terça-feira, 27 de novembro de 2012

Novembro - Mês das Almas do Purgatório - 24

Fonte: Almas devotas

Retirado do livro
Mês das Almas do Purgatório
Mons. José Basílio Pereira
livro de 1943 
(Transcrito por Carlos A. R. Júnior)


DIA 24
Primeiro meio: — A Oração
A oração, feita diretamente pelas almas do Purgatório, é a súplica de um filho a Deus para que se mostre bom e miseri­cordioso.
A uma oração feita assim, no fundo da alma, será Deus insensível?
De mais, a oração, quando parte de um coração puro e é feita com instância, tem por si só, diz S. Tiago, uma força imensa. Eleva-se até o coração de Deus, penetra nesse coração, comove-o, e lhe arranca, de alguma sorte, a despeito de sua justiça, o perdão e a misericórdia.
Portanto, eu rogarei muito a Deus por meus mortos, farei a Deus esta violência que lhe é tão grata.
Entre minhas orações, empregarei, de preferência, as que são indulgenciadas: o Terço, a Via Sacra, invocações espe­ciais… etc.
Uma indulgência é a remissão total ou parcial das penas temporais devidas aos pecados já perdoados quanto à ofensa e à pena eterna: essa remissão é outor­gada pela Igreja, que recebeu de seu di­vino Fundador o poder de fazê-lo pela aplicação dos méritos superabundantes do mesmo Jesus Cristo e dos Santos.
Aos que vivem neste mundo, como ain­da estão sob a jurisdição do Papa, é este quem aplica as indulgências a modo de absolvição por força destas palavras de Jesus Cristo: «Tudo o que remitirdes na terra será remitido no Céu.» Quanto aos mortos, não estando mais sob essa juris­dição, as indulgências só lhes são aplica­das por modo de sufrágio, isto é, o Papa toma do tesouro da Igreja, formado pelos méritos de Jesus Cristo e dos Santos, o que sua prudência julga conveniente e o faz oferecer pelos fieis, em favor dos de­funtos, a Deus que o aceita em satisfação por eles. Assim, os vivos substituem os mortos em virtude da comunhão, dos san­tos. É o que faz Sto. Tomás dizer que a indulgência não é uma pura remissão, mas uma espécie de resgate.
Doutrina consoladora! Ela me dá oca­sião de ser bom para com os meus defun­tos: incute-me a convicção de que posso acumular para eles, proporciona-me o pra­zer de fazer por eles alguns sacrifícios, e expiar assim a falta de afeição e de re­conhecimento de minha parte que, durante sua vida, lhes foi sem dúvida tão sensível!
Uma indulgência é uma chave que a Igreja me confia para penetrar em seu tesouro, onde estão os méritos de Jesus Cristo e dos Santos, com permissão de retirar a soma que ela mesma indicou; — esta soma de méritos, eu a entrego a Deus para solver as dívidas das almas do Purgatório, e Deus a aceita, aplicando-a na medida que julga de conveniência.
Oh! quanto sois verdadeiramente mãe, vós que nos entregais assim os vossos tesouros: — eu quero, pois, eu vou me aproveitar deles!


__________
Trecho extraído do livro - Mês das Almas do Purgatório - Mons José Basílio Pereira - 10a. Edição - 1943 - Editora Mensageiro da Fé Ltda. - Salvador - Bahia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...