terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

I - Convite para meditar as verdades eternas

I - Convite para meditar as verdades eternas



I- A ignorância, minha filha, é a principal origem dos erros que cometem as jovens cristãs. Não meditam suficientemente nas coisas de Deus e da sua salvação, e daí provêm que, enganadas pelas ilusões do mundo, vivem a ele tão presas como se para ele e não para o céu fossem criadas. Não se apercebem do princípio onde as conduz a corrupção do século; correm loucamente para ele seduzidas por um sonho vão de felicidade.

Ah! Minha querida filha, tudo se perde por causa da leviandade! Para te eximires a tal desgraça, escuta a Minha voz; quero guiar-te e instruir-te. Não recuses ouvir uma Mãe que te ama com todas as véras do coração, e que anseia ver-te feliz. Convido-te a reconcentrar-te todos os dias no silêncio da santa solidão. Aí, repousarás sobre Meu seio maternal: dir-te-ei palavras salutares. A meditação das verdades eternas que te hei de propor, inflamará em tua alma as castas chamas do divino amor e ensinar-te-á a procurar em Deus, e não nas mentiras do mundo, a tua verdadeira felicidade. Ah! menos seria o número dos cristãos que se perdem desgraçadamente, se eles amassem mais o recolhimento e a meditação.

Coragem, pois, ó Minha filha; afastando-te todos os dias durante alguns momentos do bulício do século, acompanha-Me na solidão da tua câmara para meditares nas verdades eternas, - únicas que podem tornar-te prudente. Se porventura estás ainda alistada sob  bandeira das virgens puras e inocentes, a meditação aí se conservará; se és fraca na virtude, dar-te-á forças; se esmoreces e és tíbia para o serviço divino, abrasar-te-á num santo fervor, esclarecer-te-á nas fraquezas e temores, defender-te-á nos perigos e alcançarás de Deus perdão e misericórdia para as culpas passadas.

Dedica-te pois a contemplar na meditação as belezas da virtude, a gozar as doçuras da graça, a fazer constituir a tua felicidade das palavras suaves do teu Deus.

II - Acautela-te, Minha filha, dos pensamentos enganadores que o inimigo das almas faz brotar no coração de muitas donzelas cristãs da tua idade para as impedir de se entregarem a Deus, fazendo-lhes ver que a aplicação à oração e ao recolhimento tornam a vida triste e aborrecida, que é ao presente o tempo de gozar, que se pode esperar para tratar da alma o momento em que o rosto esteja enrugado, em que o viço e os atrativos da mocidade estejam extintos, e em que o mundo não lhes dê mais atenção. Não te deixes persuadir por tais sugestões que tendem a fazer-te dar ao mundo os mais belos dias da tua vida, para não reservares a Deus e a virtude mais que o refugo do mundo, ó Minha querida filha!

Acautela-te desse laço funesto que tem feito cair no inferno milhões de almas. A juventude é a mais bela idade para aprender a conhecer e a servir Deus. É a idade em que melhor se pode fazer um rico tesouro de merecimentos e adquirir para sempre bons costumes, aplicando-se a seguir o caminho da virtude. As máximas e as práticas santas que aprenderas e com as quais te familiarizaras na juventude, servir-te-ão como de fiéis companheiros até teus dias provectos e decidirão da tua eternidade. Mas se para te entregares a Deus esperas uma idade avançada, a tua oferenda será muito tardia e aconselhada mais pelo receio que pelo amor.

Demais, tens a certeza de chegar a essa idade avançada? Chegando a ela, tens a certeza que Deus te fará a graça de mudar as tuas inclinações viciosas e os costumes inveterados? Desprezada pelo mundo e querendo então entregar-te a Deus, aceitará Ele semelhante dádiva? Consagra-Lhe agora o coração sem demora. Não o deixeis empedernir à voz de Deus que te chama. Ele é cioso de primícias e concede a abundância das Suas graças a todos aqueles que se Lhe dedicam desde os primeiros anos; tens belos exemplos em Santa Catarina de Sena, Santa Catharina de Bolonha, Santa Rosa Viterbo e outras muitas, queridas Minhas.

III - Vem, pois, ó Minha querida filha, vem todos os dias aprender aos pés do teu Deus, na meditação, os deveres de cristã. Ele te comunicará todas as luzes e graças de que careces. Aprenderás a conhecê-lO, a bem apreciar a tua alma, o céu e a eternidade, e a desprezar o mundo e suas sedutoras vaidades. Descobrirás as más inclinações da tua alma e os teus defeitos; receberás a graça de corrigir esses defeitos e força para combater essas inclinações.

Conhecerás os laços que o demônio te arma e o meio de os evitar. Numa palavra, - na meditação aprenderás tudo quanto uma virgem cristã que se aplica a agradar em tudo a Deus, deve saber para bem viver. Não te falta o tempo. Tem-lo para as loucuras, as conversações, modas e vaidades. Não é verdade ser para a alma e para Deus que não sabes achá-lo? Anima-te, minha filha, foge à indolência e à dissipação e tê-lo-ás. Pode ser, dirás tu, que tu não saibas meditar; prometi instruir-te e fa-lo-ei. Basta amar a Deus de todo o coração. Esse amor é que te ensina a meditar santamente. Tens um exemplo na minha devota Maria d'Oignie, uma simples camponesa. Oh! como o amor de Deus que lhe abrasava o coração lhe tornou fácil e natural a meditação!

Quando arrancava as ervas no campo, pensava nos judeus que arrancavam os cabelos ao Meu divino Filho durante a paixão. Quando o peso dos feixes de lenha que conduzia a oprimia, pensava no peso mais opressivo da Cruz que Jesus suportava por amor dela. Quando se sentia picada pelas silvas, recordava logo os espinhos que romperam a cabeça do seu amado Salvador. Era assim que tudo se lhe tornava em objeto de santa meditação, com grande proveito da sua alma.

Afetos - Reconheço, ó minha Mãe Santíssima, que tenho grande necessidade de reconcentrar-me na meditação para reformar a minha vida, descobrir os laços que o inimigo me arma a cada passo e evitar e fugir do precipício para que corria cegamente. Ah! sim, os dias que tenho passado no esquecimento de Deus, têm sido os mais tristes da minha vida. Que viria a ser de mim, desgraçada, se para o futuro me não dedicasse  à oração? Deus prometeu Suas graças, mas unicamente àqueles que lh'as pedissem, porque disse - pedi e ser-vos-á dado. - Recusa-as, pois, justamente, a quem lh'as não pede.

Quanto vos sou reconhecida, ó minha terna Mãe, por quererdes descer ao ponto de me instruir!

Vossa bondade não pode ser maior para comigo, indigna serva Vossa. Falai-me pois; quero aproveitar-me do Vosso ensino: serei dócil ás Vossas palavras, porque são as da vida eterna. Não mais me deixarei seduzir pelo prestígio do inimigo, nem pelas ilusões do mundo. Para não diferir por mais tempo de oferecer-me a Deus, desde já Lhe consagro o coração e me entrego toda a Ele. Que jamais passe um só dia da minha vida sem recorrer ao trono das graças divinas, sem apresentar aos pés de Jesus as minhas humildes homenagens, sem Lhe expor as minhas precisões com os votos mais ardentes do meu coração. Tal é a minha firme resolução. Recorro a Vós, Mãe misericordiosíssima, para que a torneis eficaz com a graça do Vosso divino Filho.

(Maria falando ao coração da donzela, meditações para todos os dias do mês, traduzidas do italiano pelo Abade A. Bayle --Professor de Eloquência Sagrada na Faculdade de Teologia de Aix--; Quinta edição, Livraria Catholica Portuense, ano de 1917)

PS: Grifos meus.