domingo, 24 de abril de 2016

4 — Oração de S. Luís de Gonzaga

Nota do blogue: Acompanhe esse Especial AQUI.


4 — Oração de S. Luís de Gonzaga


Ó Santos e puros Anjos, ó vós verdadeiramente bem-aventurados, que de contínuo assistis na divina presença, e que com tão grande júbilo estais contemplando a face daquele celeste Salomão, por quem fostes cumulado de tanta sabedoria, feitos dignos de tanta glória e ornados de tantas prerrogativas: vós brilhantes estrelas, que com tal felicidade resplendeis nesse bem-aventurado céu empíreo, infundi eu vos peço, em minha alma, os vossos bem-aventurados influxos, conservai sem mácula a minha vida, firme a minha esperança, os meus costumes sem culpa, inteiro o meu amor para com Deus e para com o próximo.
Rogo-vos, Anjos bem-aventurados, que com vossa ajuda vos digneis conduzir-me como pela mão, pela estrada real da humildade, por que vós primeiro caminhastes, para que depois desta vida eu mereça ver juntamente convosco a bem-aventurada face do Pai Eterno, e ser contado em vosso número também, no lugar de uma daquelas estrelas, que por sua soberba caíram do céu.[1]



[1]     Meditações dos santos Anjos, e particularmente dos Anjos da Guarda, p. 7, ponto 4. Esta meditação se acha entre as do p. Vicente Bruno; e é, como testifica o p. Cepari na vida de S. Luís (p. II cap. VIII), toda da composição do mesmo S. Luís. Não foi sem particular intenção que o P. Vicente Bruno encarregou ao santo de compô-la, pois sabia a particular devoção que S. Luís nutria para com os santos Anjos, de cuja conduta era ele um êmulo sem igual.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...