terça-feira, 10 de abril de 2012

4ª. De outras razões que há para nos consolarmos e conformarmos com a Vontade de Deus nas securas e desolações na oração

Nota do blogue: Acompanhe este Especial AQUI.



Ainda que é bom pensarmos que este trabalho das desconsolações na oração nos vem por nossas culpas, para que assim andemos sempre humildes e confundidos; contudo também é necessário que entendamos que nem sempre é castigo de nossos pecados ou defeitos, mas sim disposição e altíssima providência de Deus que reparte Seus dons como é servido; pois não convém que todo o corpo sejam olhos, cabeça, pés ou mãos, senão que haja membros diferentes na Sua Igreja. E assim não convém que se dê a todos aquela oração especialíssima e avantajada de que falamos quando tratamos da oração. E isto não é preciso que seja porque o não mereçam todos, pois, ainda que o mereçam, contudo poderão merecer mais, e lhes fará o Senhor maior mercê em lhes dar outra coisa, que não em lhes conceder esse dom de oração. Houve muito grandes Santos dos quais não sabemos que tivessem estas coisas; e se as tiveram, disseram com S. Paulo que não se prezavam delas, nem se gloriavam senão em levar a cruz de Cristo: Longe de mim gloriar-me em outra coisa que não seja a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo (1).

Sobre isto diz o P. Mestre Ávila uma coisa de muita consolação: “Deixa Deus a alguns desconsolados por muitos anos, e algumas vezes por toda a vida; e a parte ou a sorte destes creio que é a melhor, se há fé para não julgar mal, e paciência e esforço para sofrer tão grande desterro”.

Se cada um se acabasse de persuadir que essa é para ele a melhor parte, facilmente se conformaria com a vontade de Deus. Muitas razões dão os Santos e os mestres da vida espiritual para mostrar que aos tais lhes está melhor esta sorte, ou esta sua tribulação e secura; agora porém diremos somente uma das razões principais, que apontam S. Agostinho, S. Jerônimo, S. Gregório, e comumente todos os que tratam desta matéria, e é que nem todos são capazes de conservar a humildade na altura e sublimidade da contemplação, porque apenas derramamos uma lágrima, e já nos parece que somos espirituais e homens de oração, e talvez nos comparamos e ainda preferimos aos demais.

Até o apóstolo S. Paulo parece que houve mister algum contrapeso, para que estas coisas o não levantassem e ensoberbecessem. Para que o ter sido arrebatado ao terceiro céu, e o ter tido tão grandes revelações não fosse causa de perder a sua humildade, permite Deus que o acometa uma tentação que o humilhe, e lhe faça conhecer a sua fraqueza. Pois por esta mesma causa, ainda que aquele caminho da contemplação pareça mais alto, contudo este da secura e desconsolação é mais seguro; e assim Deus Nosso Senhor que é infinitamente sábio, e nos guia a todos para um mesmo fim, que é Ele mesmo, leva a cada um pelo caminho que Ele sabe é mais conveniente. Pode muito bem ser que, se tu tivesses grande entrada na oração, em vez de saíres humilde e aproveitado, saísses soberbo e desvanecido; e pelo outro caminho da desolação andas sempre humilde e confuso, tendo-te por inferior a todos; e assim melhor caminho é este e mais seguro para ti, ainda que tu o não entendas.

A este propósito ensina S. Gregório uma doutrina muito boa sobre aquelas palavras de Job: Se o Senhor vier a mim, não O verei; e se Ele se for e apartar de mim, não O entenderei (2). Ficou o homem, diz, tão cego pelo pecado, que não conhece quando se vai aproximando de Deus, nem quando se vai afastando dEle; antes muitas vezes aquilo que imagina é graça de Deus, e que o há de unir mais com Deus, se lhe converte em objetos de ira, e lhe serve de ocasião de se apartar mais de Deus. E pelo contrário outras vezes o que ele pensa que é ira de Deus ou motivo para que Deus se aparte ou esqueça dele, isso mesmo é graça divina, concedida precisamente para que o homem se não aparte de Deus.

Quem é que vendo-se em uma oração muito alta e muito elevada, e muito regalado e favorecido de Deus, não pensará que se vai chegando mais ao mesmo Deus? Ora muitas vezes com estes favores chegam alguns a ensoberbecer-se e a fiar-se de si, e pelo mesmo caminho por onde pensavam subir e aproximar-se mais de Deus, por ali os faz cair o demônio. E ao revés muitas vezes vendo-se um muito triste e aflito, cercado de graves e fortes tentações, muito combatido de pensamentos desonestos, de blasfêmias e tentações contra a fé imagina que Deus está irado contra ele, e que o vai abandonando e apartando de si, e então precisamente é quando está mais perto dEle; porque com isto mais se humilha, conhece a sua fraqueza, desconfia de si, acode e recorre a Deus com maior ânsia e fortaleza, e pondo nEle toda a sua confiança, procura e forceja por nunca se apartar dEle de maneira que o melhor caminho não é aquele que vós julgais por melhor, senão aquele por onde o Senhor vos levar, e esse haveis de entender que é o mais seguro e o que mais vos convém.

Mais. Essa mesma amargura, essa pena e dor que vós sentis, por vos parece que não tendes oração com aquela perfeição e recolhimento que deveis, pode ser outra razão de consolação, porque é particular graça e especial mercê do Senhor, e sinal de que o amais, pois não há dor onde falta o amor, não há pesar e pena de servir mal, sem o propósito e vontade de servir bem. E assim esta pena e esta dor não há dúvida que nasce do amor de Deus e do desejo de O servir melhor. Se não fizésseis caso de O servirdes mal, nem de terdes oração mal feita, nem de fazer as coisas imperfeitamente, isto seria mau sinal; porém sentirdes pena e terdes dor por vos parecer que fazeis as vossas obras mal feitas, isto é bom sinal. Contudo esta dor e este sentimento pode-se aplacar e moderar, se entenderdes que, enquanto isso é pena e castigo, é da vontade de Deus, e, portanto conformai-vos com ela e dai muitas graças ao Senhor, pois vos deixa andar desejoso de Lhe agradar, ainda que as obras vos pareçam pobres e imperfeitas.

Mas há mais. Ainda que na oração não façais outra coisa senão assistir ali é fazer ato de presença diante da Majestade Divina, nisto mesmo servis e agradais muito a Deus, como vemos cá no mundo que é grande majestade dos reis e príncipes, que os grandes de sua corte vão todos os dias ao palácio e assistam em sua presença. À glória da Majestade de Deus, à importância do negócio que tratamos e à baixeza da nossa condição pertence que estejamos muitas vezes esperando longamente às portas do palácio celestial; e quando o Senhor vos abrir as portas, dai-Lhe graças por esta mercê; e se as não abrir, humilhai-vos, reconhecendo que o não mereceis: e desta sorte sempre será muito boa e proveitosa a vossa oração.

De todas estas considerações e de outras semelhantes nos havermos de ajudar para nos conformarmos com a vontade de Deus nesta desolação e desamparo espiritual, aceitando tudo com boa vontade e dando ao Senhor muitas graças, dizendo com o santo arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires: Bendita seja esta amargura, amarga e amarguíssima, mas cheia de graças e bens singulares. (3)

Notas:

(1)   Mihi autem absit gloriari nisi in cruce Domini nostri Jesu Christi. Ad. Gal. VI, 14.
(2)   Si venerit ad me, non videbo eum; si abierit, non intelligam. Job IX, 11.
(3)   Salve, amaritudo, amarissima, omnia gratia plena! Compend., cap. 26.

(Exercícios de Perfeição e Virtudes Cristãs pelo V. Padre Afonso Rodrigues da Companhia de Jesus, versão do Castelhano por Fr. Pedro de Santa Clara, 4.ª Edição, primeira Parte, Tomo II.)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...