segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Novembro - Mês das Almas do Purgatório - 10

Fonte: Almas devotas
Retirado do livro
Mês das Almas do Purgatório
Mons. José Basílio Pereira
 livro de 1943 
(Transcrito por Carlos A. R. Júnior)



DIA 10
Esperança
Um pensamento sombrio vem, talvez, lançar o terror na alma à hora em que evo­ca a lembrança de seus mortos.
«Ah! diz ela, eu me tranquilizaria, fica­ria em paz e me julgaria feliz, se pudesse contá-lo no Céu, se houvesse falecido cer­cado das preces da Igreja e purificado pe­los últimos sacramentos, Mas ah! morreu de repente, morreu longe do bom Deus a quem tinha esquecido em sua vida inteira!»
Pobre coração aflito, eu vos responderei a isto com as palavras que a Igreja me au­toriza a dizer-vos:
A Igreja não condena definitivamente a ninguém. Baixa decretos para declarações de que uma alma está no Céu e assim po­de ter culto, mas nunca expede nenhum, publicando que uma alma esteja no inferno.
São Francisco de Sales não queria que se desesperasse nunca da conversão dos pecadores até seu último suspiro, e, ainda depois de mortos, não admitia que se jul­gasse mal mesmo dos que tinham levado uma vida irregular, a não ser daqueles cuja condenação consta da Escritura. Alegava como razão disso que nem a primeira gra­ça nem a derradeira, que é a perseverança, se dá por mérito, isto é, ambas são de todo gratuitas. Entendia, portanto, que se devia presumir sempre bem da pessoa que ex­pirava, ainda não sendo sua morte edifi­cante, porque todas as nossas conjecturas só se podem firmar sobre as aparências, e essas, muitas vezes, iludem ainda os mais experientes.
«Entre o último suspiro do moribundo e a eternidade, há um abismo de miseri­córdia, » disse um bispo ilustre. — Passam- se entre Deus e a alma certos mistérios de amor que nós só conheceremos no Céu.
Que precisa este agonizante para obter o perdão? Uma luz que lhe mostre a jus­tiça e a misericórdia divinas; uma luz, ainda rápida como um relâmpago; essa luz pode produzir um sentimento de con­trição e de amor, este sentimento basta para lhe fechar o inferno e abrir o Pur­gatório.
Esta luz é Jesus, apresentando-se àquela alma e dizendo-lhe com um olhar ligeiro como o pensamento: É a mim ou ao demônio que tu queres? e a alma dizendo com a mesma rapidez: A vós, a vós, Se­nhor! e a misericórdia triunfa! Esperai pois, esperai sempre; dirigi vossas pre­ces constantes por esses mortos que vos fazem estar inquietos: ninguém pode cal­cular até que ponto essas preces podem ser atendidas.

__________
Trecho extraído do livro - Mês das Almas do Purgatório - Mons José Basílio Pereira - 10a. Edição - 1943 - Editora Mensageiro da Fé Ltda. - Salvador - Bahia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...