quinta-feira, 22 de março de 2012

Segunda dezena: A excelência do Santo Rosário nas orações de que é composto

Nota do blogue: Acompanhe este Especial AQUI. 


11ª ROSA

O Credo ou o Símbolo dos Apóstolos que se reza sobre a cruz do Rosário ou do Terço, sendo um sagrado resumo das verdades cristãs, é uma oração de grande mérito, pois que a fé é a base, o fundamento e o começo de todas as virtudes cristãs, de todas as virtudes eternas e de todas as orações agradáveis a Deus. Accedentem ad Deum credere oportet (1). É preciso que aquele que se aproxima de Deus pela oração comece por crer, e quanto maior for a sua fé, tanto mais vigor e mérito terá a sua oração em si mesma e tanta mais glória dará a Deus.

Não me deterei a explicar as palavras do Credo, mas não posso deixar de dizer que estas três primeiras palavras Credo in Deum, Creio em Deus, encerram os atos das três virtudes teologais: a fé, a esperança e a caridade, que têm uma eficácia maravilhosa para santificar a alma e aterrar o demônio. Foi com estas palavras que muitos santos venceram as tentações, particularmente aquelas que são contra a fé, a esperança ou a caridade, tanto durante a sua vida como na hora da morte. Estas foram as últimas palavras que São Pedro, o mártir, escreveu o melhor que pode com o dedo na areia quando, tendo a cabeça fendida em dois por um golpe de espada desferido por um herege, estava prestes a expirar.

Como a fé é a única chave para entrar em todos os mistérios de Jesus e de Maria encerrados no Santo Rosário, convém começá-lo rezando o Credo com grande atenção e devoção; desse modo a fé tornar-se-á mais viva e forte, e o Rosário será mais meritório. É preciso que esta fé seja viva e animada pela caridade, o mesmo é dizer que para bem rezar o Santo Rosário, é preciso estar na graça de Deus ou na procura dessa graça. É preciso que a fé seja forte e constante, o mesmo é dizer que não se deve procurar na prática do Santo Rosário apenas o seu gosto sensível e a sua consolação espiritual, isto é, não se deve abandoná-lo por termos uma tropel de distrações involuntárias no espírito, um desgosto estranho na alma, um tédio opressivo ou um torpor quase contínuo no corpo. Não é preciso gosto, nem consolação, nem suspiros, nem fervor, nem lágrimas, nem aplicação contínua da imaginação, para se rezar o Rosário; a fé pura e a boa intenção bastam. Sola fides sufficit. (2)

12ª ROSA

O Pai-nosso, ou Oração Dominical, tem a sua primeira excelência no seu autor, que não é um homem nem um anjo, mas o Rei dos anjos e dos homens, Jesus Cristo. “Era necessário, diz São Cipriano, que Aquele que vinha dar-nos a vida da graça como Salvador, nos ensinasse a maneira de rezar como Mestre celestial.”

A sabedoria deste divino Mestre manifesta-se bem na ordem, na doçura, na força e na claridade desta divina oração. Ela é curta mas rica em ensinamentos, inteligível para os simples mas cheia de mistérios para os sábios.

O Pai-nosso encerra todos os deveres que devemos ter para com Deus, os atos de todas as virtudes e os pedidos de todas as nossas necessidades espirituais e corporais. Contém, diz Tertuliano, o resumo do Evangelho. Supera, diz Thomas de Kempis, todos os desejos dos santos, contém um resumo de todas as doces sentenças dos salmos e dos cânticos, pede tudo aquilo que nos é necessário, louva a Deus de uma excelente maneira, e eleva a alma da terra ao Céu unindo-a estreitamente com Deus.

São Crisóstomo diz que quem não reza como o divino Mestre rezou e ensinou a rezar não é seu discípulo, e que Deus Pai não escuta com agrado as orações compostas pelo espírito humano, mas antes as do Seu Filho, que Ele nos ensinou.

Deve-se rezar a Oração Dominical com a certeza de que o Pai eterno a acolherá favoravelmente, uma vez que é a oração de Seu Filho, que ele sempre acolhe favoravelmente, e com a certeza de que somos membros de Jesus; pois que pode recusar um Pai tão bom a um pedido tão bem concebido e apoiado sobre os méritos e a recomendação de um tão digno Filho?

Santo Agostinho assegura que o Pai-nosso bem rezado apaga os pecados veniais. O justo tomba sete vezes, a Oração Dominical contém sete pedidos através dos quais ele pode remediar as suas quedas e fortificar-se contra os seus inimigos. É uma oração curta e fácil, afim de que, assim como somos frágeis e sujeitos a muitas misérias, recebamos um mais rápido auxílio rezando-o mais frequentemente e mais devotamente.

Desenganai-vos pois, almas devotas que desprezais a Oração que o próprio Filho de Deus compôs e que recomendou a todos os fiéis; vós que apenas tendes estima pelas orações compostas pelos homens, como se o homem, mesmo o mais esclarecido, soubesse melhor que Jesus Cristo como se deve rezar. Vós procurais nos livros dos homens a maneira como se deve louvar e rezar a Deus, como se tivésseis vergonha de servir-vos daquela que Seu Filho nos prescreveu. Vós vos persuadis que as orações que estão nos livros são para os sábios e para os ricos, e que o Rosário é só para mulheres, para crianças e para o povo, como se os louvores e as orações que vós ledes fossem mais belas e mais agradáveis a Deus do que aquelas que estão contidas na Oração Dominical.

É uma perigosa tentação enfastiarmo-nos da Oração que Jesus nos recomendou para rezar as orações feitas pelos homens. Não que se desaprove aquelas que os santos compuseram para incitar os fiéis a louvar a Deus, mas não se pode admitir que eles as prefiram à Oração que saiu da boca da Sabedoria incarnada, e que deixem a fonte para correr atrás do riacho, e que desdenhem a água clara para beber a água turva. Porque enfim o Rosário, composto da Oração Dominical e da Saudação Angélica, é esta água clara e perpétua que corre da fonte da graça, enquanto que as outras orações que se encontram nos livros não são mais que bem pequenos riachos que dela derivam.

Pode-se chamar ditoso a quem, rezando a Oração do Senhor, pesa atentamente cada palavra; aí ele encontrará tudo o que precisa, tudo o que pode desejar.

Quando se reza esta admirável oração, imediatamente se cativa o coração de Deus invocando-o pelo doce nome de Pai. “Pai Nosso”, o mais terno de todos os pais, todo-poderoso na criação, todo admirável na conservação, todo amável na Sua Providência, infinitamente bom na Redenção. Deus é nosso Pai, nós somos todos irmãos, o Céu é a nossa pátria e a nossa herança. Não nos inspirará isso à fé, ao amor de Deus, ao amor do próximo, e ao desprendimento de todas as coisas terrenas? Amemos pois um tal Pai e digamo-Lhe mil e mil vezes: “Pai nosso que estais nos Céus.” Vós que encheis o Céu e a terra pela imensidão da Vossa essência, que Sóis omnipresente. Vós que estais nos santos por Vossa glória, nos condenados por Vossa justiça, nos justos por Vossa graça, nos pecadores por Vossa paciência que lhes suporta as traições, fazei com que nos lembremos sempre da nossa celeste origem, que vivamos sempre como Vossos verdadeiros filhos; que tendamos sempre somente para Vós com todo o ardor da nossa vontade.

“Santificado seja o Vosso nome.” O nome do Senhor é santo e temível, diz o rei profeta, e no Céu, segundo Isaías, ressoam louvores que os serafins não cessam de prestar à santidade do Senhor, Deus dos exércitos. Aqui se pede que toda a Terra conheça e adore os atributos deste Deus tão grande e tão santo. Que Ele seja conhecido, amado e adorado pelos pagãos, pelos turcos, pelos judeus, pelos bárbaros e por todos os infiéis. Que todos os homens O sirvam e O glorifiquem com uma fé viva, uma esperança firme, uma caridade ardente, e na renúncia a toda a mentira. Em uma palavra, que todos os homens sejam santos porque Ele próprio é santo.

“Venha a nós o Vosso reino.” O mesmo é dizer que reineis em nossas almas por Vossa graça, durante a vida, afim que mereçamos, após a nossa morte, reinar convosco em Vosso Reino, que é a soberana e eterna felicidade; felicidade na qual cremos, esperamos e desejamos, e que nos está prometida pela bondade do Pai, que nos foi adquirida pelos méritos do Filho e que nos é revelada pelas luzes do Espírito Santo.

“Seja feita a Vossa vontade assim na Terra como no Céu.” De fato, nada pode afastar-se às disposições da Providência que tudo previu e dispôs antes dos acontecimentos. Nenhum obstáculo pode afastá-lO do fim a que se propôs, e quando pedimos a Deus que Sua vontade seja feita, não é porque creiamos, diz Tertuliano, que alguém se possa opor com sucesso à execução dos Seus desígnios, mas que aquiescemos humildemente a tudo aquilo que possa ordenar a nosso respeito; que cumprimos sempre e em todas as coisas Sua santíssima vontade, que nos é conhecida pelos mandamentos, com tanta prontidão, amor e constância, quanto os anjos e os bem-aventurados Lhe obedecem no céu.

“O pão nosso de cada dia nos dai hoje.” Jesus Cristo ensina-nos a pedir a Deus tudo o que é necessário à vida do corpo e à vida da alma. Com estas palavras da Oração Dominical, fazemos a humilde confissão da nossa miséria e rendemos homenagem à Providência, declarando que cremos e queremos obter da sua bondade todos os bens temporais. Sob o nome de pão nós pedimos o que é simplesmente necessário à vida, o supérfluo não está contido. Este pão pedimo-lo hoje, o mesmo é dizer que limitamos ao presente todos os nossos cuidados, confiando à Providência o amanhã. Pedimos o pão de cada dia, confessando assim nossas necessidades que sempre renascem e mostrando a contínua dependência em que estamos da protecção e do socorro de Deus.

“Perdoai-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores.” Nossos pecados, diziam Santo Agostinho e Tertuliano, são dívidas que contraímos para com Deus, e Sua justiça exige o pagamento até ao último óbolo. Portanto temos todas essas tristes dívidas. Malgrado o nome das nossas iniquidades, aproximemo-nos pois d’Ele com confiança e digamo-Lhe com verdadeiro arrependimento: Pai nosso que estais nos céus, perdoai-nos os pecados do nosso coração e da nossa boca, os pecados de atos ou de omissões que nos tornam infinitamente culpados aos olhos de Vossa justiça, porque como filhos de um pai clemente e misericordioso, perdoamos por obediência e por caridade àqueles que nos ofendem.

“E não nos deixeis” por causa da nossa infidelidade às vossas graças, “cair em tentação” do mundo, do demônio e da carne; “mas livrai-nos do mal”, que é o pecado, do mal das penas temporais e das penas eternas, que fizemos por merecer.

“Amém”. Palavra de uma grande consolação, que é, diz São Jerônimo, como um selo que Deus põe no fim dos nossos pedidos para nos assegurar de que nos escutou, como se Ele mesmo nos respondesse: Assim seja!!! Que seja feito como pedistes, em verdade o haveis obtido, pois tal é o significado desta palavra: Amém.

13ª ROSA

Nós honramos as perfeições de Deus rezando cada palavra da Oração Dominical. Honramos a sua fecundidade com o nome de Pai. Pai que geraste desde a eternidade um Filho que é Deus convosco, eterno, consubstancial, que é uma mesma essência, uma mesma potência, uma mesma bondade, uma mesma sabedoria convosco, Pai e Filho, que, amando-vos, produzis o Espírito Santo, que é Deus como Vós, três pessoas adoráveis, que são um só Deus.

Pai nosso! O mesmo é dizer, Pai dos homens pela criação, pela conservação e pela redenção, Pai misericordioso dos pecadores, Pai amigo dos justos, Pai magnífico dos bem-aventurados.

Que estais. Por estas palavras adoramos a infinidade, a grandeza, a plenitude da essência de Deus, que se chama verdadeiramente Aquele que é, o mesmo é dizer, que existe essencialmente, necessariamente e eternamente, que é o Ser dos seres, a causa de todos os seres. Que encerra eminentemente em Si mesmo as perfeições de todos os seres; que está em todos os seres pela sua essência, pela sua presença e pela sua potência, sem a eles estar confinado. Nós honramos a Sua sublimidade, a Sua glória e a Sua majestade com estas palavras: Que estais nos Céus, o mesmo é dizer sentado como em Vosso trono, exercendo Vossa justiça sobre todos os homens.

Nós adoramos a Sua santidade desejando que o Seu nome seja santificado. Reconhecemos a sua soberania e a justiça de Suas leis, ansiando a chegada do Seu Reino, e esperando que os homens Lhe obedeçam sobre a terra como os anjos Lhe obedecem no Céu. Cremos na Sua Providência, rezando que nos dê o nosso pão de cada dia. Invocamos a Sua clemência, pedindo-Lhe a remissão dos nossos pecados. Recorremos à Sua potência, rezando para que não nos deixe cair em tentação. Confiamo-nos à Sua bondade, esperando que nos livre do mal. O Filho de Deus sempre glorificou Seu Pai com Suas obras. Ele veio ao mundo para que O glorifiquem os homens. Ele lhes ensinou a maneira de honrá-lO, através desta Oração que Ele se dignou a ditar-lhes Ele mesmo. Nós devemos pois rezá-la frequentemente com atenção e com o mesmo espírito com que Ele a compôs.

14ª ROSA

Quando rezamos atentamente esta divina Oração, fazemos tantos atos das mais nobres virtudes cristãs quantas as palavras que pronunciamos. Dizendo “Pai nosso que estais nos Céus”, praticamos actos de fé, de adoração e de humildade. Desejando que Seu nome seja santificado e glorificado, mostramos um zelo ardente pela sua glória.

Pedindo-Lhe a possessão do Seu Reino, praticamos um ato de esperança. Ansiando que Sua vontade seja cumprida assim na Terra como no Céu, mostramos um espírito de perfeita obediência. Pedindo-Lhe nosso pão de cada dia, praticamos a pobreza de espírito e o desprendimento dos bens terrenos. Rogando-Lhe que nos perdoe os pecados, praticamos um ato de arrependimento; e perdoando àqueles que nos ofenderam, exercemos a misericórdia na mais alta perfeição. Pedindo-Lhe socorro nas tentações, praticamos atos de humildade, de prudência e de força. Esperando que nos livre do mal, praticamos a paciência. E por fim, pedindo todas estas coisas, não apenas para nós, mas também para o nosso próximo e para todos os membros da Igreja, fazemos o dever de verdadeiros filhos de Deus, imitamo-lO na caridade que abrange todo os homens e cumprimos o mandamento de amar o próximo.

Nós detestamos todos os pecados e observamos todos os mandamentos de Deus, quando rezando esta Oração o nosso coração está de acordo com a nossa língua, e não temos nenhuma intenção contrária ao sentido destas divinas palavras. Pois quando refletimos que Deus está no Céu, o mesmo é dizer infinitamente elevado acima de nós por Sua grandeza e majestade, entramos nos sentimentos do mais profundo respeito em Sua presença. Todos cheios de temor, fugimos do orgulho e rebatemo-nos quase até ao nada.

Quando pronunciamos o nome do Pai, lembramo-nos que devemos a nossa existência a Deus, por meio dos nossos pais, e mesmo a nossa instrução por meio dos nossos mestres, que tomam aqui o lugar de Deus, do qual são imagens vivas, sentindo-nos obrigados a honrá-los ou, para dizer melhor, a honrar a Deus em suas pessoas, e nos guardamos de desprezá-los e afligi-los.

Quando desejamos que o santo Nome de Deus seja glorificado, estamos bem guardados de o profanar. Quando vemos o reino de Deus como nossa herança, renunciamos a prendermo-nos aos bens deste mundo. Quando pedimos sinceramente para o nosso próximo os mesmo bens que desejamos para nós mesmos, renunciamos ao ódio, às discórdias e à inveja. Pedindo a Deus o nosso pão de cada dia, detestamos a gula e a voluptuosidade que se alimenta da abundância. Rezando a Deus que verdadeiramente nos perdoe, como perdoamos àqueles que nos ofendem, reprimimos a nossa cólera e a nossa vingança, trocamos o bem pelo mal e amamos os nossos inimigos. Pedindo a Deus que não nos deixe cair em pecado no momento da tentação, mostramos que fugimos da preguiça, que procuramos os meios de combater os vícios e de conseguir a nossa salvação. Rezando a Deus que nos livre do mal, cremos em sua justiça, e somos ditosos, pois o temor a Deus é o começo da sabedoria; é pelo temor a Deus que todo o homem evita o pecado.

15ª ROSA

A Saudação Angélica é tão sublime, tão elevada, que o bem-aventurado Alain de la Roche creu que nenhuma criatura podia compreendê-la e que não existiria ninguém além de Jesus Cristo, nascido da Virgem Maria, que pudesse explicá-la.

A sua excelência vem principalmente da Santíssima Virgem a quem foi endereçada; do seu fim, que foi a Incarnação do Verbo para o qual foi enviada do Céu; e do arcanjo Gabriel que foi o primeiro a pronunciá-la.

A Saudação Angélica resume na síntese mais concisa toda a teologia cristã sobre a Santíssima Virgem. Aí se encontra um louvor e uma invocação. O louvor encerra tudo o que forma a verdadeira grandeza de Maria; a invocação encerra tudo o que lhe devemos pedir, e o que podemos esperar da sua bondade para connosco. 

A Santíssima Trindade revelou a primeira parte; Santa Isabel, iluminada pelo Espírito Santo, juntou a segunda; e a Igreja, no Primeiro Concílio de Éfeso, no ano 430, pôs-lhe a conclusão, após ter condenado o erro de Nestorius e definido que a Santíssima Virgem é verdadeiramente Mãe de Deus. O Concílio ordenou que se invocaria a Santíssima Virgem sob este glorioso título com estas palavras: Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte.

A Santíssima Virgem foi aquela a quem esta divina Saudação foi apresentada para levar a cabo a maior e mais importante tarefa do mundo, a incarnação do verbo eterno, a paz entre Deus e os homens e a redenção do gênero humano. O embaixador desta ditosa nova foi o arcanjo Gabriel, um dos primeiros príncipes da corte celeste. A Saudação Angélica contém a fé e a esperança dos patriarcas, dos profetas e dos apóstolos. Ela é a constância e a força dos mártires, a ciência dos doutores, a perseverança dos confessores e a vida dos religiosos. Ela é o cântico novo da lei da graça, a alegria dos anjos e dos homens, o terror e a confusão dos demônios.

Pela Saudação Angélica, Deus fez-se homem, uma Virgem tornou-se Mãe de Deus, as almas dos justos foram libertadas do limbo, as ruínas do céu foram reparadas e os tronos vazios encheram-se, o pecado foi perdoado, a graça foi-nos dada, os doentes foram curados, os mortos ressuscitados, os exilados chamados, a Santíssima Trindade foi apaziguada, e os homens obtiveram a vida eterna. Enfim, a Saudação Angélica é o arco-íris, o símbolo da clemência e da graça dadas ao mundo por Deus.

16ª ROSA

Apesar de não existir nada tão grande como a majestade divina nem nada tão abjeto como o homem considerado como pecador, esta suprema Majestade não desdenha apesar disso as nossas homenagens, e compraz-se quando cantamos Seus louvores. E a Saudação Angélica é um dos mais belos cânticos que podemos dirigir à glória do Altíssimo. Canticum novum cantabo tibi (3): “Cantar-vos-ei um cântico novo.” Este cântico novo que David predisse que se cantaria na vinda do Messias, é a Saudação do arcanjo.

Há um cântico antigo e um cântico novo. O antigo é aquele que os Israelitas cantaram em reconhecimento da criação, da conservação, da libertação do seu cativeiro, da passagem do Mar Vermelho, do maná e de todas as outras dádivas do Céu. O cântico novo é aquele que os cristãos cantam em ação de graças da Incarnação e da Redenção. Como esses prodígios se realizaram pela Saudação Angélica, repetimos essa mesma saudação para agradecer à Santíssima Trindade esses bens inestimáveis. Louvamos a Deus Pai porque Ele amou tanto o mundo que lhe deu o Seu Filho único para o salvar. Bendizemos o Filho porque desceu dos Céus à terra, porque Se fez homem e porque nos redimiu. E glorificamos o Espírito Santo porque concebeu no seio da Santíssima Virgem esse corpo puríssimo que foi a vítima dos nossos pecados. É neste espírito de reconhecimento que devemos rezar a Saudação Angélica, produzindo atos de fé, de esperança, de amor e de ação de graças para benefício da nossa salvação.

Apesar deste cântico novo se dirigir diretamente à Mãe de Deus e conter seus louvores, é apesar disso muito glorioso para a Santíssima Trindade, porque toda a honra que prestamos à Santíssima Virgem volta para Deus como causa de todas as Suas perfeições e de todas as Suas virtudes. Deus Pai é glorificado porque honramos a mais perfeita das Suas criaturas. O Filho é glorificado porque louvamos Sua puríssima Mãe. E o Espírito Santo é glorificado porque admiramos as graças com que Ele dotou a Sua esposa.

Do mesmo modo que a Santíssima Virgem, com o seu belo Magnificat, devolveu a Deus os louvores e as bênçãos que Lhe prestara Santa Isabel por Sua eminente dignidade de Mãe do Senhor, assim Ela devolve prontamente a Deus os louvores e as bênçãos que Lhe prestamos através da Saudação Angélica.

Se a Saudação Angélica presta glória à Santíssima Trindade, ela é também o louvor mais perfeito que podemos dirigir a Maria.

Santa Matilde, desejando saber por que meio poderia testemunhar melhor a ternura da sua devoção à Mãe de Deus, foi arrebatada em espírito, e nesse arrebatamento a Santíssima Virgem apareceu-lhe, trazendo sobre o seio a Saudação Angélica escrita em letras de ouro, e disse-lhe: “Sabe, minha filha, que ninguém me pode honrar com uma saudação mais agradável que aquela que me ofereceu a Beatíssima Trindade e pela qual me elevou à dignidade de Mãe de Deus. Pela palavra “Ave”, que é o nome de Eva, percebi que Deus, por Sua omnipotência, me preservara de todo o pecado e das misérias às quais a primeira mulher foi sujeita. O nome de “Maria”, que significa “senhora de luz”, mostra que Deus me encheu de sabedoria e de luz, como um astro brilhante, para iluminar o céu e a terra. As palavras “cheia de graça”, revelam que o Espírito Santo me bafejou de tantas graças, que posso comunicá-las abundantemente a quem as pedir por meu intermédio. Dizendo “o senhor esteja convosco”, recorda-me a alegria inefável que senti quando o Verbo eterno se incarnou em meu seio. Quando dizem: “bendita sois vós entre as mulheres”, louvo a divina misericórdia que me elevou a este alto estado de felicidade. A estas palavras: “bendito o fruto de vosso ventre”, todo o céu rejubila comigo por ver Jesus, meu Filho, adorado e glorificado por ter sido salvação para os homens.”

17ª ROSA

Entre as coisas admiráveis que a Santíssima Virgem revelou ao bem-aventurado Alain de la Roche (e sabemos que este grande devoto de Maria confirmou com juramento as suas revelações), há três mais dignas de destaque: a primeira, que é um sinal provável e próximo da condenação eterna ter menosprezo, tibieza e aversão pela Saudação Angélica que reparou o mundo; a segunda, que aqueles que têm devoção por esta divina Saudação carregam um grande sinal de predestinação; terceira, que aqueles que receberam do Céu o favor de amar a Santíssima Virgem e de servi-lA com afeto, devem ser extremamente cautelosos de continuar a amá-lA e a servi-lA até que Ela os coloque no Céu por Seu Filho no grau de glória conveniente a Seus méritos.

Todos os hereges, que são filhos do diabo e que carregam as marcas evidentes de condenação, têm horror à Ave-maria; eles ainda aprendem o Pai-nosso, mas não a Ave-maria, e prefeririam carregar sobre si uma serpente a trazer consigo um rosário.

Entre os católicos, aqueles que carregam a marca de condenação não se importam quase nada com o Terço nem com o Rosário, são negligentes ao rezá-lo ou rezam-no com tibieza e apressadamente. Ainda que eu não aceitasse com fé piedosa o que foi revelado ao bem-aventurado Alain de la Roche, a minha experiência bastar-me-ia para estar persuadido desta verdade simultaneamente terrível e doce. Não percebo, e nem mesmo vejo com clareza, como uma devoção tão pequena na aparência seja sinal infalível da salvação eterna, e a sua ausência sinal de condenação, contudo nada há mais certo.

Nós mesmos vemos que os que professam as novas doutrinas de nossos dias, condenadas pela Igreja, com toda a sua piedade aparente, desprezam bastante a devoção do Terço e do Rosário e com frequência o eliminam do espírito e do coração daqueles ou daquelas que deles se aproximam, sob os melhores pretextos do mundo. Eles evitam condenar abertamente, como os calvinistas, o Terço, o Rosário e o Escapulário, mas a sua maneira de conduzir-se é tanto mais perniciosa quanto é sutil. Disso falaremos já de seguida.

A Ave-maria, o Rosário ou o Terço, é a minha oração e a minha segura pedra de toque para distinguir aqueles que são conduzidos pelo Espírito de Deus daqueles que estão sob a ilusão do espírito maligno. Eu conheci almas que parecia que voavam, como águias, até às nuvens pela sua sublime contemplação, e que contudo eram desgraçadamente enganadas pelo demónio. Só descobri e percebi suas ilusões quando as vi rejeitar a Ave-maria e o Rosário como lhes sendo inferiores.

A Ave-maria é um orvalho celeste e divino que, caindo na alma de um predestinado, lhe comunica uma fecundidade admirável para produzir toda a espécie de virtudes, e quanto mais a alma é regada por esta oração, mais ela se torna iluminada no espírito, abrasada no coração e fortificada contra todos os seus inimigos.

A Ave-maria é um dardo penetrante e inflamado que, unido por um pregador à palavra de Deus que anuncia, lhe dá a força de penetrar, de tocar e de converter os corações mais endurecidos, ainda que ele não tenha grande talento natural para a pregação.

Foi este o dardo secreto que a Santíssima Virgem, como já disse, ensinou a São Domingos e ao bem-aventurado Alain, para converter os hereges e os pecadores. É daí que vem a prática dos pregadores de rezar uma Ave-maria no principio dos seus sermões, como assegura Santo Antonino.

18ª ROSA

Esta divina Saudação lança sobre nós a bênção de Jesus e de Maria, pois é um princípio infalível que Jesus e Maria recompensam magnificamente aqueles que os glorificam; eles devolvem em cêntuplo as bênçãos que recebem. Ego diligentes me diligo... ut ditem diligentes me et thesauros eorum repleam.(4) É o que dizem claramente Jesus e Maria: “Amo os que me amam... e acumulo seus tesouros.” – Qui seminat in benedictionibus, in benedictionibus et metet (5): “Aquele que semeia em profusão, em profusão ceifará.”

Ora bem, não é amar, bendizer e glorificar Jesus e Maria rezar devidamente a Saudação Angélica? Em cada Ave-maria, oferecemos uma dupla bênção a Jesus e a Maria. Bendita sois Vós entre as mulheres e bendito o fruto de Vosso ventre, Jesus. Por cada Ave-Maria, prestamos a Maria a mesma honra que Deus Lhe prestou saudando-A através do arcanjo Gabriel. Quem pode crer que Jesus e Maria que fazem o bem frequentemente àqueles que os maldizem, lancem Suas maldições àqueles e aquelas que Os bendizem e Os honram com a Ave-maria?

A rainha dos Céus, diz São Bernardo e São Boaventura, não é menos agradecida e cortês que as pessoa de alta condição deste mundo; Ela suplanta-os mesmo nessa virtude como em toda as outras perfeições, e não deixará pois que a honremos com respeito sem que nos retribua em cêntuplo. Maria, diz São Boaventura, saúda-nos com a graça, se a saudarmos com a Ave-maria: Ipsa salutabit nos cum gratia si salutaverimus eam cum Ave Maria.

Quem poderá compreender as graças e as bênçãos que operam em nós as saudações e os olhares benignos da Santíssima Virgem?

No momento em que Santa Isabel ouviu a saudação que Lhe fez a Mãe de Deus, Ela encheu-Se do Espírito Santo, e a criança em Seu seio saltou de alegria. Se nos fazemos dignos da saudação e da bênção recíproca da Santíssima Virgem, sem dúvida seremos cheios de graça e uma torrente de consolações espirituais inundará as nossas almas.

19ª ROSA

Está escrito: “Dai, e dar-se-vos-á.(6) Vejamos a comparação do Bem-aventurado Alain: “Se eu vos desse diariamente cento e cinquenta diamantes, quando fosseis meus inimigos não me perdoaríeis? Não me daríeis como a um amigo todas as graças que vos fossem possíveis? Quereis enriquecer com bens de graça e de glória? Saudai a Santíssima Virgem, honrai vossa boa Mãe.”

Sicut qui thesaurizat, ita et qui honorificat matrem. (7) Quem honra sua mãe é semelhante àquele que acumula um tesouro.

Presenteai-a cada dia com pelo menos cinquenta Ave-marias as quais, cada uma, contém quinze pedras preciosas, que Lhe são mais agradáveis que todas as riquezas da terra. O que não podereis esperar da Sua bondade? Ela é nossa Mãe e nossa amiga. Ela é a imperatriz do universo que nos ama mais que todas as mães e rainhas juntas alguma vez amaram a um homem, pois, diz Santo Agostinho, a caridade da Santíssima Virgem excede todo o amor natural de todos os homens e de todos os anjos.

Um dia, Nosso Senhor apareceu a Santa Gertrudes contando moedas de ouro; ela teve a curiosidade de Lhe perguntar o que contava. “Conto, respondeu-lhe Jesus, as tuas Ave-Marias, que é a moeda com que se compra o meu Paraíso.”

O devoto e douto Suarez, da companhia de Jesus, estimava tanto o mérito da Saudação Angélica, que dizia que com gosto daria toda a sua ciência em troca de uma Ave-Maria bem rezada.

O Bem-aventurado Alain de la Roche dirigiu-se assim à Santíssima Virgem: “Que aquele que Vos ame, ó divina Maria, escute isto e o saboreie. O Céu rejubila de alegria, a terra enche-se de admiração, todas a vezes que digo “Ave Maria”; eu desprezo as coisas do mundo, tenho o amor de Deus em meu coração, quando digo “Ave Maria”; meus receios desvanecem-se, minhas paixões mortificam-se, quando digo “Ave Maria”; creio com devoção, encontro a compunção, quando digo “Ave Maria”; minha esperança confirma-se, minha consolação aumenta, quando digo “Ave Maria”; meu espírito rejubila, minhas tristezas dissipam-se, quando digo “Ave Maria”; pois a doçura desta afável saudação é tão grande que não existem termos para explicá-la como é preciso, e após se terem dito suas maravilhas, ela permanece ainda tão escondida e tão profunda que não se pode descobrir. Ela é parca em palavras, mas grande em mistérios; é mais doce que mel e mais preciosa que o ouro; é preciso tê-la no coração para a meditar, e na boca para lê-la e repeti-la devotamente.”

"Auscultet tui nominis amator, o Maria, coelum gaudet, omnis terra stupet cum dico Ave Maria; Satan fugit, infernus contremiscit, cum dico Ave Maria; mundus vilescit, cor in amore liquescit, cum dico Ave Maria; terror evanescit, caro marcescit, cum dico Ave Maria; crescit devotio, oritur compunctio, cum dico Ave Maria; spes proficit, augetur consolatio, cum dico Ave Maria; recreatur animus, et in bono confortatur aeger affectus, cum dico Ave Maria. Siquidem tanta suavitas hujus benignae salutationis, ut humanis non possit explicari verbis, sed semper manet altior et profundior quam omnis creatura indagare sufficiat. Haec oratio parva est verbis, alta mysteriis, brevis sermone, alta virtute, super mel dulcis, super aurum pretiosa; ore cordis est jugiter ruminanda labiisque puris frequentissime legenda ac devote repetenda."

O mesmo Bem-aventurado Alain conta, no capítulo 69 do seu saltério, que uma religiosa muito devota do Rosário apareceu depois de morta a uma de suas irmãs e lhe disse: “Se eu pudesse retornar ao meu corpo para dizer apenas uma Ave-maria, ainda que sem grande fervor, para ter o mérito dessa oração, sofreria voluntariamente de novo todas as dores que sofri antes de morrer.” É preciso sublinhar que ela sofreu durante anos antes muitas dores violentas deitada em seu leito.

Michel de Lisle, bispo de Salubre, discípulo e colega do Bem-aventurado Alain de la Roche no restabelecimento do Santo Rosário, disse que a Saudação Angélica é o remédio para todos os males que nos afligem, contanto que a rezemos devotamente em honra da Santíssima Virgem.

20ª ROSA

Breve explicação da Ave Maria.

Estais na miséria do pecado? Invocai a divina Mãe, dizei-Lhe: Ave, que quer dizer: eu Vos saúdo com profundo respeito, ó Vós que sóis sem pecado e sem desgraça. Ela livrar-vos-á do mal dos vossos pecados.

Estais nas trevas da ignorância ou do erro? Vinde a Maria, dizei-Lhe: Ave Maria, o mesmo é dizer iluminada pelos raios do sol de justiça; e Ela tornar-vos-á participantes na Sua luz.

Estais afastados do caminho do Céu? Invocai Maria, que quer dizer: estrela do mar e estrela polar que guia nossa navegação neste mundo, e Ela conduzir-vos-á ao porto de salvação eterna.

Estais aflitos? Recorrei a Maria que quer dizer: mar amargo que foi cheio de amargura neste mundo e que se tornou agora num mar de puras doçuras no Céu; Ela converterá vossa tristeza em alegria e vossas aflições em consolações.

Haveis perdido a graça? Honrai a abundância das graças com que Deus encheu a Santíssima Virgem, dizei-Lhe: “Cheia de graça” e de todos os dons do Espírito Santo, e ela dar-vos-á as Suas graças.

Estais sós, privados da proteção de Deus, dirigi-vos a Maria, dizei-lhe: “O Senhor é convosco” mais nobremente e intimamente que nos justos e nos santos, pois Vós sóis uma mesma coisa com Ele; sendo Vosso Filho, Sua carne é Vossa carne, Vós estais com o Senhor por uma perfeita semelhança e por uma mútua caridade, pois sois Sua Mãe. Dizei-Lhe enfim: Toda a Santíssima Trindade está conVosco pois sois o Seu Templo precioso; e Ela colocar-vos-á sob a protecção e a salvaguarda de Deus.

Haveis-vos tornado objeto da maldição de Deus? Dizei: “Bendita sois Vós entre as mulheres” e sobre todas as nações, por Vossa pureza e fecundidade; Vós haveis mudado a maldição divina em bênção; e Ela abençoar-vos-á.

Tendes fome do pão da graça e do pão da vida? Aproximai-vos dAquela que carregou o pão vivo que desceu do Céu, dizei-Lhe: “Bendito o fruto de Vosso ventre”, o qual haveis concebido sem detrimento algum de Vossa virgindade, carregado sem trabalho e dado à luz sem dor. Bendito seja “Jesus”, que resgatou o mundo cativo, curou o mundo doente, ressuscitou o homem morto, libertou o desterrado, justificou o criminoso, salvou o condenado. Sem dúvida vossa alma será saciada do pão da graça nesta vida e da glória eterna na outra. Amém.

Terminai vossa oração com a Igreja e dizei: “Santa Maria”, santa em corpo e em alma, santa por uma dedicação singular e eterna ao serviço de Deus, santa na qualidade de Mãe de Deus que vos dotou de uma eminente santidade, como convinha a tão infinita dignidade.

“Mãe de Deus”, que sois também nossa Mãe, nossa Advogada e Mediadora, Tesoureira e Distribuidora das graças de Deus, procurai-nos prontamente o perdão de nossos pecados e nossa reconciliação com a divina Majestade.

“Rogai por nós pecadores”, Vós que sois cheia de compaixão pelos miseráveis, que não desprezais nem afastais os pecadores, sem os quais não seríeis a Mãe do Salvador.

“Agora”, durante o tempo desta vida curta, frágil e miserável; pois só nos pertence este momento presente, agora que somos atacados e rodeados noite e dia de inimigo poderosos e cruéis.

“E na hora de nossa morte”, tão terrível e tão perigosa, em que nossas forças estarão esgotadas, em que nossos espíritos e nossos corpos estarão abatidos pela dor e pelo sofrimento; na hora de nossa morte em que Satã redobra os seus esforços afim de nos perder para sempre; nessa hora que será a da decisão da nossa sorte para toda a eternidade ditosa ou desgraçada. Vinde em socorro de vossos pobres filhos, ó Mãe compassiva, ó advogada e refúgio dos pecadores, afastai de nós, na hora da morte, os demônios acusadores e nossos inimigos, cujo aspecto horroroso nos assustará. Vinde iluminar-nos nas trevas da morte. Conduzi-nos, acompanhai-nos ao tribunal de nosso juiz, vosso Filho; intercedei por nós, afim de que Ele nos perdoe e nos receba no número dos Seus eleitos na mansão da glória eterna. Assim seja. “Amém”.

Quem não admirará a excelência do Santo Rosário, composto destas duas divinas partes: a Oração Dominical e a Saudação Angélica? Existe oração mais agradável a Deus e à Virgem Santíssima, mais fácil, mais doce e mais salutar aos homens? Tenhamo-la sempre no coração e na boca para honrar a Santíssima Trindade, Jesus Cristo nosso Salvador e Sua Santíssima Mãe. Além disso, ao fim de cada dezena, é conveniente juntar um Glória, o mesmo é dizer: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre, por todos os séculos dos séculos.

Amém.

Notas:

(1) Heb 11: 6 “Para se chegar a Deus é necessário que se creia.”
(2) Pange Lingua
(3) Salmos 143: 9
(4) Pr 8: 17, 21
(5) 2 Coríntios 9: 6
(6) Lucas 6: 38
(7) Sir 3: 5
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...