quarta-feira, 24 de março de 2010

Correção das crianças - Primeira parte

Nota: Devido à extensão do capítulo, iremos transcrevê-lo em três partes.

Correção das crianças
Primeira parte


Necessidade da correção

Pensem-no embora os naturalistas e os pais mais ingênuos ou cegos de mal entendido amor, não há crianças sem defeitos. Por bem dotadas que sejam, sempre o terão. Se muito fortes, as próprias qualidades os trazem consigo. Por isso é de necessidade a correção.

Deus a ordena - "Quem poupa a vara odeia o filho; mas quem o ama corrige-o na hora oportuna" (Pv 13,24). (Não tomemos a palavra ao pé da letra, como apologia do castigo físico... falando a linguagem dos homens do seu tempo, a Bíblia quer inculcar a necessidade da correção, que é o essencial no seu pensamento, sendo o meio a parte acessória. Aqui, como em muitos outros passos da Escritura, devemos lembrar a sua própria advertência: "A letra mata, mas o Espírito vivifica").

"Não poupes a correção à criança" (Pv 13,24). "Aquele que ama o seu filho corrije-o com freqüência, para que se alegre mais tarde" (Eclo 30,1). E São Paulo, escrevendo aos efésios: "E vós, pais, não provoqueis vosso filhos à ira, mas educai-os na disciplina e na correção, segundo o espírito do Senhor" (Ef. 6,4).

A razão a requer - A situação do homem em face da moral não é apenas um dado da fé. Faz parte da Revelação, é fundamental ao Cristianismo, porque o Senhor veio para restituir-nos a graça, perdida na queda do pai da humanidade. São Paulo diz que não faz o bem que quer, e sim o mal que não quer; e sente no corpo uma força que luta contra a força do espírito (Cf. Rm 7,19-23). São Pedro, na sua primeira Epístola, fala igualmente "dos desejos da carne que combatem contra a alma" (2,11).

A razão nos mostra a verdade desta situação. Cada um de nós pode repetir o poeta francês que sentia dois homens em si - um que anseia pelo ideal, outro que se inclina para os instintos, arrastando-se para erros e desvios, que requerem correção. Correção maior ou menor, própria ou alheia - conforme o caso.

A criança a exige - Sem uso da razão, ou com este apenas começando, movida pela sensibilidade em pleno domínio, a criança não tem capacidade para discernir o bem do mal, nem vontade suficiente para deter-se em face das solicitações instintivas. É o educador que a deve orientar para fazer o bem e evitar o mal, corrigindo-a, quando ela errar. Sem essa correção, corre a criança o risco de confundir noções contrárias, cuja distinção é essencial à vida moral. Para a criança o bem é o que os pais lhe permitem, o mal o que eles lhe proíbem.

A experiência o confirma - Em todos nós estão os germes de virtudes e vícios, lançados pela própria natureza. Nos cristãos, o Batismo infundiu as virtudes teologais e os dons do Espírito Santo. Mas importa cultivar o campo, a fim de que a boa semente brote, cresça e frutifique, e o joio seja erradicado. Deixado a si o terreno, despontam mais facilmente os espinhos que a boa semente.

É esta a lição da experiência: sem orientação e correção, crescem as crianças estragadas e viciosas; enquanto os frutos de virtude sazonam nas que tiveram o cultivo dos educadores.

Finalidade

É triplice a finalidade da correção, cada uma marcada por valores, ligada à ordem social.

Restaurar a ordem moral

Essencial para qualquer pessoa, este aspecto é ainda mais importante para as crianças, cujo critério para distinguir o bem e o mal, é às vezes, exclusivamente, o modo de agir dos educadores. Se ela cometeu uma falta contra a moral - um pequeno furto, uma desobediência, uma mentira, etc. - , e não lhe exigimos a reparação, pode parecer-lhe não ser mal o que fez. Ou se lhe exigirmos umas vezes, e outras não, causamo-lhes confusão, pois não sabe se o seu ato foi bom ou mau.

Esse sentido de restauração da ordem moral, superior aos homens porque pertence à essencia das coisas, é indispensável à pedagogia da correção.

Emendar a criança

Do interesse pessoal do educando, aqui está o mais importante da correção. No que tange à ordem moral e à social, o trabalho seria mais fácil. A face pedagógica é mais delicada e complexa, porque lida diretamente com a criança. Em que consiste?

- Fazer que a criança "compreenda o erro" cometido e "procure evitá-lo" no futuro. - Não deseja punir, mas melhorar. Se a criança ainda não é capaz de compreensão propriamente dita, vai-se amestrando, lastreando o subconsciente e canalizando as energias para o bem. Sendo capaz de compreender, o trabalho do educador é movê-la ao desejo de corrigir-se, conseguir-lhe o arrependimento da falta e a deliberação de evitá-la.

- Impedir os maus hábitos e facilitar os bons. - Formentando o desenvolvimento dos bons germes e combatndo os maus, iremos afastando a criança do vício e afeiçoando-a à virtude. Por sua natural inexperiência, ela errará muitas vezes os caminhos da vida: nós a faremos voltar sobre si e tomar os caminhos certos, até que os aprenda, até que os possa acertar por si, sem mais precisar de guia.

(Para a formação dos hábitos não basta a repetição dos atos, a qual não representa educação. O hábito só é durável quando vem de dentro para fora, parte da convicção e da vontade do sujeito. O trabalho do educador está em dar à criança a convicção da necessidade e o desejo de realizá-la.)

- Inclinar para o dever. - A correção não é trabalho de adestramento de animais: mero repetir mecânico até o hábito, firmado em reflexos condicionados. nem se contenta em castigar, para que a criança evite o erro por medo. Ela é, na verdade, meio educativo: quer formar a consciência, aguçar o senso moral, ensinar a julgar, dar autodisciplina, ensinar o cumprimento do dever.

- Ensinar "como" proceder bem. - A correção visa ao ideal: orienta-se para ele, e não o perde vista - como tudo o que é realmente educativo. Mas caminha para ele passo a passo. É método: diz "como" agir, ensina a fazer, facilita a tarefa. É ajuda pessoal, de ordem prática, de mestre a aprendiz;

- Criar facilidades à virtude - Posta em condições favoráveis, a criança terá facilidades maiores para o dever e a perfeição. Mais do que o adulto, ela cede às sugestões do meio. Por isso, temos maior obrigação de aplainar-lhe o caminho do bem:

* ajudando-a a superar os defeitos, fraquezas e más tendências naturais;
* suprimindo ou enfraquecendo as influências nocivas a sua formação - no lar, na sociedade, na escola;
* dando-lhe resistência para as inevitáveis ocasiões de tropeço: na rua, na escola, nas visitas... - pois são perigos normais, a que ela deve saber resistir, uma vez que não a queremos educar artificialmente, em redoma ou estufa, mas no mundo, ensinando-lhe a superá-lo, tal como fez Jesus com seus discípulos: "Não peço que os tire do mundo, mas que os preserves do mal" (Jo 17,15);

* desenvolvendo-lhe a vida espiritual, a fim de que, pela graça, pela oração, pelo temor a Deus, pelo exemplo dos nossos maiores na fé, ela "não se deixe vencer pelo mal, mas vença o mal pelo bem" (Rm 12,21), e - melhor ainda - faça do mal que lhe aparecer uma ocasião de apostolado.

Assegurar a ordem

Não subsistirá uma sociedade que não respeita os princípios morais. A impunidade de crimes e vícios é grande responsável pelas desordens que afligem os nossos tempos. Não corrigir os culpados é abrir caminho a novas faltas dele e dos outros. A experiência nos é por demais farta e onerosa, e dispensa insistência.

Se isto é verdade para adultos, quanto mais para crianças! Negligenciada a correção, abre-se a brecha: a nau da disciplina entra a fazer água, e não tardará o naufrágio, a menos que lhe acudam com redobrados trabalhos.

(Excertos do livro: Corrija o seu filho - Mons. Álvaro Negromonte)