sábado, 22 de janeiro de 2011

Donzelas cristãs: A Igreja pede-vos que sirvais

DONZELAS CRISTÃS: VOCÊS E A IGREJA


PEDE-VOS QUE SIRVAIS

QUE É SERVIR

A palavra tem dois sentidos. Primeiramente significa: servir para qualquer coisa. Por exemplo: na estrada encontro um objeto, apanho-o e digo: "Isto não vale nada", e jogo-o fora. Ou então: "Isto pode servir para alguma coisa", e carrego-o comigo.

A Igreja vos pede que sejais boas, que sirvais para alguma coisa, em oposição às que não são boas senão para tolices e futilidades.

É claro que, mesmo contra nossa vontade, sempre servimos para alguma coisa, ao menos para ingerir micróbios quando respiramos, ou gastarmos solas de sapatos quando andamos, ou pormos em prova a paciência do próximo com o nosso mau caráter.

Mas trata-se de ser seriamente bom, seriamente útil... de saber o que fazer com nossos dez dedos, nossa língua, nosso coração; e, bem das paróquias, das obras, das famílias, dos pobres.

Não é toda a gente que sabe tocar piano... nem isso é preciso. Se soubéssemos ao menos varrer convenientemente a Igreja ou o patronato, sorrir bondosamente para uma criança que sofre, já isso seria tanto! Muitas há e até gente upa... que nem para isso servem...

Que vida é então a sua? e que vale um de seus dias? Passar horas inteiras olhando para o maravilhoso rosto, rodando sem parar o anel nos dedos finos, trocando com amigas do mesmo quilate solenes banalidades, dançar, até perder os saltos dos sapatos, pode-se chamar a isso "servir"? Mais vale para a nossa pátria uma ativa dona de casa do que uma rainha ociosa; mais vale para a Igreja a humilde dedicação de uma serva eficiente no trabalho, seja ele qual for, do que a tagarela, preguiçosa, devoradora do tempo, dessas que desperdiçam coração e dinheiro.

Servir! Ser capaz de fazer alguma coisa de útil! Preparar-se para o ser, para que não tenha que responder sempre: "Não sei fazer isso!" Como se fosse uma desculpa, mas, afinal, sendo uma verdadeira condenação! "Arrancai essa figura - diz o Mestre do Evangelho, - está sugando a terra sem proveito". (Lucas, XIII.7)

Servir também quer dizer pôr-se à disposição de alguém, para o ajudar em seu trabalho. Em tal sentido, serve uma doméstica, uma empregada. No mesmo sentido se dirá: "Servir Dona Fulana... Servir uma idéia... Servir seus pais... Servir a Deus". Em tal sentido assinava o Apóstolo São Paulo: "Paulo, servo de Jesus Cristo", e a Virgem Maria pronunciava: "Eis aqui a serva do Senhor", e uma Irmãzinha se chama "Serva dos pobres".

COMO SERVIR

Ofererecei vossos serviços à Igreja, deixando-lhe a iniciativa de fixar as minúcias, contentando-vos em lhes oferecer total devotamento.

Servi com alegria, sem mau humor, sem esse jeitinho de quem se arrasta no trabalho. Não vos apresenteis com um aspecto de mártir, pois em tal caso tiraríeis ao trabalho todo o seu sentido e faríeis mal ao Senhor, que só quer corações livres. Não murmureis por causa dos sacrifícios feitos; não resmungueis com os pequenos trabalhos e as ocupações modestas. Mostrai o contrário aos que não acreditam que o trabalho do Senhor, mesmo quando áspero, é suave, e que Seu jugo é leve mesmo quando pesado.

Servi com altivez. Lembrai-vos de que na corte de Luís XIV, os grandes senhores, na hora (de Luís XIV) se levantar, disputavam-se a honra de segurar a manta direita ou esquerda da real camisa. Pobres coitados! E para que não dizê-lo? triste comédia... Fixai-vos em que, onde há dignidade no senhor, há nobreza no servo, por mesquinho que seja o serviço.

Aquele a quem se chamou "o maior entre os filhos dos homens" achava-se indigno de atar o laço da sandália do Cordeiro de Deus ou carregar-Lhe as alpercatas. E realmente tinha razão.

Servindo à Igreja, é ao próprio Senhor que estais servindo. Nada é mesquinho no que fazeis por ela, que é a esposa de Cristo e Seu corpo. Tudo quanto fizerdes por ela, por causa dEle, tem o valor do perfume que se derrama pela divina cabeça, ou do aroma que se espalha pelos sagradas membros...

Quem quer que sejais, filhas de Jerusalém, que acompanhais a Igreja dolorosa nos caminhos do Calvário; filhas de Israel que a ajudais com vossas moedas e a cercais de dedicação; Verônica, enxugando suas lágrimas no rosto dos pobres; filhas de Sião, cobrindo amorosamente de bálsamo suas mãos e pés - todos vós, sem exceção, ufanais-vos de serdes admitidas à obra sublime. A menor coisa feita por ela é mais gloriosa que uma ação brilhante em atenção a outras mestras e senhoras... A última nesta santa servidão é mais do que rainha perante Deus.

Servi com desinteresse. Não exijais o reconhecimento oficial de vossa real dedicação. Não façais de vosso serviço um negócio. Não digais à Igreja: "Dou-te meu tempo, meu dinheiro... dá-me agora honrarias no meio da comunidade cristã". Não espereis, para começar a segunda semana, que acertem convosco as contas da primeira. Se vos esquecerem, se vos desconhecerem, não vos vingueis afastando-vos para um canto.

Não façais pesar sobre a Igreja, o zelo que manifestais por ela. Que vosso serviço não seja para ela uma servidão. Que ela jamais tenha que pagar com sua divina liberdade o nobre direito que vos dá de irdes em seu auxílio.

Pois o mau, senhorinhas, mau, vil e odioso, que uma jovem compre por tal preço o silêncio ou as complacências da Igreja. Nesse caso, não se trata mais de um serviço cristão, mas de uma cínica exploração, e tanto mais cínica quanto mais oculta.

Que quereis como recompensa? Quanto Santo Tomás de Aquino finalizou seu grande trabalho - , o Crucifixo, para quem e diante de quem tão magnificamente trabalhara, disse-lhe: "Escreveste bem a Meu respeito... Que recompensa desejas?"  "Só a Vós, Senhor".

Que a alegria e a altivez de servir vos bastem, queridas jovens, sem que haja mister o acréscimo imediato da retribuição. A consciência do dever cumprido; a certeza de que uma fiel dedicação tem em vós ou em outras resultados felizes, posto que muitas vezes ignorados; o sorriso de Cristo, o contentamento certo da Madre Igreja; a garantia de ter concorrido um pouco para a beleza do mundo e suprimido um pouco suas misérias; a esperança de ser a grande Desprezada um desagravo que encante seu coração e o console dos sofrimentos por que passa - isso não é o bastante? Aqui para o mundo, que mais é preciso? Do salário do Além nada direi. Está guardado. O Mestre paga magnificamente.

Servir! Servir! Dizer: "Senhor, que queres Vos que eu faça?" Dizer: "Senhor, eis aqui a Vossa serva!" Dizê-lo sempre que uma mensagem do Alto nos chegar. Porque, afinal, sempre chegam mensagens. Desde que em vossa paróquia o padre vos convida para um trabalho; desde que em vosso patronato, círculo ou coro, é reclamada uma dedicação; desde que o pó se acumula no assoalho de vossa Igreja... é como a visita do anjo a Maria: a generosa resposta terá que ser está: "Senhor, eis aqui Vossa serva".

A Pátria encontra heróicos servidores quando os convoca a toques de clarim. Despertam coragem quando nas fronteiras se ouve o arrastar dos passos de legiões inimigas. Toda a França arregaça então as mangas, os pulmões se lhe dilatam, toma os instrumentos de trabalho para servir. E os povos jamais dão de si espetáculo mais belo do que nessas terríveis horas.

Ó jovens, também a Igreja faz soar melancolicamente o toque de alarme nas almas capazes de compreender. Tem causas a defender, e por elas que congregam os corajosos. Os covardes fogem; os tímidos fingem não compreender; os egoístas sorriem.

E vós? Tende a lealdade de escolher vossa classificação.

Antes disso, porém, ouvi-me.

Ou, sob o pretexto de reinar, nos recusamos a servir, e é então que nos aviltamos, por vezes ignobilmente, ou simplesmente, nobremente, sem discussões, nos oferecemos para servir, e é então que reinamos.

A Rainha das rainhas, por toda a eternidade, a Virgem Mãe, foi aqui na Terra a Serva das servas.

Servir, minhas jovens, eis aí o ideal. A Igreja vos pede que que sirvais.

(Jovens: Vocês e a vida - coleção moças, pelo Fr.M. A. Bellouard O.P. ; edições Caravela LTDA, 1950, continua com o post: Vocês e vossas responsabilidades: Sois guardiãs)

PS: Grifos meus