quarta-feira, 23 de maio de 2012

Um padre católico pode e deve falar sobre este assunto (Matrimônio)


Monsenhor Tihamér Tóth

Se até o presente fui, talvez, feliz em mostrar claramente a importância desta questão, sê-lo-ei, ainda, quanto ao dissipar uma dúvida que certamente surgiu no espírito de vários ouvintes:

            A) Um padre católico pode tratar desta questão?
            B) Um padre católico deve ele precisamente falar sobre este assunto?

            A) Quando os meus ouvintes souberem que eu consagrarei todos os sermões do semestre universitário para esta única questão, o estudo do ideal cristão do casamento, perguntarão, certamente, a si mesmos: Será que um padre católico, não vivendo ele mesmo do matrimônio, pode falar destas coisas? Será que ele pode ser nosso guia, a nós que somos casados ou nos preparamos para o ser? Não será uma tarefa impossível o falar do matrimônio, para quem o não conhece pessoalmente?

À primeira vista, isto parece, com efeito, uma empresa impossível. No entanto, não o é.

            a) Recordemo-nos, primeiramente, que se os padres católicos não se casam, eles, contudo, saíram de um matrimônio, e deixaram o lar doméstico para subir ao altar; eles também tiveram pais, recordando-se deles com uma gratidão e um amor eterno; eles também têm irmãos e irmãs que se casam, - eles conhecem, pois, a família e a vida familiar.

Não há porventura ilustres críticos de arte, quando eles mesmos não produziram sequer uma obra-prima? Não conheceis médicos que curam admiravelmente doenças, nunca sofridas por eles? Os psiquiatras não curam doenças mentais, que nunca o atingiram? E os juízes não são eqüitativos nos julgamentos sobre crimes, que eles mesmos nunca cometeram?

            b) Agora volto à objeção, e afirmo que aquele que não vive, ele próprio, no matrimônio, pode discutir muito mais imparcialmente a questão, que o homem casado. Mais imparcialmente, porque vê mais claramente os defeitos das suas partes, e pode examinar mais tranqüilamente suas obrigações, do que aquele que está pessoalmente interessado na questão; mais imparcialmente ainda, porque a experiência pessoal torna muitas vezes difícil um olhar mais aprofundado, e uma apreciação mais objetiva.

            c) Ao contrário, se ao sacerdote falta o terreno da experiência pessoal, encontra ele ensinamentos muito mais abundantes na experiência milenar da Igreja, e na diversidade inesgotável da vida dos fiéis.

A Igreja, em seu ministério pastoral de vinte séculos, adquiriu um juízo tão seguro, pontos de vista tão largos, que ninguém na terra os teve, mesmo aproximadamente, pela sua experiência. De outro lado o pastor de almas, querido pelo seu rebanho, que para ele se volta em suas alegrias e suas penas, conhece ele próprias todas as tristezas, todos os choques, e todos os problemas do casamento, em sua variedade infinita, melhor que qualquer pessoa casada.

Não esqueçamos precisamente a fonte mais rica, em que o padre sorve seus esclarecimentos sobre esta questão: a confiança de seus fiéis. É justamente por ter o padre católico, por amor de Cristo, pelo bem das almas de seus fiéis, renunciado ao casamento, que lhe é assegurada a absoluta confiança de seus fiéis.

Jovens e velhos, casados e solteiros contam-lhe suas penas, suas lutas e suas vitórias, seus cuidados e suas tristezas com tal confiança que a alma do padre conhece melhor, muito melhor, todos os escolhos e recifes, em uma palavra, todos os problemas, como se tivesse ele mesmo uma família. Ele não conheceria, certamente, senão a sua própria família, enquanto agora ele conhece centenas e milhares.

Após isto, creio que não mais se discutirá a possibilidade para um padre católico de encarar esta questão.

            B) Mas tem ele o direito, e mesmo o dever de falar deste problema?

            a) É indubitável que o estudo da questão não é realmente fácil, estando mesmo ligado a detalhes, que não se podem abordar, senão com muita prudência e psicologia. Justamente por isto ela deve ser tratada por sacerdote católico, de quem podemos esperar este tato e esta delicadeza, mais do que por alguém que abordasse brutalmente o mais santo problema da vida.

Por que justamente um sacerdote deva tratar deste assunto? Porque é a Igreja a única que deve falar desta coisa essencialmente santa, e que, de perto, toca a religião.

            b) Ora, o casamento é uma coisa essencialmente santa. Diz um francês espirituoso que "o adjetivo é o inverso do substantivo". Certamente ele queria dizer que há epítetos que, colocados diante de tal ou tal substantivo, fazem desaparecer e enfraquecer a essência da coisa. Ao contrário há, porém, epítetos que, na sua brevidade, esclarecem o pensamento como brilho de um raio no céu. Em 31-12-1930, o Papa Pio XI publicou uma longa Encíclica sobre o casamento, e colocou no frontispício um epíteto que resume com muita felicidade a essência de toda a questão: "Casti connubii"; assim começa a encíclica pontifica! Que epíteto exato: "O casto matrimônio". Com efeito, ou bem o casamento é casto, moral e santo, ou bem não há casamento. Mas se é santo e sacramento, então, compete à Igreja e seus padres tratarem do assunto.

E se Lacordaire disse, um dia, que a união entre o homem e a mulher, isto é, o matrimônio - era uma questão de civilização humana, hoje se pode acrescentar, é uma questão de felicidade na terra e na eternidade. É preciso, pois, tratar realmente desta questão, e dela se ocupar bastante. Pertence primeiramente à Igreja Católica discuti-la com toda a franqueza.

** *

Meus irmãos, diz-se que há pérolas preciosas que perdem, quando nas mãos dos homens, todo o seu brilho, e não o recuperam senão quando são mergulhadas novamente no fundo do mar, nestas profundezas donde nasceram.

A pérola mais preciosa da humanidade, a de maior valor, é a família, porque é de sua força e de sua energia que dependem a força e a energia da sociedade. A vida familiar pode, também, perder o seu brilho e sua força nas mãos do homem, pode mesmo ficar completamente arruinada, e ela não recuperará sua força, enquanto não a recolocarmos em sua fonte primitiva o que se originou: sobre o pedestal de uma concepção séria e religiosa do mundo. Quantas coisas abalaram a família atual: a crise econômica, o trabalho das mulheres e das crianças, a crise da habitação, as privações; o golpe, contudo, mais terrível lhe foi vibrado por este fato doloroso: o de se ter ela afastado de Cristo, pois, uma vez d'Ele afastada, perdeu sua base mais sólida.

Sejamos claros. A família sofre uma crise, mas aí chegou, porque se afastou da fonte da vida, do terreno religioso. A família, realmente, necessita de uma reforma, isto porém não é possível se não lhe dermos mais moral. Há necessidade, para a reabilitação da família, de instituições sociais, de medidas legislativas, e do concurso do Estado, mas tudo isto seria inútil, se esquecêssemos o essencial: elevar novamente a vida de família à altura da moralidade.

Não fujamos à evidência do perigo. Se o ideal cristão do matrimônio e da família não recuperar a supremacia, se a opinião frívola e destrutiva, arraigada nesta questão durante as últimas dezenas de anos, continuar espalhando-se, não só ela prejudicará enormemente a religião, mas tornar-se-á um perigo para a tranqüilidade social e para o desenvolvimento cultural da humanidade.

Eis por que recordarei insistentemente nos sermões que se seguem. O fato de que as leis positivas divinas, no matrimônio, como em todas as outras questões, harmonizam-se perfeitamente com os desejos e as obrigações da natureza humana, e quando o homem as observa, não só obterá a salvação eterna, mas assegurará as bases de uma vida terrestre harmoniosa. Se porém quiser burlá-las abrirá ele mesmo as portas do inferno, e do sofrimento na terra.

Nada mais nos resta, senão levantar uma humilde prece ao Pai celeste, Criador da raça humana, Santo Fundador do matrimônio e da família, que nos assista com Suas graças de luz e de força, durante o curso dos meses, em que evocaremos seu plano sublime. Amém. 

(Casamento e Família por Monsenhor Tihamér Tóth, editora Vozes, 1959)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...