terça-feira, 27 de novembro de 2012

Novembro - Mês das Almas do Purgatório - 23

Fonte: Almas devotas
Retirado do livro
Mês das Almas do Purgatório
Mons. José Basílio Pereira
 livro de 1943 
(Transcrito por Carlos A. R. Júnior)


Meios que nos fornece a Igreja para aliviar as almas do Purgatório
DIA 23
Meios Gerais
Graças, meu Deus, mil graças de terdes em vossa infinita misericórdia permitido a meu coração fazer bem a meus pobres finados e de haverdes multiplicado em redor de mim os meios de fazê-lo.
Esses meios, diz um piedoso autor, são tão numerosos como as pulsações de meu coração, como meus pensamentos, como minhas palavras, meus suspiros, minhas ações, porque não há uma só destas coi­sas que não lhes possa aproveitar.
Um movimento do coração em sua intenção, — um olhar para o Céu em sua lembrança, — um suspiro de piedade por eles, — um pensamento de compaixão so­bre os males que sofrem, — os nomes de Jesus e de Maria pronunciados com devo­ção em seu favor,—a menor obra boa em recordação deles, — diminuem certamente suas penas, contanto que a caridade tenha parte nisso e que esteja em estado de graça aquele que pensa neles e por eles trabalha.
Realmente custa-nos muito pouco su­fragar os defuntos. Somos obrigados a fazer certas orações, quer em particular, quer em público, — a assistir à santa Missa, ao menos nos domingos e festas de pre­ceitos, — a aproximar-nos dos sacramen­tos em certas épocas, a fazer alguns jejuns e esmolas, — a perdoar aos nossos inimi­gos. — Tudo isto, se, estando na graça de Deus, o oferecemos pelas almas do Pur­gatório, é aceito por Deus e serve para alívio delas.
E os males de todos os dias? os dissa­bores que perturbam quase continuamente nossa vida, — a fadiga do trabalho obrigatório, — as enfermidades enviadas discre­tamente por Deus, — as humilhações ime­recidas, a intempérie inevitável das esta­ções, a tarefa de suportar os humores e caprichos dos que nos rodeiam, tudo isso ainda pode servir para expiar nossos pe­cados e os pecados das pobres almas do Purgatório.
Aceitemos, pois, tudo o que o bom Deus permite, sem murmurar jamais contra ele: todas as manhãs, ofereçamos a Deus, em favor dos nossos finados, todo o bem que pudermos fazer… oh! de que sofri­mentos serão aliviados no Purgatório!
Quão rico é o homem, diz Bossuet, pois que com tão pouco pode ganhar o Céu e fazê-lo ganhar aos outros!

__________
Trecho extraído do livro - Mês das Almas do Purgatório - Mons José Basílio Pereira - 10a. Edição - 1943 - Editora Mensageiro da Fé Ltda. - Salvador - Bahia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...