domingo, 26 de fevereiro de 2017

22. EDUCAÇÃO DA LEALDADE - SEGUNDA PARTE

Nota do blogue: Acompanhe esse especial AQUI.




22. EDUCAÇÃO DA LEALDADE


• Não consintamos jamais em mentir a uma criança, a fim de que nos conte o que queremos saber. Evitemos, mesmo diante dela, as mentiras pseudo-caridosas, seja para convencê-la a tomar um remédio, seja para evitar-lhe o castigo na escola. 
Nicole (8 anos) deve submeter-se a uma operação ligeira. Mas, a sua mamãe, para não assustá-la, diz: “Muito bem, filhinha, vais assistir a uma festa muito bonita hoje à tarde, por isso vais pôr o teu melhor vestido.” Nicole fica radiante, mas na porta do hospital começa a inquietar-se. Logo é preciso render-se à evidência: anestesiam-na para a operação. Inútil dizer que Nicole perdeu Toda a confiança em mamãe. 
• Sucede às vezes que pais que se entendem mal determinam na criança uma atitude perniciosa de dissimulação: “Sobretudo, não contes isto ao teu pai” ou vice-versa: “Se tua mãe te perguntar, dirás que estivemos em...” (lugar não verdadeiro). 

• Para formar as crianças no tocante à lealdade, não basta dar-lhes exemplo, mas fazê-las odiar a mentira, amar apaixonadamente a franqueza, que lhes deve ser facilitada e estimulada. 

• É sempre excelente, quando for ocasião, mostrar à criança os inconvenientes da mentira. Sobretudo num mundo que freqüentemente glorifica o arrivismo, a fraude sob Todas as formas, não hesitemos em acentuar que, finalmente, a mentira não compensa. Mostremos que é causa de inúmeras contrariedades, em particular a contradição, a perda de confiança, e que, além disso, se já é bem difícil enganar por muito tempo os homens, há Alguém que não se engana jamais: Deus, testemunha sempre presente e a Quem nada pode escapar. 

• Evitemos admirar os que souberem, com habilidade, mas graças à mentira, sair de uma situação má ou enganar os outros. Frases como estas: “Pois é, aquele se defende!” ou “Este saberá arranjar-se na vida!” podem exercer uma influência funesta numa jovem alma. Deploremos, ao contrário, os mentirosos que perdem todo direito à honra e à confiança de outrem. 

• Não hesitemos em proscrever e desacreditar publicamente qualquer fraude, mesmo por brincadeira; qualquer deslealdade na classe, mesmo para prestar um serviço (“soprar” o ponto, por exemplo), mas sobretudo essa praga temível que é, em muitas escolas, a “cola” nas composições. Mostremos o quanto isto é prejudicial ao interesse de todos. 

• Quantos fatos poderíamos citar de contra-educação por parte de certos pais, no que tange à lealdade! Decerto, não convém generalizar; mas importa muito, caso não se queira deformar a consciência da criança, evitar escrupulosamente Toda distorção da verdade. 
A classe 8.a conjuga verbos. Ana-Maria folheia um caderno às escondidas. A professora a surpreende: “Que estás fazendo?” A criança, acanhada, responde: “Estou procurando o certo. Foi mamãe quem me disse para copiar." 
Uma família da África do Norte vem passar o verão na França: papai, mamãe o uma garotinha de 3 anos. Antes de embarcar, mamãe adverte: “Se te perguntarem pela idade dize que tens 2 anos.” A menina contou depois o fato com as suas próprias palavras: “Quando o comandante do navio me perguntou pela idade, respondi: “Tenho dois anos, “seo" comandante. Se eu tivesse dito três anos, ele me jogaria no mar!” 
O diretor do Liceu A... convoca ao seu gabinete os pais de um aluno que copiara a composição, e lhes notifica a expulsão do filho. O pai grita, então, para o menino, em presença do diretor: “És mesmo um idiota por te deixares pegar!” 

Um fato relatado, entre mil, por uma educadora: 
"Viajava eu num trem. Na estação de ... sobem uma mamãe e sua filhinha Janine (7 a 8 anos). “Janine — diz a mãe — se um cavalheiro vier te perguntar a idade responderás 6 anos e meio”. — Que cavalheiro? — Um cavalheiro de boné com bordados de ouro. — Mas eu tenho 7 anos e meio, não há quem não veja! — Não, não, compreende bem: 6 anos e meio! — Não é verdade, mamãe. Tu me disseste outro dia que a gente não deve nunca mentir; a professora também disse na escola. — Chega, não fales tão alto e faze o que te digo.” 
A garotinha me olha, e em seguida olha para a mãe. Tenho a impressão de que está consternada diante da atitude materna. Mas não ousa prosseguir nos “porquê?” e nos “como?”. Sem dúvida a intimido um pouco. A mãe ficou ruborizada... 
• Não tenhamos o ar de dar a entender a uma criança que ela poderia estar mentindo. Evitemos, pois, qualquer advertência como esta: “Sobretudo, não mintas”; digamos de preferência: “Estou certo de que dirás a verdade.” Acrescentar que ela é capaz de mentir é fazer germinar na sua alma inocente a idéia da possibilidade da mentira. 

• É preciso conceder à criança o benefício da verdade e da boa-fé, durante todo o tempo em que estivermos na impossibilidade de ter a prova do contrário. Isto a eleva aos seus próprios olhos e dá-lhe uma alta idéia da virtude da franqueza. 

• Não torneis a franqueza muito difícil. Não dramatizeis as perguntas. Um pai que proclama com ar zangado: “Pobre de quem fez isto!” e que, em seguida, pergunta: “Será que foste tu?”, inibe a confissão do culpado amedrontado. 

• Se nos apercebemos de que uma criança não disse a verdade, é bom não tachá-la apressadamente de mentirosa. Evitemos uma generalização precipitada que a enraizaria na falta. Consideremos a falta como um erro de óptica e digamos à criança: “Bem sei que és um menino franco e não queres enganar-me; mas, talvez te enganaste a ti mesmo. Na próxima vez tem cuidado de não falar antes de te certificares do que vais dizer.” 

• Para a criança há muitas causas de erro que nós, adultos, desconhecemos. O que nos parece mentira pode ser atribuído: 
1. A um erro de visão. A experiência da criança é ainda fraca; ela tem somente alguns poucos pontos de comparação, e não há como ser rigoroso por vê-la emitir uma apreciação errada. 
2. À sua imaginação exuberante que a arrasta a regiões fantásticas em cuja realidade acaba frequentemente por acreditar. 
3. À força dos sonhos que seu julgamento ainda mal formado nem sempre lhe permite distinguir da realidade. 
4. Ao fato de ser muito sugestionável. Um educador que interroga uma criança deve estar atento a essa característica, pois, insistindo mais do que convém, pode fazê-la confessar o que realmente não praticou. 
É por isso que devemos sempre distinguir entre mentira subjetiva e mentira objetiva. 

• Quando todas as causas do erro tiverem sido examinadas e nos tivermos de render à evidência da mentira, cumpre buscar-lhe o motivo. Dele depende, com efeito, a gravidade da mentira, bem como os meios a empregar para ajudar a criança a corrigir-se. 
1. A mentira pode ter causa no desejo de brincar com os outros, e temos a criança que conta “histórias”. 
2. A vaidade, o desejo de brilhar, de fazer-se admirado, originam também falta de franqueza. 
3. Quanto ao desejo de sair de algum apuro, pode-se dizer que é fundamento de quase todas as mentiras: “desaperta-se” para não ser ralhado — inventa-se uma desculpa para não cumprir com o dever, para explicar o atraso; esconde-se o livro aberto e lê-se a lição recitada ou “cola-se” a prova, etc... “Desaperta-se” para obter algo agradável.: inventam-se mil razões julgadas necessárias para obtê-la.
4. A timidez pode às vezes paralisar uma criança ao ponto de tirar-lhe a coragem de dizer a verdade; as primeiras mentiras reais são quase sempre provocadas pelo medo. Uma caridade mal compreendida poderá levar a criança a desculpar um camarada por meio de uma mentira; ela pensará que essa falta de lealdade que não lhe aproveita não é uma falta.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...