sábado, 28 de novembro de 2015

A ação divina oferece-nos a cada instante bens infinitos, e dá no-los à medida da nossa fé e do nosso amor

Nota do blogue: Acompanhe esse Especial AQUI.

O ABANDONO À DIVINA PROVIDÊNCIA
pelo
P.J.P de Caussade, S.J


CAPÍTULO III
A ação divina oferece-nos a cada instante bens infinitos, 
e dá no-los à medida da nossa fé e do nosso amor

            Se nós soubermos considerar cada momento como a manifestação da von­tade de Deus, aí encontraremos tudo o que o nosso coração pode desejar. Com efeito, que há de mais razoável, de mais perfeito, de mais divino, do que a von­tade de Deus? O seu valor infinito pode porventura aumentar, com a diversidade de tempos, de lugares, de coisas? Dan­do-vos o segredo de a encontrar em tudo e a cada momento, tendes o que há de maus precioso e de mais digno dos vossos desejos. Que desejais pois, almas santas? Dai livre curso ao vosso fervor, estendei os vossos desejos para além de toda a medida e de todo o limite: tenho com que o encher. Não há momento em que vos não faça encontrar tudo quanto podeis desejar.

            O momento presente está sempre cheio de tesouros infinitos, excedendo em muito a vossa capacidade receptiva. A fé e o amor são a vossa medida; quanto o vosso coração mais ama, tanto mais deseja, e quanto mais deseja mais encontra. A vontade de Deus apresenta-se-lhe a cada instante como um mar imenso, impossível de esgotar e do qual não recebe senão na medida em que se dilata pela fé, pela confiança e pelo amor.
            Todas as coisas criadas não po­dem saciar o vosso coração, pois ele tem uma capacidade que vai muito além de tudo o que não é Deus. As montanhas que enchem de espanto os olhos, são apenas átomos no coração,
            A vontade divina é um abismo que o momento presente nos abre: mer­gulhai nesse abismo e encontrá-lo-eis muito mais extenso do que os vossos de­sejos, Não aduleis ninguém; não ado­reis fantasmas que nada vos podem dar nem tirar. Só a vontade de Deus será a vossa plenitude, sem deixar vazio al­gum; adorai-a, ide direito a ela, aban­donando e ultrapassando todas as apa­rências. A morte dos sentidos, a sua destruição e o seu aniquilamento são o reino da fé. Os sentidos adoram as cria­turas; a fé adora a vontade divina. Tirai os ídolos aos sentidos; choram como crianças desesperadas; mas a fé triunfa, porque não se lhe pode tirar a vontade de Deus. O momento que amedronta e aterra, reduz à fome, despoja e abate todos os sentidos, é o que alimenta, enri­quece e vivifica-a fé e se ri das perdas como o comandante duma fortaleza inex­pugnável se ri dos ataques inúteis lan­çados pelo inimigo.
            Quando a vontade de Deus se revela a uma alma, fazendo-lhe sentir que está disposta a dar-se-lhe toda inteira con­tanto que a alma por sua vez se dê tam­bém a ela, esta experimenta em todas as ocasiões um socorro poderoso; então goza por experiência a felicidade desta vinda de Deus, e tanto mais goza quanto melhor compreende na prática o abandono em que deve estar a todos os mo­mentos para com esta adorabilíssima vontade.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...