terça-feira, 23 de março de 2010

Infância de São Paulo da Cruz

Infância de São Paulo da Cruz


E' no berço que o homem se forma para a virtude ou para o vício. Cumpre à mãe amoldar a alma e as inclinações do filhinho para o bem, dando-lhe sólida educação religiosa, que permanecerá para toda vida.

Ana Maria, penetrando a extensão da imensa responsabilidade, pôs todas as suas virtudes a serviço desse altíssimo dever: elevação de inteligência, delicadeza de sentimento; bondade e energia, unção e piedade, mas, sobretudo, grande fé em Deus.

Com que solicitude zelou pelo tesouro que o Pai celeste lhe confiara! Com que cuidado não lhe depositou no coração pequenino a semente de todas as virtudes! Tinha-o sempre ante os olhos se esmerava por afastar dele tudo o que pudesse empanar-lhe a candura. E Paulo levará ao túmulo a inocência batismal!

Ensinava-o a conhecer, amar e servir o Pai celeste, narrando-lhe a vida dos santos anacoretas. E como estava intimamente unida a Deus, sabia dar às palavras tais acentos e tal expressão, que o menino a ouvia com o maior interesse. Foi assim que nasceu nele esse amor à solidão, que se tornou a característica de sua vida.

Falava-lhe da Paixão e Morte de Nosso Senhor, e nos olhos puros do pequeno borbulhavam lágrimas. Se, ao penteá-lo, Paulo se punha a chorar, como fazem geralmente as crianças, narrava-lhe algum fato da vida dos santos, e era de ver o pequeno passar do pranto à mais viva atenção, ainda conservando nos olhos as últimas lágrimas.

Colocava-lhe outras vezes nas mãos o crucifixo, dizendo:

Vê, meu filho, quanto Jesus sofreu por nosso amor! ”.

E ele, fitando a devota imagem, como por encanto deixava de chorar. A santa mãe consagrara-o à Rainha das Virgens. Dizia lhe também repetidas vezes da obediência e docilidade do Menino Jesus e da ternura de Maria Santíssima, o que lhe despertava singularíssima devoção para com Eles.

E Paulo, de joelhos, mãozinhas postas ante suas imagens, comprazia-se em dirigir-lhes breves orações.

Essa esmerada educação materna foi corroborada pelos exemplos do virtuoso pai. A lembrança de mãe tão santa permanecerá indelével na alma agradecida de Paulo Francisco, até o final de sua longa existência.

Dela discorria freqüentemente em público, comovido, propondo-a como exemplo. Mais tarde dirá:

“Se me salvar, como espero, devo-o a educação que recebi de minha mãe ” .

Felizes os pais que assim educam para Deus os seus filhos!

Crescendo Paulo em idade crescia outrossim na virtude. Desenvolvia-se-lhe natural tendência à solidão, à prece e à penitência, enquanto começava a revelar caráter brando e afável, talhado para a conquista dos corações. Fugia dos divertimentos infantis e, com seu irmãozinho João Batista que, como veremos lhe foi companheiro fiel nos labores apostólicos entretinha-se em construir altarezinhos adornando-os com flores e imagens do Menino Jesus e da ss. Virgem. Ali passava horas e horas recitar o terço, devoção que conservou até a morte.

Certa vez, enquanto oferecia esta prova de amor à Rainha do Céu, apareceu-lhe uma criança de encantadora formosura Era Jesus, que se dignava recompensar assim a ternura que Paulo lhe votava.

Maria Santíssima também lhe patenteou de modo extraordinário, bem como a João Batista, sua materna proteção. Enquanto colhiam flores às margens do rio para ornamentar o altar da Virgem, ambos escorregaram e caíram no Olha.

As águas eram profundam, rápida a corrente. Paulo e João Batista estavam prestes a perecer... quando de improviso vêm uma senhora de sobre-humana formosura e majestade que, caminhando sobre as águas, lhes estende a mão e os livra da morte. Graça tão assinalada inflamou mais e mais o coração de Paulo no amor e no reconhecimento para com a sua libertadora e para com aquele deifico Menino, cuja beleza o encantara.

(Excertos do livro: Vida de São Paulo da Cruz - Pe. Luís Teresa de Jesus Agonizante)

PS: Grifos meus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...