segunda-feira, 31 de maio de 2010

As virtudes correlativas do Educador e do Educando - Parte II

As virtudes correlativas do Educador e do Educando
Parte II


A autoridade é uma ciência

Por que se pode dizer que a autoridade é uma ciência?
Porque o exercício do direito e o cumprimento do dever da autoridade exigem o conhecimento (a ciência) e o respeito dum certo número de princípios. Uns são remotos, outros imediatos: examiná-lo-emos sucessivamente.

Os princípios remotos

Quais são os princípios remotos a que está ligada a autoridade?
São cinco?

- É preciso começar a exercê-la muito cedo.
- É preciso que os pais sejam os primeiros a respeitar a fonte de toda a autoridade: Deus.
- É preciso que os pais apoiem a sua autoridade em Deus.
- É preciso que os pais mostrem em tudo um procedimento digno e nobre.
- É preciso que os pais evitem tudo que os possa colocar no mesmo pé de igualdade os filhos.

1º - É preciso começar muito cedo

"Curva a cabeça de teu filho na sua mocidade" (Eccli)

Por que é preciso que os pais afirmem muito cedo a sua autoridade?
Por que a experiência ensina que "se a criança não for dominada dos três aos quatro anos, é quase certo que nunca o será."
(F. Nicolay, As crianças mal educadas, p. 140)

Que sucederá se os pais se descuidarem na afirmação da sua autoridade logo nos primeiros anos dos filhos?
A criança cresce: a sua independência desenvolve-se com ela; as insubmissões são frequentes; tornam-se escandalosas; a sua arrogância é uma vergonha; os pais abrem enfim os olhos; decidem-se a reagir.
É muito tarde.

Se o pai e a mãe quiserem usar de rigor, encontram em face deles uma tal obstinação de resistência, que, com receio das conseqüências, renunciam à luta. Se os pais, apesar de tudo, querem impor-se pela força, a criança irrita-se, revolta-se interiormente, procura a causa daquela mudança de atitude, maldiz o lar onde o castigam, depois de a terem estragado: não aceita, nunca aceitará a autoridade.

2º - É preciso que os pais respeitem a fonte de toda a autoridade: Deus

"Que todo o homem seja submisso às autoridades superiores, porque não há poder que não venha de Deus" (S. Paulo, Rom, XIII, 1.)

Por que é preciso que os pais respeitem a autoridade?
Porque a autoridade é uma: não há a autoridade deste, a autoridade daquele; há simplesmente a autoridade; e tudo o que a ofender, seja neste ou naquele superior, enfraquece-a em todos os outros.

E depois, a criança, já tivemos ocasião de o fazer notar, é duma lógica implacável: não se submeterá por muito tempo à autoridade dos pais, se eles, pais, não se submeterem à autoridade de Deus.

"A autoridade não impõe o seu direito, quando aqueles que a exercem vivem duma maneira diferente da que recomendam aos outros." (Sto. Agostinho).

3º - É preciso que os pais apoiem a sua autoridade em Deus

"Se o Senhor não edifica a casa, é em vão que trabalham aqueles que a construem" (Ps. CXXVI)

Por que devem os pais apoiar a sua autoridade em Deus?
Porque Deus é a única base lógica, imutável e durável da autoridade.

Como farão os pais para convencer a criança da verdade deste ponto de apoio?
Evitarão, no exercício da sua autoridade, toda a consideração egoísta ou apaixonada; inspirados sempre na idéia do dever, manifestarão por ele um apreço profundo e afetivo.

4º - É preciso que os pais mostrem em tudo um procedimento digno e nobre

Por que devem os pais mostrar um procedimento digno e nobre?
- Porque o exercício da autoridade é fácil, quando aqueles que são depositários dela merecem estima. Ora, a estima só se obtém pela nobreza, dignidade e virtude.

Um domínio de si mesmo, uma firmeza sempre calma, uma atitude virtuosa elevam os pais aos olhos dos filhos, atraem a estima e afirmam a autoridade. Dom Bosco, de Turim, dirigia em passeio e durante um dia, 300 prisioneiros. (J.B.Francesia, Vida de Bom Bosco, p. 158)

- Pelo contrário, tudo o que rebaixa o homem, como as palavras grosseiras, as pragas, o excesso na bebida, os acessos de cólera, etc., são como pequenos escândalos, que fatalmente deprimem a autoridade de quem os dá.

Não há faltas que prejudicam mais gravemente a autoridade dos pais?
Podemos apresentar, como principais, a mentira e as preferências.

Quais são as formas de mentira, em geral mais abundantes na educação?
- Fazerem-se falsas promessas;
- Iludir-se a boa fé;
- Servir-se de flagrantes contradições da verdade.
(Nicolay, ob. cit., p. 98 e seg.)

Em que consistem as falsas promessas?
Consistem em explorar os desejos conhecidos ou supostos da criança, prometendo satisfazer-lhos, se obedecerem; e, obtido o resultado, esquecer, como por encanto, as promessas feitas... A criança deixa-se levar, porque é naturalmente confiante, acaba por se convencer de que zombam dela e abusam da sua credulidade.

Qual é o resultado destas verificações?
- A criança é obrigada a pensar que a mentira não é uma falta, porque a sua mãe a emprega a cada momento.

- Depois, um belo dia, mais desconfiada, porque a enganam sempre, deseja ver o que lhe prometem, ou então, escandalizada, revolta-se e grita:

- Há quantos anos que me andam sempre a prometer recompensas que eu nunca vejo... Para troça, já basta!

Nada mais insolente, nada mais justo!

Como se ilude a boa fé da criança?
Servindo-nos da sua confissão, para obter a sua docilidade, e voltando contra ela própria o ato de boa vontade que praticou.

- Porque fizeste isto muito bem, vou-te levar ao cinema.
E leva-se ao dentista!

- Dá-me o teu comboio, e verás como o faço manobrar.
- Agora, não o tornas mais a ver!

Não há ainda uma coisa pior?
É a de servir-se de flagrantes contradições de verdade.
Trata-se, por exemplo, e fazer tomar uma poção desagradável.

- Oh! não imaginas como isto é bom, diz a mãe, fazendo menção de provar.

A criança iludida, pega no remédio, e verifica imediatamente que a queriam obrigar a tomar uma beberagem de mau gosto... Enganaram-na: nunca se há de esquecer.

Se toma o remédio, é pior ainda, porque à humilhação de ter sido vítima dum logro, junta-se a indignação de ter sido enganada, e a ofensa do amor próprio produz, quase sempre, a raiva e o desejo de vingança.

Quais são as conseqüências que derivam destes métodos de engano odioso?
- Os pais rebaixaram-se a si próprios, desempenhando o papel de mentirosos.
- Educaram  às avessas, ensinando com gravidade a arte de enganar.
- Destruíram, para todo o sempre, a confiança na alma de seus filhos.

São frequentes as preferências?
Sim, infelizmente.

Algumas apoiam-se na semelhança física; sente-se naturalmente uma simpatia mais profunda por aqueles que apresentam as mesmas feições.

Outras derivam das qualidades exteriores de graça, de amabilidade e de inteligência. Um certo encanto nos liga mais fortemente àqueles cuja viveza adula o amor próprio, e faz conceber as mais belas esperanças.

Como se manifestam as preferências?
O preferido tem naturalmente mais preponderância; é mais acarinhado que seus irmãos e irmãs; poupam-no a trabalhos pesados; satisfazem-lhe os seus desejos; os próprios defeitos são considerados como virtudes, ou, pelo menos, tolerados; apontam-no como modelo, sem muitas vezes o merecer; e, atendendo a esta imaginária perfeição, a mãe declara bem alto que gosta mais dele que de todos os outros.

- Vê o teu irmão, olha como ele é bonito que obedece depressa, como se porta bem... É por isso que eu gosto mais dele do que de ti. E tu bem o deves saber...

Quais são os estragos causados por esta violência?
O preferido é uma criança cheia de mimos; torna-se orgulhoso, soberbo, cheio de caprichos, preguiçoso, impossível de aturar, sensual e transviado...

Os outros são quase necessariamente invejosos e odientos. O espírito deles torna-se sombrio, e o coração azeda-se-lhes e torna-se insensível porque é assaltado pela amargura e, frequentemente, pelo ódio.

Sim, pelo ódio.
Recordai-vos da história de José, pais e mães imprudentes: foi para vós que essa história se escreveu.

5º - É preciso que os pais evitem tudo o que os coloca no mesmo pé de igualdade com seus filhos

"As crianças devem ter por amigos os companheiros, e não os pais e as mães"
(Jaubert, pensamentos)

Por que se faz esta recomendação?
Porque a igualdade exclui a autoridade.

As liberdades na linguagem, as familiaridades no tratamento, um à-vontade nos divertimentos, diminuem as distâncias, produzem uma impressão de igualdade e prejudicam a autoridade.

"Adulai o vosso filho, e ele causar-vos-á grandes desgostos; brincai com ele e ficareis contristados. Não vos divirtais a rir com ele: tende receio de que daí venha uma dor, e tenhais, por fim, que arrepender-vos." (Eccli, XXX,9-10)

Não é também a opinião dos pensadores de todos os séculos?
Ouçamos Platão:

"Quando no interior das famílias domina a igualdade insolente, tudo, até os seus animais, parece respirarem anarquia. O pai teme e respeita seu filho, e o filho em breve trata o pai como a um igual. Já não tem pelos autores dos seus dias nem respeito nem temor; quer poder dizer em todos os casos: sou livre."

E de Bonald:

"Afetos fora da influência da razão, e uma educação doméstica mole e sem dignidade tomaram o lugar das relações de autoridade e submissão entre os pais e os filhos, das quais a geração passada viu na sua mocidade os últimos vestígios. Crianças que tinham no seu espírito idéias de igualdade com seus pais, e no coração sentimentos de insubordinação contra as suas vontades, praticavam o abuso de os tratar por tu, maneira de falar que, na nossa língua, exprime consciência da sua fraqueza, não ousavam dominar os filhos pela sua autoridade, aspirando tão somente a serem os seus amigos, confidentes e, muitas vezes, os seus mplices. Havia em França pais, mães, filhos, mas faltava a autoridade na família, e a sociedade política foi abalada até aos alicerces."

(Catecismo da educação, por Abade René de Bethléem, continua com o artigo: Os meios imediatos)

PS: Grifos meus.
Ver também: Parte I
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...