é afastar da memória própria e alheia as qualidades e obras pessoais; é mesmo evitar um olhar ansioso e demorado sobre as próprias fraquezas.

Esquecer-se é desaparecer aos próprios olhos, por um ato de vontade, para não ver em si e nos outros, nas pessoas e nas coisas, senão Jesus e a Sua santa vontade.

Aquele que quiser vir após Mim, diz Jesus, renuncie a si mesmo. Quem desejar ter parte na Ressurreição de Jesus, consinta primeiro em morrer com Jesus; quem quiser com Jesus levantar-se glorioso do túmulo, desça primeiro aí com Ele; quem quiser salvar a sua vida, comece por perdê-la.

O esquecimento próprio é, pois, a renúncia, a humildade, a morte de si mesmo; é o desapego universal.

Quem se esqueceu de si mesmo perdeu tudo. Já não é senhor de sua vontade e sentimentos, nem do seu tempo, nem da sua saúde. Nada lhe resta. As aspirações, gestos e aptidões, tudo o que constitui a riqueza e o orgulho dos outros é posto ao serviço do Senhor.

E a alma compraz-se nesta entrega, regozija-se por se ver roubada a si mesma; receia recuperar a posse de si e pede a Jesus que nunca lho consinta. Divina loucura! Senhor, ensinai-me o esquecimento de mim mesmo.

(O dom de si, vida de abandono em Deus, pelo Pe. José Schrijvers)

PS: Grifos meus.
PS2: Continuarei a transcrever esse capítulo, segue próximos posts:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...