quinta-feira, 19 de maio de 2016

5. CONHECER E COMPREENDER A PSICOLOGIA DO VOSSO FILHO

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.


5.     CONHECER E COMPREENDER A PSICOLOGIA DO VOSSO FILHO

Há um conhecimento da criança que é essencialmente o fruto do amor, de um amor atento e desinteressado.
• Para conhecer uma criança é preciso viver sua vida, comungar com ela por uma perpétua simpatia, sentir o que ela sente, experimentar todas as suas disposições, adivinhar todas as suas tendências, compreendê-la por dentro.
• A mamãe deve observar, deve procurar compreender seu filho. Para isso muito a ajudará a intuição. Com maior proveito ainda, ajudá-la-á um estudo elementar da psicologia, ciência que realizou progressos consideráveis no curso do século atual, e que não deve ser desdenhada.[1]
• Do nascimento aos 18 anos, as metamorfoses, quer interiores, quer exteriores, se sucedem tão rapidamente que os pais mal podem sintonizar a mesma onda com a realidade sempre nova e sempre movediça que têm à sua frente.
O perigo de ilusão é considerável, porque todo erro grave e repetido de psicologia se traduz na criança por uma concentração em si mesma ou um desdobramento de sua personalidade. Seu “eu” superficial coloca uma tela sobre o seu “eu” profundo. As falhas de desconfiança e de incompreensão mútuas se alargam mesmo sob aparências conformistas que tranquilizam e adormecem. Quantas pontes de neve ocultam fendas! Elas apenas surgem escancaradas em certas horas de crise. Existem pais que disso nunca se apercebem.
• Cada criança tem a sua personalidade que a diferencia da de outra, seu gênio próprio, sua missão insubstituível na terra, seu nome divino.
Ignorá-lo é arriscar-se a tratá-la como um número, um ser anônimo, uma matéria banal a introduzir num mundo vago e em contradição com o seu elemento vital, havendo o perigo de a esvaziar de sua originalidade legítima ou produzir, com um choque de retorno, a explosão de uma revolta, logo que as circunstâncias favoráveis restituírem a liberdade às suas energias por longo tempo comprimidas.
• É sobretudo nos momentos em que a criança está no seu melhor estado natural que se torna preciso observá-la: nos seus brinquedos, à mesa, em meio a seus objetos familiares, quando deve escolher alguma coisa, quando ouve uma história, quando se encontra em companhia de camaradas...
Assim, descobrireis o guloso ou o egoísta sempre primeiro a servir-se; o caprichoso que não pode brincar cinco minutos consecutivos no mesmo jogo, o trapaceiro que busca fraudar a regra, o chefe que tem iniciativa e sabe dirigir os outros, o mau caráter que “manda tudo passear” por um nada, o rotineiro que faz construções sempre semelhantes com os seus cubos, por falta de imaginação; o espírito prático que não se deixa desconcertar por coisa alguma e acha sempre o “fio” da meada; o sensível que chora ouvindo a história; o generoso que consola ou que sabe ajudar.
 • Para bem conhecer uma criança é preciso manter contato e conversar com ela. Uma mãe nunca perde tempo quando, à noite, permanece um pouco junto à cama do filho. É preciso saber escutar as suas inúmeras perguntas sem enervar-se, dando-se ao trabalho de responder a elas com carinho. Será esse o meio mais seguro de transmitir muitas idéias, bem como o de manter o laço afetivo que condiciona a confiança e o desabrochar do espírito.
 •O importante é lembrar-se que a criança não reage como uma pessoa adulta. Seu ritmo não é o mesmo. Sua linguagem não tem matizes, seus centros de interesse são completamente diversos. Nela as próprias palavras não despertam os mesmos conteúdos. Donde mal-entendidos e diferenças de perspectiva. Sabê-lo é, em parte, remediar o perigo.
• As crianças não julgam com o espírito de adulto. Esta é uma lei elementar, mas a que todo educador deve estar sempre atento. (A garotinha, diante de uma gravura de cristãos entregues aos leões, exclamava, apontando uma das feras: “Veja esse leãozinho, coitado, que não tem cristão para comer!”)
• A grande arte da educação consiste não somente em pensar na criança, mas pensar com a criança, esforçando-se por assimilar o que se passa na sua cabeça e no seu coração. Isto requer o esquecimento de si mesmo, plasticidade, renúncia e, por conseguinte, muito amor — mas é o segredo do êxito.
• Para que a criança se revele ao seu educador, é preciso que ela possa ser o que é. Certas educações demasiadamente estreitas só servem para martirizá-la, e podem mesmo chegar ao aniquilamento de sua personalidade. Desconfiemos das crianças excessivamente disciplinadas e comportadas, que vivem e agem sob o império do terror!
• A imaginação da criança possui uma força de amplificação que nada freia. As crianças podem passar horas organizando uma segunda existência, entrelaçada à existência real, por elas povoada de personagens com os quais se entretêm; vivem uma aventura que pode adquirir o tom de uma autêntica epopéia. Há perigo quando esses sonhos constituem uma fuga diante de uma educação demasiado severa ou demasiado estreita.
Com as crianças é preciso tomar cuidado para só exigir esforços ao nível, atos à sua medida. Evitai forçar, ordenai os períodos de repouso e de pausa, não estejais sempre “em cima” delas. Não desejeis que os vossos filhos se tornem prodígios. Tende como ambição ajudá-los a se tornar sólidos e equilibrados.
• Por intermédio de papai e mamãe, a criança está ligada a toda uma cadeia de antepassados que lhe transmitem parcialmente — cada um deles acrescentando uma modificação — o que receberam dos outros.
Mas, nunca vos deixeis tentar pela idéia de procurar com quem a criança se parece. A criança é uma pessoa, com caráter pessoal original. Os dados hereditários constituem conjunto de tendências que nunca são absolutas ou necessárias. Liberdade e educação podem utilizá-las, canalizá-las ou neutralizá-las.


[1] Ler na coleção "Psychologie et Éducation" por Guy Jacquin, Les grandes lignes de la psychologie de l’Enfant (Ed. Fleurus).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...