quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

ESTUDIOSIDADE FEMININA



Apontarei três fatos:

1.º — Papel da mãe na educação intelectual dos filhos;
2.º — Desigualdade ordena o mundo;
3.º — Liberdade contra ordem é escravidão.


1.º — Papel da mãe na educação intelectual dos filhos.

A mãe é a responsável primeira na educação integral dos filhos, sendo que o marido é o provedor do lar e dado aos trabalhos exteriores. A ela cabe não só os trabalhos manuais como também a educação do intelecto e espiritualidade dos filhos. É claro que o marido completará essa educação, especialmente no campo do intelecto, sendo ele mais racional que a esposa, porém seu tempo com os filhos é mais limitado e a educação se faz em tempo integral.
Isso não se dará de forma excelente se ela não buscar uma estudiosidade voltada para isso, logo, todo sofisma de que a religião católica escraviza a mulher às lidas domésticas caí por terra. Ela deve aprender gramática, artes, noções de geografia e história (não esse marxismo das universidades), caracteres de temperamentos, psicologia (nada de Freud) para lidar com os temperamentos distintos dos filhos, história da Igreja, vida de santos, alguns poucos de espiritualidade, filosofia, e por aí vai. Desfocar a estudiosidade da mulher desses fins seria ocupar seu tempo e minar suas forçasComo e quando esse desfoque acontece? Quando a sociedade coloca sobre o ombro da mulher funções que não lhe convém e quando ela tem que se qualificar não para ser sábia, mas sim operária, quando suas capacidades intelectuais são sugadas com ninharias e jamais desenvolvidas para um fim justo e nobre, como por exemplo, a educação dos filhos, ser uma boa companheira para seu marido ou mesmo uma ótima professora.


2.º — Desigualdade ordena o mundo.

O Céu é hierárquico e desigual e vemos essa aplicação em todo o universo para que haja ordem e reflexo da sabedoria de Deus.
Há desigualdade entre os sexos, em todos os campos possíveis (menos na dignidade que temos de filhos de Deus) e essa desigualdade se dá também no campo intelectual, cada um foi criado com potências próprias para cumprir sua vocação. Isso não impede a mulher de estudar assuntos que requer mais esforço — o que não aconteceria tão facilmente com um homem — desde que ela não deixe de prosperar nos assuntos que lhe são mais próprios.
O fato é que já de muito tempo a sociedade vive uma atmosfera de ignorância, os costumes estão corrompidos e o que antes era facilmente compreensível entre as mulheres, seja por conta de herança intelectual, seja por boas escolas ou mesmo pelos costumes ordenados, hoje só por meio de estudos certos, ordenados e com reta intenção.

3.º — Liberdade contra ordem é escravidão.

REVOLUÇÃO é a subversão à ordem divina. O primeiro revolucionário foi Lúcifer, querendo ser como Deus e dividindo os Anjos do Céu, vemos essa ação revolucionária no Jardim do Éden, quando tenta EVA, mais corruptível em sua natureza, e isso se perpassa por toda a humanidade. Todas as revoluções subvertem à ordem divina e sua consequência, assim como foi com Lúcifer e seus seguidores, é a escravidão. Logo, uma mulher que almeja, por seus estudos e desenvolvimento do intelecto, ser igual ao homem, negar a sua natureza mais delicada e sensitiva por completo estará se voltando contra Deus e torna-se, então, escrava do orgulho e da soberba.

A estudiosidade feminina é necessária!
Que se formem mães capazes intelectualmente para instruir filhos sábios!
E que essa vida de estudo se dê de forma ordenada!

Letícia de Paula.