quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Mães sobrenaturais

Mães sobrenaturais


Felicitava-se um inglês (Chesterton) de que a educação fosse toda ela confiada a mulheres até ao momento em que se torna ínútil educar, - porque "uma criança não é mandada à escola para se instruir, senão quando já é tarde para aprender qualquer coisa".

Por outras palavras: a formação depende da educação da primeira infância, e em segundo lugar a educação da primeira infância pertence às mulheres. Esta é a verdade. E grave. Porque surge imediatamente o problema: as mães encarregadas de educar estarão todas elas à altura dessa missão?

Algumas, sim, e distinguem-se. Para a primeira infância. E depois também, quando os filhos já são adultos.

Quando os filhos eram pequeninos, com que atenção não velavam elas não só pelo seu corpo, mas sobretudo pela alma, deviando tudo o que mais tarde pudesse vir a ser para eles ocasião de tentação. Com que amor de Deus, logo desde o primeiro desabrochar da razão, lhes não juntaram elas as mãozinhas para rezarem, com o coração erguido para o céu. E por ocasião da primeira comunhão particular, com que ternura lhes não ensinaram as maravilhas da Eucaristia, os não animaram à generosidade, lhes não falaram de Cristo crucificado.

Sem jamais se buscarem a si mesmas, com que alegre e sobrenatural austeridade ensinaram a criança a sacrificar-se, a pensar nos  outros, com que habilidade divina lhes não mostraram as necessidades imensas do mundo e os não fizeram pensar nos pagãozinhos privados da felicidade de terem mamãe cristã, papai cristão, irmãs e irmãs batizados.

"As crianças são sérias; e conservar-se infantil a sua alma significa precisamente continuar a encarar a vida com seriedade". Este pensamento de Joergensen - conhecido, ou desconhecido - tem servido de regra a mães que sempre ajudaram os filhos a conservar, depois de crescidos, a profundeza juvenil da sua seriedade em face da vida.

E quando eles são grandes, como essas mães os ajudaram a desenvolver essa seriedade, a evitar que se extraviem, que se dissipem na atmosfera do mundo e da frivolidade...vivendo elas próprias na familiaridade divina, aprenderam o grande mistério de "Deus pertinho", de Deus que mora no fundo da alma em graça e que só deseja chamar-nos à Sua intimidade.

Honra a essas mães, verdadeiras educadoras!

(Excertos de Cristo no lar, meditações para pessoas casadas, por Raúl Plus, S.J, tradução de Pe. José Oliveira Dias, S.J. ; 2ª Edição, Livraria Apostolado da Imprensa, 1947, com imprimatur)

PS: Mantenho os grifos do autor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...